A pessoa tem tempo para reclamar de manifestações. Mas não para propor algo novo – Por: Leonardo Sakamoto

Circulam pela internet reclamações sobre a falta de mobilização da sociedade visando ao que alguns chamam de “causas justas”. Não raro, elas vêm carregadas de palavras de sabedoria como “Quando é para defender maconha, milhares de pessoas, mas para educação, esse bando de vagabundo não mexe uma palha” ou “Por que uma marcha de vadias (sic) junta tanta gente e uma contra a corrupção, não?”

É um tipo de voyeurismo maluco, um onanismo patológico, no qual a pessoa só consegue chegar ao orgasmo olhando os outros e controlando como eles trepam. “Não, não, não! Quando fizerem sexo, é só ‘papai e mamãe’, hein!”.

Alguns assuntos e grupos sociais conseguem atrair mais pessoas, seja pela urgência e magnetismo de seu tema, pela capacidade de manter um foco claro, pelo nível de mobilização dos interessados ou mesmo por outros elementos que não cabem aqui. O pessoal da Marcha da Maconha não tem culpa de alguns eventos reacionários, organizados no município de São Paulo nos últimos tempos, terem trazido às ruas gente suficiente para encher apenas algumas kombis.

A revolta é contra o aumento das passagens, mas o movimento é outro

Em suma: Acha algo importante? Gostaria de defender um ponto de vista? Tire esse traseiro gordo do sofá da sala, largue esse pacote de amendoim e proteste você mesmo.

“Ah, mas eu tentei fazer um movimento contra gays, mendigos e ciganos e fui censurado. Cadê a liberdade de expressão?” – pergunta um dodói. Cadê o Ministério Público que não abriu uma ação contra você, meu filho? – pergunto eu.

Ao povo que não quer ferir ninguém, sugestões: comece pela internet, encontrando um grupo de amigos ou mesmo de desconhecidos que compartilhem a sua opinião ou descontentamento. Organizem uma comunidade, encontrem-se para discutir frente a frente, quando possível. Reservem momentos para a formação do grupo sobre o tema, on line ou in loco. Daí em diante, entrem em contato com lideranças políticas, sociais e econômicas que podem influenciar a realidade sobre a qual você quer uma mudança. Faça propostas, discuta caminhos, cobre atitudes e ética. Fiscalize. Monitore. Se necessário, crie uma entidade jurídica para ajudar nesses processos ou faça parte de uma existente. Se não for numericamente relevante para um ato público, dialogue com outras iniciativas que possuem conexões com o que defende. Saia do armário da inação.

Aí vem as injustificáveis justificativas falta de idade, de recursos, de empolgação, de redes de conhecidos. De coragem.

Mas tempo para ir no boteco tomar uma e reclamar daqueles que estão fazendo algo, as pessoas têm. Ah, se têm.

 

Matérias de Hoje:

França lança aplicativo para denunciar atos e pichações preconceituosos

Fonte: Blog do Sakamoto 

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Comércio entre Brasil e África cresce 416% em 10 anos

  Os números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio...

Dilma sobre a campanha: ‘Sou outra pessoa, muito melhor’

Esbanjando bom humor, candidata petista diz que campanha foi...

para lembrar

A receita de beleza de Camila Pitanga

Camila Pitanga está se desdobrando para não descuidar...

Nos EUA e no Brasil, o “mal” são sempre os outros. Nunca nós mesmos

''Nós devemos manter o 'mal' fora de nosso país!'' Por Leonardo...

Racismo, este des-conhecido

por Márcia Moraes de Oliveira   Há anos...

Natal para as crianças: Roteiro de programação gratuita

Natal no Zoológico Além de passear por entre as...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=