A novas Marielles

A mãe da socióloga Flávia Pinto, candidata a deputada federal pelo PDT do Rio, entrou para as vergonhosas estatísticas nacionais de feminicídio: foi assassinada pelo marido, seu padrasto, quando ela tinha 10 anos. Nascida na favela da Vila Vintém, em Padre Miguel, zona oeste, Flávia já havia perdido o pai aos 3, também assassinado. Viveu o racismo por si e pela memória da mãe. “Ele era um traficante branco, descendente de italianos, e minha mãe, uma trabalhadora negra. Cresci ouvindo que ela era piranha, mas sobre o bandido, só elogios, ‘bonito, simpático’”, conta Flávia, 42, que conseguiu se formar apenas aos 37, graças a uma bolsa de ação afirmativa, a mesma recebida por Marielle Franco, assassinada em março, para estudar na PUC-Rio.

A descoberta da trajetória de Marielle – negra, gay, nascida e criada na favela da Maré – encorajou Flávia a sair candidata em 2018. Mãe de santo desde os 23, ela diz que o racismo “aumenta quando se é da religião negra porque reafirmamos a cor dez vezes mais. Senti o ódio de muita gente”. Por isso, quer fazer de seu mandato uma bandeira contra a intolerância religiosa, pela igualdade de gênero e prevenção da violência contra a mulher. “Crianças começam a usar álcool e droga a partir dos 11 anos. Isso alimenta o ciclo de violência do qual ela é vítima: feminicídio, pedofilia, estupro, ou, ainda, ela se torna a mãe do presidiário e do menino morto”, diz.

Assim como Flávia, outras mulheres com histórias parecidas com a de Marielle se inspiraram a fazer política, em diferentes partidos, e levar adiante o legado da vereadora. Por isso, dizem estar dispostas a lutar pelos direitos das populações que sempre se mantiveram à margem do poder: negros e mulheres, e enfrentar a violência da qual Marielle foi vítima. A primeira batalha é para mudar as igualmente vergonhosas estatísticas brasileiras sobre a representatividade feminina na política. Ocupamos a 154ª posição em um ranking de 190 países, atrás de Iraque, Afeganistão e Arábia Saudita, segundo a União Interparlamentar (IPU, na sigla em inglês). Além disso, ao longo da história foram eleitas para a Câmara dos Deputados 220 mulheres – juntas não ocupariam a metade das 513 cadeiras. Uma das razões para esse cenário desfavorável, segundo a ONG Centro Feminista de Estudos e Assessoria, o Cefemea, é o descumprimento por parte dos partidos da Lei de Cotas Eleitorais, que estabelece um mínimo de 30% de candidaturas para elas.

A dupla jornada também dificulta a atuação das mulheres na política – a maioria das poucas eleitas são as que têm menos encargos domésticos, por serem divorciadas ou solteiras, ou porque são de classe alta.

“A tragédia não silenciou a gente. Pelo contário” – Erica Malunguinho, 36, artista e educadora, PSOL (Foto: Divulgação)

Se já é difícil para uma mulher branca se eleger, o que dizer das negras? “Para que o Brasil seja de fato democrático, precisamos dar voz a todos os grupos da sociedade”, defende a arquiteta e urbanista Tainá de Paula, candidata a deputada estadual pelo PCdoB do Rio, pela primeira vez, aos 35 anos. “A sub-representatividade das mulheres negras é abissal. Por isso as políticas que nos interessam não são implementadas”, analisa. Criada na favela Loteamento, na zona oeste, e mãe de Aurora, 4 anos, integra o movimento PartidA FeministA, do qual Marielle também fazia parte: “Queremos ocupar os parlamentos do Oiapoque ao Chuí”. Tainá cresceu ouvindo histórias na família sobre o racismo e o assédio nas ruas escuras e nos transportes públicos, o que a ajudou a se interessar pela política como forma de mudar a realidade. “A cidade, para nós, é um lugar de medo e insegurança”, diz. Na universidade, dedicou-se a estudar os bairros periféricos e entrou para o movimento estudantil. Depois, se envolveu na política sindical, e, com a morte de Marielle, decidiu se candidatar: “Agora é fundamental, ao invés de recuar, a gente não se encolher e garantir avanços”.

“Até a mulher tem dificuldade de achar que outra trabalhará bem na política” – Alice Gabino, 38, advogada, Rede (Foto: Divulgação)

Tainá quer exercer um mandato coletivo, tendo como motes o direito à cidade e à moradia digna e a luta por políticas específicas para as mulheres e os negros.

UMA NOVA HISTÓRIA
Erica Malunguinho atravessava uma rua movimentada de São Paulo quando uma jovem negra a interrompeu: “Vou votar em você! Só você me representa”. As duas se abraçaram na faixa de pedestres. Militante do PSOL e candidata de primeira viagem a deputada estadual, agradeceu: “Vamos ocupar os espaços de poder”. Já indo embora, ao som das buzinas, a eleitora gritou: “Ocupar, não. Vamos fazer reintegração de posse!”. Se eleita, entrará para a história como a primeira mulher negra trans a ocupar uma cadeira legislativa no Brasil.

“A tragédia de Marielle não silenciou a gente. Pelo contrário”, afirma Erica, 36. Nascida no Recife, filha de uma enfermeira engajada em movimentos sociais, aprendeu em casa a atuar politicamente. Aos 19, decidiu morar sozinha em São Paulo, onde continuou a “negociar a sua existência” no cotidiano da cidade: “O corpo que habito é político. Como negra e trans, tenho um corpo considerado dissidente e marginalizado dentro da ‘normalidade’, que vive dialogando, criando cisões, tensionando e movimentando a polis.

Negocio diariamente para viver. Política é isso”, afirma a candidata. Ao mesmo tempo, atuou ao longo de anos como arte educadora, formando professores da rede pública municipal de São Paulo, e nunca deixou de lado a vida de artista. “Comecei a produzir trabalhos artísticos e intervenções em moda, pensando moda como discurso de comportamento”, conta.

Em 2016, abriu um ateliê, o Aparelha Luzia, no centro da capital, hoje um centro cultural batizado por ela e seus frequentadores, negros em sua maioria, de “quilombo urbano”. São as questões e demandas históricas debatidas nesse espaço que ela deseja levar consigo para o mandato coletivo. Mas não só. Em voz consoante com suas colegas candidatas, quer reescrever a história do Brasil.

“Não se trata de uma nova narrativa, e sim de dar visibilidade à que esteve esmagada e oprimida durante séculos”, explica. “O apagamento da história do povo preto é uma questão fundante na sociedade brasileira, por isso precisamos ter cabeças pretas na economia, na saúde, na educação etc.”

“Estou preparada para sofrer o preconceito da direita e da esquerda” – Aline Torres, 32, relações públicas, PSDB (Foto: Divulgação)

Em Recife, a advogada Alice Gabino, 38 anos, candidata pela primeira vez a deputada estadual pela Rede, costuma contar quantos negros estão nos ambientes que frequenta. “Quase sempre sou eu e mais um”, diz. “Quando me tornei advogada, não conseguia estágio. Passava nas seletivas, mas na hora H os escritórios diziam não. Foi tamanha a dificuldade por ser mulher negra que desisti e fui trabalhar em uma ONG como voluntária”, conta.

“Em vez de recuar, precisamos garantir avanços” – Tainá de Paula, 35, arquiteta, PCdoB (Foto: Divulgação)

Filha de uma costureira sertaneja e de um técnico de telefonia, participou do processo de construção da Rede, em 2011, ocupou cargos no governo pernambucano e decidiu se candidatar, inspirada pela coragem de Marielle: “Sofri racismo a minha vida inteira, até por parte de brancos da minha família. Resistência é meu sobrenome”. Para ela, ocupar uma cadeira na Assembleia significará também um passo na luta contra a cultura machista pernambucana. “Aqui a própria mulher tem dificuldade de acreditar que outra será capaz de fazer um bom trabalho na política.”

Misoginia e racismo no trabalho levaram Aline Torres, relações públicas e especialista em gestão cultural, de 32 anos, a uma depressão profunda. “Meu chefe falava em público que tinha vontade de pegar meu cabelo de Bombril e esfregar no chão, dizia ‘quem essa negrinha pensa que é?’ e tentou me agredir até fisicamente”, lembra a paulistana de Pirituba, bairro da periferia de São Paulo. Como consequência do assédio, desenvolveu transtornos psicológicos: pânico e tricotilomania, síndrome que faz arrancar os cabelos violentamente. “Eu puxava tufos inteiros das minhas tranças afro, fiquei cheia de buracos na cabeça”. Um ano e um pedido de demissão depois, decidiu voltar à militância na juventude do PSDB, partido pelo qual se tornou a primeira mulher negra candidata a deputada federal da capital paulista.

“O racismo aumenta quando se é da religião negra. Senti o ódio na pele” – Flávia Pinto, 42, socióloga, PDT (Foto: Divulgação)

“Demorei a ter coragem de enfrentar a candidatura, e foi graças ao exemplo de Marielle. Não podemos nos calar. Estou preparada para sofrer preconceito da esquerda e da direita, sei que vão me chamar de ‘a negra do PSDB’, a ‘capitã do mato’.” Aline aposta no diálogo entre negros e brancos, pobres e ricos, para mudar as condições de vida dos jovens da periferia. “Não vai ser apontando o dedo para o outro, dizendo que a culpa de tudo é dele e dos avós dele, que vamos chegar lá.” Pragmática, vê sua eleição como forma de ajudar negros e negras a também ascenderem socialmente: “Quero construir pontes. Certa vez, quando eu era coordenadora de um espaço público cultural, me disseram ‘você vai transformar isso aqui num quilombo’, e eu não briguei. Apenas pensei ‘nossa, que boa ideia, é isso mesmo que vou fazer’”. Aline garante que conversar sobre as mazelas da mulher negra periférica com colegas de partido, muitos dos quais são brancos, héteros e de classes sociais abastadas, tem feito com que eles se juntem às suas trincheiras.

Tainá de Paula também não quer falar só para os seus: “Estabelecer uma agenda antirracista no Brasil passa pelos brancos fazerem a reflexão sobre desigualdade racial. Minha batalha é inseri-los na discussão dos seus próprios privilégios”. Para Erica Malunguinho, é preciso, principalmente, que os não negros e brancos cedam o protagonismo e os lugares de poder aos negros para que as reparações sejam feitas. “Se você não questiona o fato de só ter brancos na sua escola, faculdade, emprego, você é racista. Quero perguntar às pessoas que não estão submetidas ao discurso de opressão, mas se dizem empáticas às causas do povo negro: vocês estão levando a sério mesmo? Ou é só para fazer hashtag na hora em que morre um dos nossos, como Marielle? Nessa hora já é tarde, você também puxou o gatilho”, diz Erica.

+ sobre o tema

Empoderamento: Serve para quem?

O conceito de empoderamento, aparece pela primeira vez nos...

Mostra “Rio Festival Gay de Cinema” levanta debate sobre sexualidade

Evento terá debates, oficinas e seminários paralelos às exibições. Um...

Número de assassinatos de gays sobe 31% no Brasil, afirma entidade

Segundo levantamento feito pelo GGB, houve 260 homicídios em...

Alaerte Martins: A morte materna invisível das mulheres negras

Alyne e Marina, retratos emblemáticos de uma tragédia brasileira:...

para lembrar

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido...

Depois de cirurgia, Lea T. vai trocar documentos no Brasil

A modelo transexual brasileira Lea T. vai entrar com...

Boston Red Sox contrata primeira treinadora negra da história da MLB

O Boston Red Sox contratou recentemente a primeira mulher...

Um crime com nome

O reconhecimento gradual e a incorporação de termos como...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=