Quem define a agressividade negra militante? Medidas e euforias dos grupos opressores.

Em 1962, Malcom X nos disse que diante das ofensivas racistas utilizaria qualquer meio necessário para a libertação de seu povo. Hoje, em 2018, ainda nos perguntamos que ferramentas são essas que precisamos e o que nos falta para chegar até seu exercício já que qualquer meio necessário são milhares de alternativas e decisões a respeito delas.

Qualquer meio necessário são muitas compreensões, desentendimentos e dores acumuladas. Qualquer meio necessário é a escolha de quem possui urgência declarada e é justamente aqui reside o nosso o problema: nós a possuímos.

Com frequência nos percebemos na necessidade de discutir a importância de não personalizar críticas e direcionamentos feitos para uma classe específica. Essa personalização, fruto de uma construção que gira em torno de egos, angústias e a frustração de não ser o centro do mundo para quem cresce ouvindo que tudo lhe contempla, representa e pertence, acontece de maneira deliberada e com frequência entre as pessoas brancas. Nesse sentido, é importante fazermos o exercício de coletivizar os discursos e pautas que fazem parte de nosso cotidiano, já que tais vivências são muito além delas mesmas. O que evidenciamos é parte de questões estruturantes, históricas e determinadoras das nossas visões de mundo, de futuro e do discurso das outras pessoas.

Assim, reitero: assumir as posições sociais que lhe dizem respeito é parte de uma honestidade necessária para quem busca a transformação social. Quem conhece a si e ao local que ocupa em sociedade consegue saber por quem é oprimido mas principalmente, e com muito mais dedicação, consegue perceber as categorias a que oprime macroestruturalmente todos os dias.

Saber quem oprimimos é passo fundamental para evitar a hipocrisia característica dos que dizem perceber os problemas na vivência dos outros, mas não conseguem assumir sua parcela de responsabilidade direta e indireta nos acontecidos micro e macroestruturais que lhes cercam. Assim, contribuir para a mudança é muito mais do que chorar conosco e verbalizar empatia, mas modificar o que há em você contribuindo para o nossos choros diários.

Fica aqui registrada a importância de começarmos a nos questionar os motivos de classificarmos militantes negrxs que não vacilam em seus posicionamentos como pessoas agressivas. Além disso, é importante começarmos a nos questionar a respeito de nossa romantização sobre como deve ser a categoria militante, colocando-a como feita de pessoas que se emocionam e são sensíveis a determinadas questões, mas não podem fazer os seus opressores chorarem. Aquela que é ofendida mas não pode ofender de volta.

Rever o local em que estão nossos discursos nos ajuda a parar de defender a ideia de que não existem lados e estamos, todas e todos, de mãos dadas em um meio só. A necessidade de nos colocarmos suficientemente humildes para compreender as outras pessoas está em linha tênue e qualquer vacilo pode nos empurrar para uma romantização desnecessária, ou para um alarme necessário pra quem quer esconder-se em seu local de privilégio.

Enquanto existirem classes que se sobressaem em privilégios a outras ainda estarão faltando reivindicações, diálogos e grandes e pequenas discussões para acontecer. Até o momento em que nos negarmos a compreender essa questão também estaremos negando ficar frente a frente com nossos próprios privilégios, e perder algo enquanto parte do lado opressor. Da mesma forma, enquanto não soubermos, do lado de cá, imprimir uma discussão argumentativa e suficientemente forte, estaremos perdendo oportunidades de compreensão enquanto lado oprimido.

É quando estamos prestes a perder um privilégio – sempre político, seja ele de fala, de compreensão ou posicionamentos – que colocamos a prova a nossa real empatia com os grupos sociais que alertam mudanças. É nesse ponto que mora o divisor de águas: ou aceitamos a dor de nos modificar, ou caímos no desespero de apontar e culpar quem nos fez chegar nessa linha de frente.

Nesse sentido, o campo político é sempre uma linha de disputas, e vence quem consegue levar mais gente consigo e colocar mais armaduras em volta das próprias concepções pra evitar que as impactem. Assim, a política nem sempre é sobre quem grita mais alto, mas sobre quem grita com mais verdade e convicção.

Encontrar a si e ao seu coletivo sempre foi um dos maiores perigos que uma classe historicamente oprimida pode oferecer, e o ponto-chave é que existem cada vez menos lugares pra se correr. É aqui que mora o receio dos grupos opressores: nós falamos por nós mesmos e estamos descobrindo quem somos. Nós sabemos a verdade sobre as posições a que somos empurrados e empurradas para ocupar, e temos convicção de que a solução está bem depois da empatia chorosa e romântica a qual os grupos opressores vez ou outra se colocam.

Sabemos que a questão é de outra ordem, e o que é preciso abdicar para que ela seja contemplada. Nesse ponto, o necessário diz respeito ao reconhecimento individual das partes racistas que cada pessoa alimenta dentro de si, sem cair na armadilha de culpar quem a apontou por ter descoberto que ela existe. E esse talvez seja um pedido para que ouçam com mais disponibilidade para o diálogo as pessoas que apontam e discutem o racismo que há em você. Compreender-se opressor ou opressora é o primeiro passo para deixar de acrescentar desserviços à comunidade negra.

Queremos gente consciente dos próprios discursos, já que só assim será possível um diálogo direto e eficaz entre as duas partes implicadas. Portanto, o pedido é simples: conheça os seus racismos, desesperos e tentativas de escondê-los embaixo do tapete antes de se perder na tentativa de manter intacta a sua posição em sociedade.

Estamos de olho, estamos chegando até vocês e principalmente, sabemos identificar as ofensivas de quem finge que está se importando pra não sair lesado da discussão. Seja feitor, sinhô ou sinhá, a única coisa certa a ser repassada é mais simples do que parece: nenhuma dessas posições, enquanto estivermos caminhando, terá o direito de ficar em pé.


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Em decisão inédita e unânime, OAB permite o uso de nome social em registro profissional

Pela primeira vez no país, uma advogada travesti terá...

Mulheres negras trabalham mais que os homens em funções não remuneradas em AL, diz IBGE

Um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e...

Quando eu descobri a negritude

A negritude, um termo cunhado pelo francês Aimé Césaire...

III Encontro Nacional das Mulheres nas Ciências Criminais

Informações Do Doity A terceira edição do Encontro Nacional das Mulheres...

para lembrar

Finalmente as desculpas de Domenico Dolce do Dolce&Gabanna aos pais gays

FOI PRECISO CINCO MESES PARA QUE DOMENICO DOLCE, DA...

III CNPM: Precisamos redobrar a atenção em defesa dos direitos das mulheres

Nesta segunda-feira, dia 12, em Brasília, será aberta a...

“As mulheres são invisibilizadas no movimento LGBT”, afirmam militantes

Um dia antes da Parada LGBT, São Paulo sedia...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=