Naná Vasconcelo é o mais novo doutor Honoris Causa da UFRPE

Eis o mais novo doutor Honoris Causa da Universidade Federal Rural de Pernambuco: o músico Naná Vasconcelos. A partir da iniciativa do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros (Neab/UFRPE), o Conselho Universitário homologou a Resolução 228/2015, do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão (Cepe), que concede o Título a esse grande nome da cultura pernambucana e brasileira. A solenidade de outorga do Honoris Causa ocorreu nesta quarta-feira (9/12), por volta das 15h, no Salão Nobre da UFRPE.

Do UFRPE

Amigos, familiares e admiradores do músico lotaram o Salão, além de autoridades como a ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, do vice-governador de Pernambuco, Raul Henry, e do vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira. Músicos como Santana também prestigiaram a cerimônia, que também foi ilustrada por apresentações de grupos como Bacnaré, o coral feminino Voz Nagô, as irmãs Lulu e Aninha Araújo e outros grupos de percussão, além do próprio Naná, que se emocionou bastante ao longo da solenidade e preferiu apresentar sua música a discursar.

Para a equipe do Neab, a honraria, além de bastante enriquecedora para o panteão de doutores Honoris Causa da UFRPE, é uma justa homenagem ao internacionalmente reconhecido artista pernambucano. O professor Moisés Santana, do Neab, foi o autor do discurso panegírico, que apresenta o perfil do homenageado. A reitora da UFRPE, Maria José de Sena, deixou claro que a honra não era a concessão do título pela UFRPE, mas a oportunidade de a Instituição poder homenagear um artista de tal relevância para a cultura pernambucana e brasileira. “Naná Vasconcelos conseguiu fazer o maior programa de inclusão sem levantar o punho e sem palavras de ordem; apenas com sua música, sua percussão”.

Eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo pela revista americana Down Beat e ganhador de oito prêmios Grammy, o pernambucano Naná Vasconcelos é considerado autoridade mundial em percussão.

Leia Também: Hoje na História, 02 de agosto de 1944, nascia Naná Vasconcelos

Juvenal de Holanda Vasconcelos – Naná Vasconcelos – nasceu no Recife em 1944. Mesmo depois de duas décadas tocando pelo mundo, morou em Paris e Nova York; as influências de sua terra estão presentes em tudo o que faz. Dotado de uma curiosidade intensa, indo da música erudita do brasileiro Villa-Lobos ao roqueiro Jimi Hendrix, Naná aprendeu a tocar praticamente todos os instrumentos de percussão, embora, nos anos 60, tenha se especializado no berimbau.

Entre as personalidades marcantes da cultura pernambucana que já foram agraciadas com o título de Doutor Honoris Causa pela UFRPE estão figuras como Ariano Suassuna e Luiz Gonzaga (in memoriam).

Confira a galeria de imagens completa neste link

nana_menor1

nanamenor2

+ sobre o tema

Cuti – Padê Poema 30: Mamice

  Padê Poema 30 Mamice sou daquelesque cobram...

Júlio Silva prepara sua aposentadoria jogando torneio de veteranos

Júlio Silva, tenista que está no circuito profissional...

Padê Poema 41 – Cuti

    Saiba Mais: Padê poema 40 -...

Padê Poema 44 – Cuti

  Leia Também: Padê poema 40 - Cuti  Padê Poema 41...

para lembrar

Sabotage, história e música contada pelo olhar de Toni C.

Na terceira edição do “Entrevista Aberta" o autor...

Seedorf será o novo técnico do Milan, diz canal italiano

  O canal italiano Sky Sportnoticiou nesta sexta-feira que...

Seedorf anuncia adeus ao Bota: ‘Que possa manter o que a gente construiu’

Holandês se aposenta para dar início à carreira de...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=