Angolanos e brasileiros pintam “resistência negra”

Artistas de Angola e  do Brasil  participam de 28 deste mês a 2 de Agosto, na criação de no-vas pinturas na Serra da Leba, a iniciativa visa promover o intercâmbio cultural entre os dois povos.

Do Jornal de Angola

Projecto por objectivo criar espaços de trocas de experiências entre nacionais e estrangeiros Fotografia: Edições Novembro

A actividade faz parte do projecto “África e a Diáspora – Novas Conexões”, lançado no Brasil, conta com a presença de grafiteiros do estado da Bahia, Annie Ganzala, Ananda Santana e Eder Muniz, e dos angolanos Thó Simões, Nunes Simões e Manuel Rafa.

O projecto “Murais da Leba” visa relançar o turismo cultural na região sul do país, através de artes plásticas, conta com a participação de dois artistas do Namibe e da Huíla.

Durante cinco dias, os grafiteiros do Estado da Bahia e os angolanos envolvidos no projecto Murais da Leba vão estar a mais de mil metros acima do nível do mar,  para projectar e colorir as suas ideias nas paredes da Serra da Leba que tem como foco a ancestralidade e resistência negra em África e na diáspora.

Uma equipa de filmagem, proveniente da Bahia, vai fa-zer a gravação do intercâmbio cultural entre brasileiros e angolanos para um documentário, a exemplo do que aconteceu na primeira fase dos Murais da Leba, com a produção do filme “As Cores da Serpente”, pela mesma equipa.

O projecto “África e a Diáspora – Novas Conexões” é realizado pela Estandarte Produções, Cinepoètyka Filmes e Colectivo Murais da Leba, com o apoio financeiro do Estado da Bahia. A iniciativa prevê a realização de um debate sobre racismo e movimentos de resistência negra, com a participação de especialistas brasileiros e angolanos, no dia 3 de Agosto, no Centro Cultural Brasil – Angola, em Luanda.

Um dia depois, os grafiteiros de Bahia juntam-se a artistas angolanos para pintar um mural na capital do país. O Murais da Leba é um projecto lançado em 2015, por ocasião do 40º aniversário da Independência Nacional, com o propósito de transformar as pinturas da Serra da Leba na maior obra de arte a céu aberto em África.

Protagonistas

 
Eder Muniz, artista autodidacta, actualmente trabalha com grafites, mistura técnicas das artes plásticas e técnica própria do grafite. Os seus trabalhos têm como característica a ligação homem – natureza, estão espalhados por várias partes da cidade de Salvador. No ano de 2000, ajudou a fundar o Movimento Calangos de Rua, um colecti-vo de artistas, com o intuito de levar a cultura às comunidades da capital bahiana.

Em 2005, participou do projecto Salvador Grafita, a partir de então, foi convidado para palestrar nos Estados Unidos e realizar seminários em universidades e Organizações Não Governamentais, na cidade de Nova Iorque.

Nanda Santana, estudante de Artes, na Universidade Federal da Bahia, residente do bairro de Itapuã, em Salvador, é grafita há cerca de dois anos. Traz  nos seus trabalhos muita cor e vida, porém, sempre a representação de uma mulher negra, por acreditar que as mesmas precisam de ser vistas e respeitadas. Além do grafite, utiliza as técnicas como aguarela e acrílica, para dar cor às personagens que cria.

Annie Gonzala Lorde, negra e feminista de religião de matriz africana Candomblé, é moradora na periferia de Salvador. Começou a desenhar na infância,  hoje vive da arte. Expôs as suas obras em países como a Colômbia, Alemanha, França, Espanha, Estados Unidos e República Dominicana.
Thó Simões nasceu em Malanje. Trabalha em pintura, arte urbana, performances, instalações, filmes e fotografia.

Estudou arte no Instituto Na-cional de Artes e Cultura (IN-FAC), em Luanda. Em 2001, expôs pela primeira vez com o colectivo “Os Nacionalistas” e continuou até agora.

Manuel André Pedro “Rafa” nasceu em Viana, província de Luanda, onde reside até ao momento. Pinta, desde 2010, nas ruas da capital angolana, não só para exteriorizar o seu dom artístico, mas também para transmitir mensagens de educação cívica e moral.

Nuno Camoxi Munzala “Noop” nasceu no município de Viana,  faz grafite desde 2012, mas desde criança que tem gosto pelo desenhar. Em 2013, entrou para o movimento artístico MAL Crew, um ano depois, participou num concurso nacional de grafite, onde foi descoberto e convidado para fazer parte do projecto Murais da Leba.

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

G20 com provisões de moratória da dívida para os países africanos

Segundo o Financial Times, está a ser estudado um...

Atividades marcam comemoração do Novembro Negro

De segunda-feira (19/11) até 06 de dezembro, a...

São Paulo sedia congressos sobre religiões afro-brasileiras

Começam nesta sexta-feira (23), na avenida Santa Catarina,...
spot_imgspot_img

Os palancas negras

Não foi o 7 x 1 que me frustrou, inclusive eu estava dormindo durante o jogo contra a Alemanha. Lembro que acordei várias vezes...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Rei angolano visita quilombo Cafundó (SP) e cumpre profecias

Duas profecias foram cumpridas em solo brasileiro neste sábado (28). Ambas diziam que, depois de todo o suplício dos tempos escravocratas, uma majestade angolana atravessaria o...
-+=