Mugunzá: Cinema com Axé e Feitiço

Ainda em tempo: A 26.a Mostra de Cinema de Tiradentes começou na sexta-feira dia 20 de janeiro e vai até o dia 28. Como é do feitio do festival, a abertura homenageia figuras realizadoras, celebrando a vida e obra de quem sedimenta a história do nosso cinema. 

Nesta edição a dupla reverenciada é a diretora negra e lésbica Glenda Nicácio e seu parceiro Ary Rosa, também gay. Essa descrição não é trivial. A dupla provoca e subverte uma tradição de co-direções bromances, que apesar de fundamentais para a história do cinema, costumam reproduzir filmes feitos por homens e para deleite dos homens, como indica a crítica Laura Mulvey, sobre a tela ser espaço de gozo e fruição masculina. Glenda e Ary fazem cinema de muitos hífens e sem fronteiras. A interiorização de universidades públicas no Brasil na era PT levou a dupla de Minas ao Recôncavo Baiano, reconectando territórios e tradições de oralituras imagéticas. A direção é mineira, mas o elenco sempre é baiano, combinando texturas e temperos às obras de modo singular, ou como disse a protagonista de Mungunzá, Arlete Dias,  na sessão de abertura: Este é um cinema que  traz dendê ao pão de queijo e queijo ao acarajé

Profícua é uma boa definição do fôlego de trabalho da dupla. Estrearam a direção de longas com o seminal Café com Canela, que venceu a histórica edição do Festival de Brasília de 2017. No ano seguinte pariram Ilha, obra que lateja o casamento entre cinema e educação, tema nevrálgico na história de atuação da produtora Rosza Filmes, na sua missão de cinema-mutirão de formação e co-labore com a população do Recôncavo. Até o Fim, de 2020, inicia uma trilogia de interfaces entre cinema e teatro musical, que ressalta tanto a força do roteirista Ary Rosa quanto a direção de arte de Glenda que faz dos cenários personagens, rememorando a verve carpinteira do cinema como ofício. Nessa esteira vieram Voltei (2021),  e por fim Mungunzá (2022). Filmes feitos na raça, na pandemia e orçamento escasso, trazem a força do diálogo, do cenário e da atuação do elenco, numa trança de elementos incrivelmente bem ornados. 

Mungunzá é visceral quando demaquila uma mulher que sofre da vida, mãe que tenta proteger o filho de sua decadência e amante que busca vingança, e Mungunzá pode ser feitiço e veneno. Uma obra coerente, afeita ao fortalecimento do coletivo, à poética do experimentar e do compromisso pedagógico. E o encontro de Arlete Dias e Fabrício Boliveira é certamente um deleite para a audiência negra, a tradução mais que perfeita da conjunção entre o peri-gozo e o necessário. 


Viviane Pistache é preta das Minas Gerais, pesquisadora, roteirista e, de vez em quando, crítica de cinema. 

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

Leia também:

Sinto muito, Evelyn não morreu

André Novais: O Cineasta Filho de Dona Zezé, Uma Grande Atriz

Marte Um: Nossa Negritude Reluzindo Cinema

+ sobre o tema

Um líder negro no Socialismo dos Pampas

“Trazemos no corpo O mel do suor Trazemos nos olhos A dança...

Escola e Direitos Humanos

A prefeitura de São Paulo sancionou, na última semana,...

Resposta a Risério

  Domingo, 17/12/2017, foi publicado na Folha de S. Paulo...

Violência tem cor

Nesta semana o Instituto de Pesquisa Economia Aplicada (Ipea)...

para lembrar

Uma pistola em cada mão

Com texto afiado e interpretações memoráveis, o diretor catalão...

Festival no Rio reúne 60 filmes com temática negra

Diversificar e enegrecer o cinema brasileiro. Esse é o...

Mulheres negras no cinema: 16 filmes que você precisa assistir

O blog Cultura em Casa convidou as cineastas Joyce...

Presidirá hoje Danny Glover encontro de cineastas em Cuba

Havana, 14 set (Prensa Latina) presidirá hoje aqui um...

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

A Sombra do Sonho de Clarice

O longa-metragem convidado para ser exibido no Lanterna Mágica no dia 21 de março foi O Sonho de Clarice, de Fernando Gutierrez e Guto...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...
-+=