Após morte, família acusa PMs de espancar mulher em Ribeirão Preto

Luana dos Reis foi internada após ter sido agredida em abordagem, diz irmã. Ela sofreu uma isquemia cerebral; PM nega que tenha abusado da força.

Do G1

A família de uma mulher de 34 anos acusa policiais militares de espancá-la durante uma abordagem em Ribeirão Preto (SP). Luana Barbosa dos Reis morreu nesta quarta-feira (13), cinco dias após ter sido internada na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-UE). Ela sofreu uma isquemia cerebral aguda causada por traumatismo crânio-encefálico, conforme aponta a declaração de óbito.

Uma testemunha afirma que Luana foi brutalmente agredida por pelo menos seis policiais na rua da casa onde morava.

De acordo com a Polícia Militar, os agentes reagiram depois que foram desacatados e agredidos por Luana. O comando apura a denúncia e a Polícia Civil investiga o caso.

Agressões e morte
Segundo a professora Roseli Barbosa dos Reis, a irmã saiu de casa por volta das 19h para levar o filho de 14 anos a um curso. Ela foi abordada pela polícia na esquina da residência no bairro Jardim Paiva, quando seguia de moto para a escola.

Roseli afirma que Luana teria pedido uma policial para que fosse feita a revista, mas a solicitação não foi atendida, e ela não permitiu o procedimento. Foi quando, segundo a professora, as agressões começaram.

Uma vizinha, que prefere não se identificar, conta que os policiais desferiram golpes de cassetetes em Luana. A mulher ouviu gritos na rua e saiu de casa para ver o que acontecia quando se deparou com a cena.

“Foi uma coisa de terrorismo que eu nunca tinha visto na minha vida. Eles foram muito violentos. Deram bastante cacetada nela, nas pernas, mas muito. Batiam com o cassetete”, diz a testemunha.

Luana foi levada para a delegacia, onde os policiais registraram um termo circunstanciado. No documento, os PMs alegam que foram desacatados e agredidos pela mulher, que estava descontrolada. Um dos policias sofreu ferimentos na boca e o outro teve uma lesão no pé.

Após o registro na polícia, Luana foi dispensada, mas devido aos ferimentos acabou sendo internada na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-UE). De acordo com a irmã, ela sofreu uma isquemia cerebral aguda causada por traumatismo crânio-encefálico. “Ela apanhou muito, estava brutalizada. Ela não conseguia abrir os olhos, toda machucada, com vermelhidão no corpo inteiro, ela não conseguia andar”, afirma Roseli.

Luana morreu no dia 13 de abril e os órgãos foram doados pela família.

Polícia nega agressões
O tenente coronel da PM, Francisco Mango Neto, informou que a abordagem aconteceu porque havia uma suspeita de que a moto dirigida por Luana fosse roubada. Mango Neto diz que a mulher se mostrou exaltada desde o início da conversa com os policiais.

Sobre a acusação de violência feita pela família, o coronel afirma que o uso da força foi preciso para conter a mulher após xingamentos e agressões contra os PMs. “Eu acredito que não [tenha havido excesso]. Na realidade foi para contê-la. Tanto que os policiais estavam muito mais lesionados, com cortes, e ela não. Ela foi íntegra para a delegacia, lá foi solicitado exame de corpo de delito, o qual ela deveria passar”.

Mango Neto diz que a PM solicitou um laudo complementar para apurar se a isquemia foi desencadeada por lesões ou se por outro motivo. “Vamos apurar se esse AVE ela teve por lesão ou se teve por um outro motivo, como drogas, anabolizantes, porque ela era uma lutadora de arte marcial, bem forte.”

familia_luana_novo

+ sobre o tema

Gente boa também mata

Por Lelê Teles, enviado para o Portal Géledes Quem reclamou...

Mais armas, mais mortes

Dois importantes estudos sobre violência letal alertam para a...

Pai denuncia estupro da filha após ouvir áudio de padrasto pedindo foto íntima

Além do padastro da menina, amigo dele, personal trainer,...

Em manifesto, juristas denunciam apartheid social no Jacarezinho

Desde a última sexta-feira (11), quando as Forças Armadas...

para lembrar

Bolsonaro perde mais uma vez na Justiça para Maria do Rosário

Nova decisão da Justiça determina que, além de pagar...

Gente Nova – Direitos Humanos em 2 minutos

Foi ao ar no início desta semana o primeiro...

A Polícia do Rio de Janeiro matou meu filho

Meu nome é Ana Paula Oliveira, sou pedagoga e...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...
-+=