Aplicativo para atender mulheres em situação de violência começa a ser testado em janeiro na Capital

Mulheres com medida protetiva poderão acionar a Brigada Militar por um aplicativo em Porto Alegre. A ferramenta desenvolvida pela ONG Themis, em parceria com o governo do Estado, foi lançada na tarde desta quinta-feira (17) na sede da Secretaria de Segurança Pública.

por Maria Eduarda Fortuna no Gaucha

Inicialmente, será feito o teste com duas mulheres do bairro Restinga, que serão escolhidas a partir de janeiro. Após o período de experiência, o objetivo é estender o uso para outras vítimas.

O líder de desenvolvimento do app, Daniel Dora, explica que as mulheres escolhidas pelo Judiciário receberão um código para se cadastrar, com um termo se comprometendo a acionar a polícia somente em casos de emergência.

“Quando ela aperta quatro vezes no botão liga e desliga, automaticamente cai no atendente do 190, junto com todas as informações dela e do possível agressor e a localização dela através do GPS. Se ela estiver em fuga, fazemos todo o controle do deslocamento dela para informar a polícia”, explica.

Após o acionamento, imediatamente, uma viatura irá deslocar para atender a ocorrência. O secretário da Segurança, Wantuir Jacini, explica que o efetivo que fará o atendimento será o mesmo que já trabalha no policiamento ostensivo.

“Quando o 190 receber o chamado, ele vai disparar a viatura mais próxima para atender”, destaca. Ainda segundo ele, não há uma previsão de quanto tempo levará o período de testes com as duas vítimas.

A coordenadora de projetos da Themis, Lívia de Souza, ressalta que a escolha da Restinga para os testes se deu por ser um bairro afastado, onde a violência é muito alta e ao mesmo tempo contar com duas Promotoras Legais Populares (PLP), que atuam na ajuda a mulheres vítimas de violência.

Ela destaca, ainda, que hoje a grande maioria das vítimas tem um smartphone para baixar poder baixar o app, mas, se for necessário, a Associação de Juízes do Rio Grande do Sul realiza, desde 2014, o recolhimento de aparelhos celulares em desuso para auxiliar as mulheres.

+ sobre o tema

Quando uma Globeleza sofre racismo no Carnaval

Agora que o Carnaval passou, novas histórias serão contadas. Será um...

“Sou fruto de estupro e a favor do aborto ”

Claudia Salgado, 28 anos, gerente de varejo, fala de forma...

para lembrar

25 empresas que mais contratam mulheres negras

Desde 2003, a agência Working Mother Media faz um...

Processos criativos e identidade feminina negra

Programa Tradução em Libras disponível. Faça sua solicitação no ato...

Vamos falar de outras feminilidades: Se não sou uma mulher?

"Se não sou uma mulher" . Essa frase tem...

A mulher negra no mercado de trabalho – por Beatriz Nascimento

Para entender a situação da mulher negra no mercado...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=