25 de julho: Mulheres Negras arrastam mais de 2 mil pelas ruas de São Paulo

Artigo produzido por Redação de Geledés

Entre as palavras de ordem estava “Fora Temer” e “queremos” o fim do racismo, sexismo, da violência doméstica e da cultura do estupro

Agência Áfricas de Notícias – por Claudia Alexandre

Em caminhada pelas ruas do centro de São Paulo, cerca de 2 mil mulheres participaram, nesta segunda-feira, da Marcha de Mulheres Negras. O evento marcou o 25 de Julho, Dia internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, que também motivou manifestações em todo o país. A concentração teve início às 17 horas, na Praça Roosevelt e por volta das 20 horas, seguiu pelas ruas da Consolação e Xavier de Toledo até o Largo do Paissandu, onde fica a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, um dos patrimônios da cultura afro-brasileira na cidade. A data marca a luta de resistência da mulher negra contra a opressão de gênero, raça e exploração de classe e foi firmado em 1992, como resultado do I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingo (República Dominicana).
Marcha-de-Mulheres-Negras-em-SP-330x600

Rostos pintados, cabelos coloridos, crespos, cacheados e representatividade! O primeiro grupo a chegar, em um ônibus fretado, foi o das Catadoras da Zona Sul. Empunhando tambores e cartazes elas dançavam e gritavam “Não é mole não, ser mulher, negra e sapatão”, uma referência às múltiplas pautas de luta. Aos poucos, jovens, crianças, homens e mulheres se juntaram ao grupo e, enquanto recebiam orientações da coordenação do movimento, articulavam a ordem do dia. Muitas ocuparam a tribuna improvisada nas escadarias da praça, antes da caminhada.

marcha4

Estiveram presentes coletivos de juventude, ONGs e grupos como Uneafro, Coletivo NegraSô, Geledés Instituto da Mulher Negra, Círculo Palmerino, Núcleo de Consciência Negra da USP, Cojira – Comissão dos Jornalistas Pela Igualdade Racial, Marcha Mundial das Mulheres, Frente de Mulheres Imigrantes e refugiadas, além de coletivos de juventude, lideranças de partidos e sindicatos.

Eduardo-Suplicy-saiu-da-delegacia-direto-para-a-Marcha-330x600

Quem também chamou atenção foi o senador Eduardo Suplicy, ele chegou à Praça Roosevelt, por volta das 17h30, e sozinho prestou solidariedade às mulheres. Horas antes, ele havia sido levado à delegacia, por tentar impedir a na reintegração de posse, na Funarte. Assim que foi liberado foi direto para a concentração da Marcha. “Agora estou entre as mulheres. As mulheres negras; e sou solidário a elas, para que venham a ter um futuro melhor e um progresso efetivo na sociedade brasileira”, disse ele.

Luta das Negras em ascensão

Um manifesto chamado “Mulheres Pretas Têm História” assinado por Movimento Mulheres em Luta, Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe e setoriais da CSP-Conlutas foi distribuído em nome das mulheres trabalhadoras negras e não negras, indígenas, quilombolas, camponesas, trans, lésbicas, bissexuais, haitianas, africanas, cubanas e brasileiras. Uma representação que lembrava o I Seminário Mulheres em Luta, realizado no último final de semana, dias 23 e 24, e reforçando o momento de ascensão das lutas negras em todo o mundo.

A Marcha das Mulheres Negras 2016 prestou homenagem à Tereza de Benguela, que liderou o quilombo Quariterê, no Mato Grosso, em meados do século 18. “A resistência é a marca das mulheres negras. A história demonstra que, desde o início da colonização, nós lutamos contra o sistema opressor capitalista. Nossas lutas se dão na organização de fugas, na construção de quilombos, em movimentos emancipatórios etc. à frente dos quilombos estiveram lideranças como Aqualtune, Teresa de Quariterê, Dandara, Luisa Mahin. A raíz disso está na nossa ancestralidade africana onde as mulheres exerciam o poder na organização social política e religiosa, eram rainhas e sacerdotisas e guerreiras”, lembrou o manifesto reverenciando as grandes mulheres negras da história.

Este ano, as mulheres negras marcharam também pela insatisfação com o momento político atual e contra o genocídio do povo negro e a cultura do estupro instituída pelo sistema racista, onde a mulher negra ocupa infelizmente o lugar central. “Enquanto os casos de violência à mulher negra aumentaram 54%, entre as mulheres brancas diminuiu 10%. Por isso afirmamos que a cultura do estupro é resquício da escravidão e manutenção da cultura da classe dominante. O Brasil também é o país com maior número de assassinatos LGBTs e, dentro dessa estatística, também estão as mulheres negras”, afirma o MML.

A cultura do estupro também foi lembrada pelo movimento Marcha Mundial das Mulheres, que alertou sobre a relação com a organização dos Jogos Olímpicos, que a partir de 5 de agosto será realizado no Rio de Janeiro. Para elas, junto com a Copa do Mundo, são políticas baseadas no corte de gastos públicos, na precarização dos e das trabalhadoras, na violência da força policial e na exploração do corpo e do trabalho das mulheres. “O corpo das mulheres é tratado como mais uma das paisagens a serem exploradas por turistas”, afirmam.

marcha1 marcha2 marcha3

+ sobre o tema

Mulheres negras vítimas de violência denunciam casos à OEA

Mulheres negras que sofreram diversos tipos de violência vão...

Fotógrafa propõe vinculo entre negras de hoje e africanas que viveram no Brasil

“São as avós delas?” é o que a maioria...

Aos 95 anos, Dona Ivone Lara recebe prêmio máximo da cultura brasileira

Ao lado da sambista Dona Ivone Lara estavam o...

Formatura Trabalhadoras Domésticas

É com alegria que THEMIS, CECA e OIT convidam...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=