AÇÃO URGENTE: a resposta à COVID-19 deve ser inclusiva e não deixar ninguém para trás

A crise da COVID-19 afeta a todos e todas, mas não da mesma maneira. A crise revela como as diferentes formas de exclusão, desigualdades e violações dos direitos humanos estão inter-relacionadas. Mas ela também oferece aos governos da região uma oportunidade para efetuar mudanças radicais necessárias para nos tornarmos a sociedade que queremos ser: mais justa pra todo mundo.

Da Anistia Internacional Br

(Foto: Amit Dave/Reuters)

A saúde e a segurança social são direitos humanos e precisam ser priorizadas, inclusive com investimentos públicos. A importância que os governos atribuem a uma questão muitas vezes pode ser descoberta em seus orçamentos.

A América Latina e o Caribe formam uma das regiões do mundo com o menor investimento (público e privado) em saúde por habitante. Os recursos dedicados pelos governos centrais à saúde chegam à média de 2,4% do PIB em 23 países do continente, contrariando as recomendações da Organização Mundial de Saúde para o período de 2018 a 2030, de investimento mínimo de 6% do PIB. No Brasil, o investimento público e privado não chega a 4% do PIB, segundo a Secretaria do Tesouro Nacional em 2018.

As desigualdades na América Latina e Brasil são enormes, especialmente entre as pessoas que têm acesso a sistemas de saúde privados ou públicos. E um quadro semelhante pode ser traçado com relação aos demais gastos com seguridade social, que é outro direito humano em jogo nesta crise.

Os líderes das Américas precisam estar à altura da tarefa de garantir proteções para todos e todas que necessitam delas, para que ninguém seja deixado ou deixada para trás. Usarão essa oportunidade para começar a resolver as desigualdades estruturais profundas e a falta de priorização dos direitos sociais? Vão colocar os direitos humanos das pessoas em primeiro lugar?

Nós temos o poder de cobrar isso das nossas autoridades.

Envie uma mensagem agora mesmo ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, e ao Ministro da Saúde, Nelson Teich, exigindo que:

  • Construam a resposta à Covid-19 sem discriminar ninguém;
  • Garantam atenção com os setores marginalizados e de risco maior;
  • O eventual policiamento de medidas de saúde pública que requerem restrições à liberdade de movimento não recorram à repressão ou força excessiva;
  • O acesso a medidas preventivas e a informações baseadas em evidência sejam amplamente difundidas, inclusive pelos meios de comunicação oficiais ;
  • Garantam acesso aos direitos trabalhistas, à previdência e à assistência;
  • Garantam o acesso universal ao fornecimento de água, ao saneamento básico e à saúde para todos e todas, e pratiquem cooperação e assistência internacional;
  • Assegurem um enfoque de gênero na formulação da resposta à Covid-19;
  • Protejam o direito das pessoas à privacidade.
  • O modo como os Estados resolvem o acesso universal a direitos humanos como saúde e seguridade social durante esta crise e como eles respeitam outros direitos humanos nestes tempos difíceis vai marcar como eles serão recordados na história.

Assine ao formulário

Leia também:

Favelas vão à luta: Maré faz vaquinha e Paraisópolis cria área para isolar infectados

Por que a Covid-19 é tão letal entre os negros?

O direito dos mais vulneráveis de sobreviver ao coronavírus

+ sobre o tema

O golpe de 2016 e seu estudo nas universidades

Se várias universidades resolveram colocar o tema “O golpe...

Marina diz em NY que não mudará a economia

Por: CRISTINA FIBE Candidata do PV pede fim de...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

para lembrar

‘Não aguento mais ficar em casa’, diz Lula

Apenas três dias após ter sido submetido à primeira...

Acuado e sem apoio do Exército, Temer anula decreto ditatorial

Acuado após uma enxurrada de críticas por ter cometido...

Juíza lança “O Negro no Século XXI”

Fonte: Portal Imbuí - "O Negro no Século XXI"....

Miséria é a principal herança da escravidão, diz Dilma

A presidente da República Dilma Rousseff definiu a "invisibilidade...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

A população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em...
-+=