As vítimas das favelas, a naturalização das mortes e a postura Eichmaniana

Aumenta entre a população que mora nas favelas do Rio de Janeiro o pensamento de que se trata de uma ofensiva contra ela e seu inalienável direito à vida, as ações cada vez mais catastróficas da atual política de segurança.

Por Mônica Francisco Do Jornal do Brasil

O número ascendente de vítimas, a naturalização das mortes por parte da sociedade e a postura Eichmaniana (Adolf Eichmann, oficial nazista que afirmou apenas cumprir ordens) dos responsáveis pelo comando e pela aplicação da política de segurança dão o tom do horror vivido nas favelas da cidade.

É assustadora a ausência de compromisso real com a questão, por parte do poder executivo, ao dar respostas padrão e apoiar afirmações que dão conta de que a morte de uma menina de 13 anos, como Maria Eduarda e dos meninos Wesley de Paula e Davi Renan da Rocha, do Fallet em Santa Tereza, são parte dos danos colaterais já passíveis de ocorrer em operações como as que fazem parte da rotina dos favelados(as).

As respostas oficiais não dão conta do real anseio da população que está literalmente na linha de frente e sofre com os efeitos nefastos desta política de estado, produzindo, para além das mortes crescentes, problemas irreversíveis como hipertensão, diabetes, paralisias faciais, síndrome do pânico e depressão.

O impacto disso na vida prática das pessoas é devastador, como por exemplo na incapacidade para o trabalho, afetando o sustento das famílias. A diminuição do período letivo de maneira forçada e claro, gera um ambiente ainda mais hostil e violento.

A mirabolância das respostas “oficiais”, como blindagem de algumas escolas que estão sitiadas em favelas, por exemplo, mostra o grau de distanciamento e total ausência de entendimento real do que é hoje a vida dos(as) habitantes das favelas cariocas e fluminenses.

Neste cenário, está desenhado, caso não seja construído de maneira coletiva, com moradores (as), instituições e poder público, maneiras e ações concretas que façam o panorama mudar, estaremos todos e todas em uma situação extremamente delicada e beirando uma convulsão social.

Há uma urgência na contenção e na redução nos danos reais, consequência desta guerra aos pobres, travestida de “guerra às drogas”. Ou só poderemos fazer eco às palavras do filósofo alemão Walter Benjamim de “Que as coisas continuem como antes, eis a catástrofe!”

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Rafael Braga e o desafio de ser jovem e morador da periferia no Brasil

Quando chegamos a uma determinada fase da vida, a...

Rafael Braga é vítima de seletividade racial e estrutural do sistema de Justiça

Prática de forjar provas é corrente nas polícias, diz...

Brasil pede na ONU defesa a direitos dos negros no país

No encontro, o país também se comprometeu a trabalhar...
spot_imgspot_img

Arte para manter viva a memória do colonialismo alemão

Espectadores se concentram em torno das obras de Cheryl McIntosh na Casa Ernst Moritz Arndt, uma sucursal do Museu Municipal de Bonn. Quem quer...

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...
-+=