quarta-feira, agosto 17, 2022
InícioQuestão RacialViolência Racial e PolicialAnte indiferença de pedestres, nigeriano é agredido até a morte em rua...

Ante indiferença de pedestres, nigeriano é agredido até a morte em rua da Itália

Agressor, um italiano de 32 anos, socou e sufocou Alika Ogorchukwu, de 39 anos, por cerca de quatro minutos, enquanto pessoas caminhavam e filmavam em rua de Civitanova Marche, na costa nordeste do país.

Um crime contra um vendedor ambulante nigeriano na Itália chocou o país e o mundo. No sábado, Alika Ogorchukwu, de 39 anos, foi morto por um italiano incomodado por pedidos de esmola de Ogorchukwu.

O caso aconteceu no sábado (30) no meio de uma rua de Civitanova Marche, na costa nordeste da Itália, e também chamou a atenção, além do racismo, pela indiferença dos pedestres, que assistiram ao ataque, de cerca de quatro minutos, sem intervir.

Além do racismo, organizações de migrantes denunciaram que muitas pessoas ainda gravaram o episódio, em vez de tentar interromper a agressão.

Homens protestam em rua onde vendedor nigeriano foi morto após ser agredido por italiano, em 13 de julho de 2022. — Foto: Chiara Gabrielli/ Associated Press

O autor do ataque é o italiano Filippo Claudio Giuseppe Ferlazzo, de 32 anos. Ele foi detido e, nesta segunda-feira (1º), a polícia italiana decidirá se ele seguirá preso enquanto responde pelo processo. Também nesta segunda-feira, investigadores farão uma autópsia no corpo para determinar a causa exata da morte. Há suspeita de sufocamento e traumatismo.

Segundo a polícia, Ferlazzo avançou em Ogorchukwu, que vendia lenços de papel e isqueiros, após ser mostrar irritado por pedidos constantes de esmola por parte do nigeriano. O agressor estava acompanhado da mulher. Seu advogado alegou que ele se irritou após Ogorchukwu fazer comentários sobre sua esposa.

Mulher coloca flores em local em rua de Civitanova Marché, na Itália, onde o vendedor nigeriano Alika Ogorchukwu foi agredido até a morte, em 31 de julho de 2022. — Foto: Associated Press

“O fato trágico é havia muitas pessoas ao redor. Eles filmaram, falaram ‘pare’ mas ninguém se moveu para deter a briga”, denunciou o presidente da associação de migrantes local, Daniel Amenaza.

Os jornais do país também criticaram, além do crime, a indiferença dos pedestres. “Um horror da quatro minutos”, escreveu o “Corriere della Sera”. Pela internet imagens mostram a agressão e a passividade dos pedestres, que continuam caminhando na rua.

Casado e com dois filhos, Ogorchukwu vendia pequenos itens nas ruas da cidade após perder um trabalho formal por conta de sequelas de um acidente de carro, segundo Amenaza.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench