África – por Maurício Pestana

Na culinária, o vatapá, o acarajé, a feijoada, o mugunzá, o caruru, o quiabo, a pimenta, o leite de coco e o azeite de dendê. Na religião, o candomblé, a umbanda e a quimbanda. Nos instrumentos, o tambor, o atabaque, a cuíca, a marimba e o berimbau. Na música, o samba, o afoxé, o maracatu, a congada, o jongo, a umbigada e a capoeira.

Enviado por Maurício Pestana vai Guest Post para o Portal Geledés 

Celebrar o Dia da África, comemorado em 25 de maio, é mais do que relembrar nossas raízes africanas e a história de nossos ancestrais, que vieram escravizados para o país na chamada diáspora africana, e trouxeram com eles toda a influência histórica e cultural que conhecemos hoje. É impossível pensar como seria o Brasil sem essa contribuição.

A África, terceiro maior continente do planeta, também chamado de berço da humanidade com seus inúmeros povos, línguas, dialetos, recursos naturais, conhecimentos e beleza, carrega consigo uma riqueza histórica que vai muito além da mostrada na televisão, de conflitos políticos, sociais, misérias e doenças.

A herança de um povo, que teve sua identidade e patrimônio histórico suprimidos ao longo dos séculos por conta da escravidão, e outras formas de exploração, precisam ser exaltadas em cada oportunidade.

A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial prestará sua homenagem ao continente amanhã, por meio de um show que trará sete cantoras negras brasileiras cantando clássicos do samba, ritmo que faz parte de uma dessas heranças africanas e é um dos símbolos da cultura e resistência negra no Brasil.

Não podemos ficar apenas no campo das homenagens. Leis como a 10.639\2003, que tornam obrigatória a inclusão da história e cultura afro-brasileira nas escolas, são essenciais para o aprendizado sobre um povo que faz parte de nossa formação como sociedade. Povo que teve que lutar para sobreviver em meio à exploração, e depois foi jogado às ruas com a Lei Áurea.

Mas que sempre manteve a esperança, a força e a coragem para lutar contra as correntes da opressão e preservar o legado de sua terra. Viva a Mãe África!

+ sobre o tema

Alvo de racismo, Wallace ganha vaga na hora da decisão do vôlei

por: MARIANA BASTOS Apenas cinco meses separam um dos momentos...

Hamilton vai para a Mercedes em 2013 e cederá sua vaga na McLaren para Sérgio Pérez

  Movimentação deve significar a aposentadoria do heptacampeão...

Formas e Pulos – O Saci no Imaginário

Çaa cy perereg, Saci Pererê ou simplesmente Saci....

Ellen Oléria The Voice of Brasil

  A vencedora do The Voice Brasil é Ellen...

para lembrar

Jay-Z divulga primeiro single de novo álbum

Magna Carta Holy Grail, novo disco de Jay-Z,...

Musical mostra a nobreza e o fino do samba

"Tudo foi pensado para ser simples. Para ser direto,...

Narrativas Afro-brasileiras na Biblioteca Paulo Duarte, em São Paulo

Toguna – Narrativas Afro-brasileiras na Biblioteca Paulo Duarte,...

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

Maurício Pestana: Quando o racismo se torna entretenimento

Desde a explosão midiática do caso de George Floyd, falar, opinar, criticar ou denunciar atos de racismo nunca esteve tão em moda. Seu assassinato à luz do dia...
-+=