Ana Flávia Ramos: Mulher no comando é “mandona”; se for homem, é “firme”

As dores de Temer

por Ana Flávia Ramos, do Viomundo 

Entre os muitos golpes que a democracia brasileira e Dilma Rousseff vem sofrendo no ano de 2015, alguns pequenos gestos evidenciam as entrelinhas do machismo que alimenta a campanha contra a primeira presidenta mulher. E não digo isso apenas me referindo aos inúmeros ataques feitos a partir da cultura do estupro existente nesse país.

Ao publicar a carta infame e mesquinha de Michel Temer, até mesmo a prestigiada Revista Fórum (admirada por mim), ao tentar explicar para o leitor um dos possíveis motivos da insatisfação do homenzinho, escorregou: “Dilma não é fácil e há inúmeros relatos de descortesias da presidenta”. Machismo. Não posso dizer outra coisa.

Dilma atingiu uma posição incômoda num país extremamente machista, um lugar de poder, de chefia.

Os vários comentários políticos, as manchetes sempre deixaram entrever esse machismo: Dilma é de “difícil trato”, “Dilma tem briga PESSOAL com Cunha” (na medida em que mulheres agem por paixão e emoção, como NÃO encarar a disputa como política entre uma presidenta da República e o presidente da Câmara? Disputa pessoal, quase “briga de vizinhos”, claro), “Dilma é mandona com ministros”, “Dilma quer decidir tudo sozinha”.

Claro que tenho críticas a muitas decisões e articulações políticas de Dilma. Evidente.

Mas não se trata só disso. Nós mulheres, que estamos no mundo do trabalho, sabemos o quanto é difícil ocupar cargos de chefia – quando ocupamos, porque, na maioria das vezes, optam por figuras masculinas. Isso é um fato.

Mulheres no comando, se não são extremamente cordiais e falam doce – voz de fada –, usam diminutivos, se não se esmeram na gentileza excessiva (ou subserviência), são tidas como “mandonas”, temperamentais, passionais, pouco “articuladoras”. Se reclamam, se são pragmáticas, se cobram responsabilidades, enfim, se se posicionam com firmeza, são olhadas com desconfiança, com azedume…

São como “diabos que vestem prada”. Homens na mesma condição, são “firmes”, “destemidos”, “gestores” desde o berço.

Mulheres, ah mulheres, estas são mal-amadas mesmo.

Afinal de contas, essa é das “nervosinhas”.

Dilma pecou ao magoar o homenzinho Michel Temer, pecou pois não o consultou em suas decisões, não acatou o seu plano “ponte” (eu diria bomba) para o “futuro”, foi dura com engravatados nas reuniões…

Não falou doce, saiu do lugar onde uma mulher deveria estar.

Temer se ressente de ser tratado como…vice.

Queria ser consultado, queria que seu plano de governo fosse acatado.

Ele, um homem, como tantos outros que ocupam majoritariamente Brasília, não foi consultado por aquela mulher que ousara ser presidenta. Pecado mortal.

No entanto, senhor Temer, lembro que os 54 milhões de votos foram de Dilma Rousseff e não seus.

Aliás, muitos deles (incluindo o meu) foram dados a despeito de você, tivemos que engolir sua presença indigesta.

Tal qual fazemos quando tapamos o nariz para engolir remédio ruim.

Se Dilma não confiou em você, ela estava certa: você não vale nada. Viva a primeira presidenta mulher desse país!

*Ana Flávia Cernic Ramos é doutora em História Social pela Unicamp e professora do curso de Graduação em História da UFU.

PS do Viomundo: Entreouvido hoje na TV Câmara, enquanto deputados da oposição gritavam pelo impeachment de Dilma, um deles dizendo: “vai cuidar de casa!”

+ sobre o tema

Dona Lô em: “A Temer o que é de Temer” – a origem das delegacias de mulheres

Fátima Oliveira – Ô Dindinha, eu não sabia que o...

Tereza Ferraz e Simone de Beauvoir

Queridas amigas Ha algum tempo me afastei da militancia feminista,...

Mulheres pedem mobilização por maior participação feminina na política

Mulheres negras A secretária de Políticas de Ações Afirmativas...

Importância da diversidade das mulheres é reforçada em debate on line

Para comemorar o dia da psicóloga e do psicólogo...

para lembrar

Mulheres da caravana: elas respondem com amor e atitude à violência dos homens

Em região de tradição patriarcal e machista, mulheres são...

Trabalhadoras domésticas defendem criação de convenção internacional para regulamentação da profissão

Encontro intensifica mobilização da categoria nos países da América...

O feminismo toma o Chile

Um tsunami feminista ganhou força como resposta positiva às...

Caso UNIBAM: Jovens tiram a roupa para repudiar machismo na universidade

Grupo de 250 pessoas fez passeata até o Salão de...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=