Algumas Palavras Tinham que Aposentar a Boca dos Homens

A bíblia é um grande manual de roteiro. Não faz acepção de gêneros: tem conflito suficiente para drama épicos, uma profusão de roadmovies nas fábulas de êxodo, o terror do genocídio, Western com duelos históricos, biografias heróicas, realismo fantástico na abundância de milagres, até uma insuspeita verve soft porn no livro Cantares de Salomão e a mais explícita escatologia em Apocalipse. Além disso, a ideia de jornada de herói passa obrigatoriamente pela saga de Jonas que sobreviveu ao ventre da baleia.  Os evangelhos do novo testamento tem intérpretes monumentais, como Pasolini e José Saramago. Fundamentado nessas referências, o premiado curta-metragem Último Domingo de Renan Barbosa e Joana Claude, é um filme absolutamente necessário num Brasil que afoga num fundamentalismo religioso. A sessão realizada sob o estrelado céu de Tiradentes na 26a. Mostra honrou a tradição de cinema na praça, levando o sagrado e o sublime ao povo. 

Último Domingo nos lembra que Maria é mãe de Jesus por ser amorosa e corajosa no enfrentamento de preconceitos de classe e gênero. Se a fotografia em preto e branco é um deleite na tradução de uma estética de filme de época, o roteiro traz uma narrativa de vanguarda, com magia e poesia política, sem sermão da montanha. Maria é encarnada por Jéssica Ellen, prenha de talento, beleza, empatia e força para enfrentar o patriarcado, seja na figura de José vivido por Edilson Silva,  do conselho de anciãos, dentre os quais de destaca o grande Tonico Pereira ou de fariseus como o Zaquias bem defendido por Ravel Andrade. 

Sutilmente, Maria nos diz que o patriarcado é como o gigante Nabucodonosor, que tem a cabeça de ouro, braços de prata, pernas de bronze e pés de barros, mas passível de derrota como qualquer Golias, além de ter alma suína. Assim, belo, singelo, muito bem executado, ainda que despretensioso, Último Domingo é um filme que honra a tradição da bíblia como seminal fonte de parábolas. 


Viviane Pistache é preta das Minas Gerais, pesquisadora, roteirista e, de vez em quando, crítica de cinema. 

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

Leia também:

Mugunzá: Cinema com Axé e Feitiço

Sinto muito, Evelyn não morreu

André Novais: O Cineasta Filho de Dona Zezé, Uma Grande Atriz

+ sobre o tema

Inovações sociais na pandemia: as contribuições das organizações negras

O corpo negro foi deixado para morrer! A quarentena...

Cultura: como Batuku e Cordel destacam a participação de mulheres e jovens

Cada país possui suas próprias expressões culturais. O cordel...

Crianças negras e a liberdade para sonhar

Maternidade e paternidade estão entre as maiores e mais...

O que você vê quando se vê no espelho?

asé, saudou-me o velho ifá assim que adentrei, descalço,...

para lembrar

132 anos da Abolição da Escravatura: Estamos livres?

No dia 13 de maio de 2020 a Abolição...

Antropologia da Sofrência, um estudo de caso

O meu vizinho de parede mora relativamente bem: casa...

As Mulheres Negras – Eu vos agradeço

Venho pensando a dias como transformar os meus pensamentos,...

Cuca Beludo

"cuidado com a Cuca que a Cuca te pega,...

Sambas, quintais e Arranha-Céus: as micro-áfricas em São Paulo

O livro “Sambas, quintais e Arranha-Céus: as micro-áfricas em São Paulo” nos livra de um mito caro à memória musical da cidade – o...

O que você vê quando se vê no espelho?

asé, saudou-me o velho ifá assim que adentrei, descalço, na tenda da cafunagem. mestre cafuna colocou o samovar no fogareiro, inclinou-se e soprou as brasas...

Uma mãe obstinada: maternidade negra no pós-abolição (Recife, 1890)

No habeas corpus aberto em 1890 na cidade do Recife, encontramos a história de Gertrudes Rosario Maria da Conceição, acusada da faina de “pegar...
-+=