Guest Post »

A sua amiga negra

A eleição das deputadas Joacine Katar Moreira, Beatriz Gomes Dias e Romualda Fernandes é um passo rumo à descolonização de mentes em Portugal. Já não se fará mais política sem elas.

Por Cláudia Silva, do Público

Joacine Katar Moreira celebra a vitória© Sara Matos / Global Imagens

Lembro-me há uns anos, na minha adolescência biológica e intelectual, que não compreendia bem o que faziam os norte-americanos ao distinguirem os cidadãos por origem étnica, as chamadas “identidades hifenizadas”, como Italian-American, Mexican-American, Asian-American, African-American, e etc. Orgulhava-me por ser brasileira e ponto final. No entanto, à medida que fui amadurecendo, entendi que esta distinção para fins de dados demográficos, embora sociologicamente não seja o mecanismo perfeito, não só pode ajudar na identificação cirúrgica de desigualdades socioeconómicas e educacionais, como também pode despoletar políticas de reparação das mesmas. Além disto, passei a ter uma identidade hifenizada e a entender melhor o que significa ter mais que uma nacionalidade.

Sou há uns quantos anos cidadã brasileira-portuguesa, descendente de africanos e indígenas. Considero-me um híbrido complexo. Celebro, assumo, e contribuo para a evolução destes dois países, através do meu trabalho científico-cultural e do uso da língua portuguesa.

Beatriz Gomes Dias© Orlando Almeida/ Arquivo Global Imagens

Infelizmente, não sabemos ao certo quantos portugueses e portuguesas são também de origem africana, indígena, asiática, cigana ou de outras etnias. Sabemos, no entanto, que o Parlamento português têm três delas: Joacine Katar Moreira, Beatriz Gomes Dias e Romualda Fernandes (todas com origem na Guiné-Bissau). A propósito destas mulheres negras, e semelhante ao que fiz em “A sua amiga negra”, vestir-me-ei, num ato de exercício intertextual, com a “voz negra” da artista e escritora portuguesa Grada Kilomba (com pais de São Tomé e Príncipe e Angola). Este ano, lançou em Portugal e no Brasil o seu livro Memórias de Plantação: Episódios de Racismo Quotidiano (editado em Portugal pela Orfeu Nefro).

O livro foi a obra mais vendida da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) no Brasil em julho deste ano. Deixo aqui alguns dos conceitos mais elucidativos e fundamentais sobre o racismo retirados do seu livro, para refletirmos sobre algumas reações acerca da eleição destas mulheres negras, sobretudo a de Joacine Katar Moreira.

Romualda Fernandes, em campanha com António Costa© Mário Cruz/ Lusa

1) Boca. Grada Kilomba explica como este órgão é muito significante, pois é símbolo do discurso e da enunciação. No racismo, a boca torna-se por excelência o elemento corporal de opressão. Representa o órgão que durante o projeto de colonização europeu foi submetido a uma máscara do silenciamento, um instrumento que foi utilizado pelos “senhores brancos colonizadores” para impedir que africanas/os escravizadas/os comessem cana-de-açúcar ou sementes de cacau durante o trabalho forçado nas plantações (p.32). A autora destaca, no entanto, que a função principal do instrumento era silenciar e amedrontar. A deputada Joacine Katar Moreira foi a figura mais mediática destas eleições.

Ao abrir a boca, desafia-nos do primeiro segundo ao último, quer pelo teor dos temas que debate, quer pela maneira disruptiva como fala devido à gaguez. O país ainda não está habituado a ouvir uma mulher como ela a ter voz. Mas o mundo está a mudar. Portugal também. Uma boa parte da população portuguesa quer ouvir sim a deputada Joacine falar sobre o que pensa e sobre o que pretende alterar nas leis deste país. É importante lembrar que estas três mulheres negras eleitas pelo eleitorado português não estão sós na diáspora africana. Embora não saibamos os números em Portugal, constata-se a nível de exemplo que no Brasil as mulheres negras representam aproximadamente 25,38% (50 milhões) da população brasileira, segundo o Censo de 2010. Embora ocupem apenas 2% das cadeiras do Congresso Brasileiro, aos poucos, porém, aumenta-se a representatividade das mulheres negras no Parlamento. Nesta lógica contrária de opressão e silenciamento, a boca (e a fala) das mulheres negras torna-se então um instrumento revolucionário de luta e resistência.

2) Fantasia Colonial. O conceito de fantasia colonial rescinde sobre ideias do imaginário e do inconsciente branco assentes em memórias coloniais, como “o sujeito negro é identificado como o objecto ‘mau’, que personifica todos os aspectos que a sociedade branca reprimiu ou tornou tabu…” ou, por outro lado, representa um ser primitivo, que está mais próximo da natureza e da autenticidade. Neste contexto, poderá ser uma pessoa não-branca portuguesa? Ou a pessoa negra é sempre a estranha, a que está fora da nação? No escopo da fantasia colonial, a etnia, cor da pele ou “raça” (enfatizo aqui que este termo é usado neste texto no sentido de construção social, e não como um conceito biológico) é construída dentro de limites nacionais específicos, e a nacionalidade nos termos da raça. Quer a negritude quer a portugalidade são reproduzidas como duas categorias contraditórias mutuamente exclusivas. Ou se é negra/o ou português/a, mas não portuguesa negra. A negritude e a portugalidade tornam-se incompatíveis. De facto, em conversas que tive recentemente com uma jovem rapariga negra (filha de pais cabo-verdianos), também jornalista, nascida e criada em Portugal, e residente em Londres há nove anos, aprendi que para muitos portugueses de origem africana a nacionalidade portuguesa só é de facto reconhecida quando estão fora de Portugal.

Ela disse-me: “nós, negras portuguesas, só conseguimos ser portuguesas quando saímos de Portugal. Aqui [Londres] somos portuguesas, pelos nossos sotaques, pelos nossos apelidos, pelo tom de pele.” Para Kilomba, esta incompatibilidade entre raça e nacionalidade define as novas formas de racismo (p. 118). Estas novas formas de racismo, diz a autora, raramente inferem “inferioridade racial” como no passado. Falam antes de “diferença cultural” ou de “religiões” e da sua incompatibilidade com a cultura nacional. Na fantasia colonial, a pessoa negra torna-se assim “impatriota.” E é posta fora da nação.

3) Racismo de género. A realidade feminina negra é híbrida, perpassa várias concepções de “raça” e género e só pode ser corretamente abordada quando se consideram esses conceitos. As formas de opressão não funcionam isoladamente: interseccionam-se. No caso destas mulheres negras, há várias questões que se entrecruzam como o género, etnia, nacionalidade, ou ainda uma inquietação na fala, para uma delas.

4) Descolonização. Depois de conceptualizar o racismo quotidiano ao longo do livro como um trauma, incluindo consequências que afectam a organização psicológica e geração de dor física de quem passa por isto, Grada Kilomba termina o livro com a “descolonização do eu”. Descolonização, ao seu ver, refere-se à “reversão do colonialismo”, em que o sujeito negro conquista autonomia política por quem foi colonizada/o e implica a concretização de independência e autodeterminação.

Por fim, a eleição das deputadas Joacine Katar Moreira, Beatriz Gomes Dias e Romualda Fernandes é um passo rumo à descolonização de mentes em Portugal e no Parlamento, pois elas estão no centro de todas as opressões, do machismo, do racismo, do sexismo, da xenofobia e da desumanização. No entanto, como disse Shirley Chisholm, a primeira mulher afro-americana a conquistar um assento no Parlamento dos Estados Unidos em 1968: “se eles não te dão um assento, traz uma cadeira dobrável.” As mulheres negras, um grupo identitário sub-representado em várias esferas da sociedade, estão na vanguarda de uma revolução social, política e cultural no mundo ocidental, e já não se fará mais política sem elas. Para que esta representatividade política continue a crescer, é importante que todos os eleitores exerçam a sua cidadania nas próximas eleições. Daqui para a frente, estas mulheres estarão sempre lá, nem que seja com as suas “cadeiras dobráveis.”

Leia também

Joacine, Cristas, Catarina Martins. Três mulheres… ou cinco, ou 89

“Não se pode defender apenas algumas igualdades”, pedem as feministas negras

Eleita deputada em Portugal, primeira negra de origem africana participa de palestras em Salvador

Related posts