Unidade de atendimento à mulher participa da semana da consciência negra

A Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos participa com a unidade móvel de atendimento à mulher em situação de violência das comemorações da semana da consciência negra. As atividades começam nesta quarta-feira (19) na comunidade quilombola de Jussarinha, no município de Santana do Mundaú.

A ação ocorre através da Superintendência de Promoção dos Direitos e de Políticas para a Mulher.

Na programação estão previstas palestras sobre a violência contra mulher e a Lei Maria da Penha e atendimento psicossocial e jurídico, bem como a distribuição de material informativo e educativo. A atividade é desenvolvida pela Superintendência e o Fórum Estadual pelo Enfrentamento à Violência Contra Mulheres Rurais de Alagoas.

Dando continuidade à programação, na quinta-feira (20), Dia Nacional da Consciência Negra, a unidade móvel estará na Serra da Barriga, no município de União dos Palmares. Lá, estará com equipe multidisciplinar (psicólogas, assistentes sociais e advogadas), representantes do Fórum e munida de material para serem distribuídos aos participantes das festividades.

Para a superintendente de Promoção dos Direitos e de Políticas para a Mulher,  Solange Viégas, trata-se de um momento em qual  as mulheres de cada comunidade visitada tomam conhecimento dos mecanismos que estão a sua disposição para protegê-las das várias formas de violência doméstica que possam ocorrer com elas.

“A nossa expectativa é que o maior número de pessoas tomem conhecimento da importância da Lei Maria da Penha como ferramenta jurídica proteção e defesa dos direitos das mulheres vítimas de violência”, assinalou Solange Viégas.

Fonte: Agência Alagoas

+ sobre o tema

07/AGO/12 – Lançada campanha ‘Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha’

A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos...

Pastor suspeito de abusar de filha e enteada é preso em MT

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cáceres...

Internautas relatam abusos após jornalista denunciar a violência obstétrica no Brasil

Matéria “Na hora de fazer não gritou”, da jornalista...

Ato das trepadeiras contra mais um femicídio na MPB

Não é um problema do RAP, não é um...

para lembrar

Extinção do casamento civil, direitos e onda conservadora

Para termos um País mais civilizado, o Estado deveria...

Feministas se elegem vereadoras em busca de representatividade para mulheres

Em 2016, um grupo de vereadoras se elegeu prometendo...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=