Vade-retro, malévola trindade

Deveria escrever sobre a polícia fluminense ter multiplicado o número de operações e pessoas mortas em favelas em 2021, apesar de proibidas pelo Supremo Tribunal Federal. Desde o início do ano, segundo a plataforma Fogo Cruzado, a Região Metropolitana do Rio registrou 1.415 tiroteios, que deixaram 305 mortos e 313 feridos. Em 454 ocorrências havia agentes do estado, 22 morreram, 27 foram feridos. Houve 21 chacinas, quando uma só situação deixa pelo menos três vítimas fatais. A Rede de Observatórios de Segurança contabilizou 257 operações policiais com 69 mortes no primeiro trimestre deste ano, respectivamente, 55% e 33% a mais que no mesmo período de 2020.

Pensei em festejar o tombamento do terreiro de Joãozinho da Gomeia, espaço de memória e resistência dos cultos afro-brasieiros, agora preservado, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, epicentro da intolerância religiosa no estado. Ou a transformação do 27 de março, data de nascimento do pai de santo mais famoso do Rio, no Dia Estadual de Conscientização contra o Racismo Religioso. Ou o plano de investimentos do presidente Joe Biden, que pretende apresentar aos EUA o Estado de bem-estar social estabelecido na Constituição brasileira, mas nunca inteiramente aplicado.

Precisei expressar pesar e raiva pela marca nefasta de 400 mil vítimas da Covid-19 e também da necropolítica de um governo assentado na incompetência, na mentira, na indiferença, na brutalidade. Um mês e meio atrás, quando a pandemia completou um ano e 270 mil óbitos, enumerei neste espaço a quantidade de pessoas de meu círculo de convivência que tinham perdido seus queridos. Foram-se o neto do Luiz Sacopã, o avô e o padrasto do Felipe, a avó e o tio da Daiene, o pai da Fabricia, a mãe e o pai do Stanley, o pai da Fernanda, o sobrinho e a irmã da Ana Claudia, a mãe da Rachel, o pai da Telma, o pai da Juliana, o pai da Thux. De lá para cá, morreram o Sandro, o avô da Gabriela, o pai da Lucia Helena, a prima da Rita, o Aloy, a Najá, o padrasto da Georgia, o pai da Raquel, o irmão do Caíque, a irmã da Charlene.

Não há uma família no Brasil que não tenha sido alcançada pela doença, pela morte ou pelos efeitos socioeconômicos perversos do enfrentamento precário à pandemia. Jair Bolsonaro e seu entorno minimizaram a gravidade da crise sanitária. Desprezaram o protocolo de prevenção, recomendaram medicamentos comprovadamente ineficazes, negligenciaram a compra de vacinas, são incapazes de administrar a escassez de imunizantes.

Não por acaso, o presidente brasileiro ainda ontem foi criticado no Parlamento Europeu pelo negacionismo e acusado pelo eurodeputado espanhol Miguel Urbán de crime contra a Humanidade. Foi a mesma insinuação que fez o senador Renan Calheiros no severo discurso de posse na CPI da Covid:

—Não foi o acaso ou flagelo divino que nos trouxe a este quadro. Há responsáveis, há culpados, por ação, omissão, desídia ou incompetência, e eles serão responsabilizados. Essa será a resposta para nos reconectarmos com o planeta. Os crimes contra a Humanidade não prescrevem jamais e são transnacionais. Slobodan Milosevic e Augusto Pinochet são exemplos da História. Façamos nossa parte —declarou.

Eu me alongaria em cada um desses temas que me atravessaram na última semana, mas tenho de me ocupar de uma conquista civilizatória desprezada por uma autoridade brasileira. No rol de declarações infelizes que integram o currículo do ministro da Economia, nenhuma se compara a maldizer a medicina por ampliar a vida dos brasileiros, como fez esta semana:

—O Estado brasileiro é um Estado quebrado. Quebrou. E ele quebrou no exato momento em que o avanço da medicina… Não falo nem da pandemia, falo do direito à vida. Todo mundo quer viver 100 anos, 120, 130. Todo mundo vai procurar o serviço público. E não há capacidade do Estado.

À ciência, às vacinas, aos medicamentos, ao sanitarismo, à queda da mortalidade infantil, Paulo Guedes deve a longevidade que lhe permitiu chegar ao cargo. Nascido em 1949, quando a esperança de vida dos brasileiros não passava de 45 anos, chegou à cúpula da República aos 69. Viveu para maldizer a mais celebrada etapa das tendências populacionais, quando as famílias são preservadas pela sobrevivência das crianças e pela longevidade dos idosos. Desde os anos 1940, a esperança de vida no Brasil aumentou três décadas, batendo 76 anos em 2019 (73 para homens, 80 para mulheres).

Cresceu ininterruptamente até o ano passado. Por causa da pandemia, que abateu principalmente pessoas com 60 anos ou mais de idade, principal grupo de risco da doença, demógrafos estimam que, em 2020, os brasileiros tenham perdido um par de anos de vida. Neste 2021, ainda mais mortal, a diferença entre os registros de nascimentos e óbitos vem caindo, o que sugere que a população do país pode diminuir em termos absolutos entre 2035 e 2040, uma década antes do previsto. É difícil sobreviver à malévola trindade Covid-Bolsonaro-Guedes. Vade-retro.

 

+ sobre o tema

Sucessos na juventude tornam mais prováveis os sucessos na vida adulta

Os primeiros anos de vida têm expressivos desdobramentos na...

Quando o assassínio de um negro fez mudar a lei

A morte de Stephen Lawrence, há 25 anos, foi...

Justiça de SP proíbe que aposentada investigada por racismo se aproxime do humorista Eddy Junior

A Justiça de São Paulo determinou que a aposentada Elisabeth Morrone, flagrada...

Eu Apoio o Tarifa Zero – Marilena Chaui

A professora e filósofa Marilena Chaui apresenta seus...

para lembrar

Cearense é acusado de racismo contra a jornalista Maria Julia Coutinho

O acusado usou perfil falso no Facebook para fazer...

Agredida a socos pelo marido, mulher desiste de denúncia: ‘dependo dele’

Homem foi imobilizado e liberado pela polícia. Caso foi flagrado...

“O debate sobre o racismo é a maior pólvora da luta de classes no Brasil”

Enquanto o pacto social faz água no Brasil, manifestações...
spot_imgspot_img

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...

À espera da extinção da escravidão

Dia 13 de maio de 2024 completam-se 136 anos da assinatura da Lei 3.353/1888 pela então princesa imperial regente. Para além do abandono dos negros...
-+=