‘Se fosse um italiano, alguém teria acudido?’: assassinato de nigeriano levanta debate sobre racismo na Itália

O assassino, o italiano Filippo Claudio Ferlazzo, pegou a muleta que o africano usava para caminhar, o surrou e o sufocou até morrer. A agressão durou 4 minutos.

O homicídio do nigeriano Alika Ogorchukwu chocou a Itália. Na última sexta-feira (29), em uma rua movimentada da cidade de Civitanova Marche, na região central do país, ele foi espancado até a morte, à luz do dia, diante de pessoas que assistiram, filmaram, fotografaram, mas não tentaram impedir o crime. Como mostram as imagens de câmeras de segurança, o assassino, o italiano Filippo Claudio Ferlazzo, pegou a muleta que o africano usava para caminhar, o surrou e o sufocou até morrer. A agressão durou 4 minutos.

Várias questões foram levantadas desde que as imagens do assassinato brutal do vendedor ambulante começaram a circular. Mas o principal pensamento que paira desde então na Itália é resumido pelo vice-secretário nacional da associação de nigerianos no país, Patrick Guobadia: “Se Alika fosse italiano, alguém teria acudido?”

A viúva de Alika busca um sentido para o gesto insano. No sábado, ela disse aos repórteres que gostaria de estar cara a cara com o assassino para perguntar-lhe os motivos do gesto. Ogorchukwu vivia no país com sua mulher há mais de 10 anos e tinha um filho de oito anos.

Após um protesto espontâneo logo após o assassinato, a comunidade nigeriana voltará às ruas no próximo fim de semana ao lado de associações e instituições.

Mas não só a comunidade nigeriana criticou a indiferença das testemunhas. Políticos e representantes da sociedade civil também ficaram indignados com a falta de ação das pessoas presentes no momento do assassinato. Mas nas redes sociais, muitos também interpretam a reação das testemunhas como “medo de se ferir”.

O porta-voz da polícia local, Matteo Luconi, disse que não há, até o momento, elementos que apontem para um crime de racismo, e as investigações iniciais revelam que as agressões teriam sido motivadas por um pedido de esmola de Ogorchukwu.

Ferlazzo, que foi preso no sábado, disse no primeiro depoimento que agrediu o homem porque ele teria feito comentários “inadequados” sobre a mulher que o acompanhava. Depois admitiu que o ataque de ódio foi motivado por um pedido considerado “insistente” de esmola. Além do crime de homicídio, ele foi indiciado pelo roubo do celular de Alika Ogorchukwu. A advogada de Ferlazzo alegou que ele tem “problemas psiquiátricos”.

Itália racista?

Na Itália é difícil obter estatísticas atualizadas sobre o racismo. A associação Lunaria, uma ONG laica e independente fundada em 1992, publicou um relatório no qual analisa os dados fornecidos pelo Observatório ODIHR/OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) sobre crimes de ódio, alimentado por dados oficiais fornecidos pela Polícia e pelo OSCAD (Observatório de Segurança contra atos discriminatórios). Eles também se baseiam em outra fonte oficial de referência: o UNAR (Escritório Nacional contra a Discriminação Racial).

De acordo com a Lunaria, a Itália não é um país acolhedor. Em 18 anos, entre 1 de janeiro de 2008 e 31 de março de 2020, houve 7.426 episódios de racismo em solo italiano. Desse total, 5.340 são casos de violência verbal, 901 agressões físicas, 177 danos materiais e 1.008 casos de discriminação.

Segundo os dados desta associação, o motivo “étnico-racial” é o mais recorrente (mais de 70%), seguido pelo religioso, orientação sexual, a discriminação motivada por preconceitos à deficiências, idade, enquanto preconceitos múltiplos são menos comuns.

Caso entra na campanha eleitoral

O assassinato tornou-se um tema de discussão dentro da campanha eleitoral italiana, que vive atualmente mais um momento de turbulência política desde o pedido de demissão do chefe do governo, Mario Draghi. Mesmo se todos se posicionaram contra o gesto brutal, os partidos de direita são acusados de fomentar o racismo.

“Uma esquerda desesperada usa um homem pobre morto por um criminoso há dias para acusar a mim, a Liga, e milhões de italianos de racismo”, rebateu nas redes sociais Matteo Salvini, líder da Liga, o partido de extrema direita, antes de pedir que a segurança seja restaurada nas cidades italianas.

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

PMs não citaram ação social em depoimento sobre morte de jovem na Providência

Dois PMs investigados pelo homicídio do jovem Rodrigo Cerqueira,...

Pele alva e pele alvo: porque jovens negros continuam sendo vítimas preferenciais da violência

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicados em...

O quarto de empregada e a morte de Miguel

No dia 02 de junho de 2020 ficamos todos...

O esporte goleia o racismo

Enfim, o racismo sofre uma derrota dessas de mudar...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=