As mulheres e o meio ambiente

Nossos corpos se confundem com o corpo da terra que habitamos

“A Amazônia é mulher”, nos diz a jornalista e ativista ambiental Eliane Brum. É nesta perspectiva que nós, da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas, escrevemos este artigo.

Como pesquisadoras e ativistas da causa indígena, somos todas Amazônia, cerrado, caatinga, mata atlântica. Nossos corpos se confundem com o corpo da terra que habitamos; nossos pés têm raízes nesses territórios constantemente violentados. Trata-se de violência tão familiar a todas as mulheres do Brasil, vítimas de feminicídios, estupros físicos e agressões verbais, misoginia escancarada nas bocas institucionalizadas de homens brancos, nos silêncios impostos a meninas grávidas e a meninas negras e indígenas, abusadas e mortas. São mortes que não comovem esta sociedade estruturalmente racista.

Nos últimos quatro anos vivenciamos a maior e mais violenta ofensiva aos povos indígenas e seus territórios, já demarcados ou em estudo, pós-Constituição de 1988. Cabe lembrar que está nas terras e territórios indígenas a porção mais preservada do território nacional. Entre as ameaças à vida dos biomas brasileiros e dos povos que os habitam está o projeto de lei 490/2007. Ele prevê a possibilidade de que as terras já demarcadas sejam retomadas pelo Estado quando houver “perda de traços culturais”, em flagrante desrespeito aos parágrafos 2º e 5° do artigo 231 da Constituição Federal.

Desconsidera que todas as sociedades humanas mudam de forma dinâmica e constante e amplia a possibilidade de autorização para mineração em terras indígenas, desde que exista “relevante interesse público”. A mineração ilegal tem motivado as invasões às terras indígenas, contaminando os rios e os peixes, além de facilitar a violência contra as mulheres e crianças indígenas. Ressaltamos ainda as sérias ameaças aos povos que vivem em isolamento voluntário, na proposição também de que o Estado estabeleça contato forçado quando existir “interesse público”.

A necropolítica e o racismo institucional são categorias que ajudam a entender que quando os corpos das florestas, da caatinga, do cerrado e das matas são violentados, também o são os corpos das mulheres e homens que os habitam. A violência contra o que chamamos de meio ambiente é violência contra a vida de todos nós.

As mulheres indígenas têm um papel fundamental no cuidado com a “Mãe Terra”. Participam ativamente das atividades e articulações comunitárias, onde são tratados todos os assuntos referentes ao território que habitam, assim como na retirada de matérias-primas para confecção de artesanatos, nas atividades domésticas e de cuidado, no manejo dos alimentos e no manuseio de roças e lavouras. Os povos indígenas têm modos de vidas indissociáveis das terras que habitam. Em seus territórios estão as maiores reservas de biodiversidade do Brasil, bem como as nascentes de grandes rios, além de habitat e refúgio de animais em risco de extinção. Demarcá-los, preservá-los e protegê-los é dever do Estado.

Compreender e nos apropriarmos de novas categorias para pensar as causas do aquecimento global e as alternativas para adiar “o fim do mundo”, como nos sugere o escritor e intelectual Ailton Krenak, depende de uma escuta dialógica, comprometida e qualificada para a elaboração de políticas efetivas de proteção e valorização dos saberes e das ciências tradicionais e indígenas.

Os modelos indígenas de “sustentabilidade ambiental”, para usar uma categoria das ciências não indígenas, podem ser inspiração para novos modelos de viver frente aos desafios ambientais e de sobrevivência que se apresentam, pois ser a favor da vida e da natureza é saber que, além da vida humana, existem outras vidas. Mulheres e meio ambiente devem ser pautas transversais e indissociáveis na agenda política do país.

Autoras:

Jacqueline Souza e Telma Taurepang
Povo Taurepang (RR)

Kamutaja Ãwa
Povo Ãwa (TO)

Reijane Pinheiro
Rede Brasileira de Mulheres Cientistas (RBMC) e Universidade Federal de Tocantins

Rute Andrade
RBMC (PI)

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

+ sobre o tema

Futura ministra diz que aborto é questão para o Legislativo

BRASÍLIA - A futura ministra da Secretaria de Políticas...

‘Sexo frágil’ – será?

Para início de conversa esse rótulo está ultrapassado. Em...

BA empossa 1ª transexual no serviço público do Estado

O transexual Paulo César dos Santos, de 25 anos,...

Índias levam bandeiras feministas às aldeias e assumem dianteira do movimento

Nascidas em aldeias indígenas no Acre, Letícia Yawanawá, 49...

para lembrar

Mulheres quebram barreira do preconceito e fazem grafite nas ruas de Salvador

Cada uma delas tem uma historia diferente, mas o...

Mulheres são líderes mais eficientes

Em pesquisa que analisa critérios de liderança, mulheres são...

Arquitetura dos direitos reprodutivos e ameaças ao aborto legal e seguro

Iniciamos esta reflexão homenageando a menina de 10 anos,...

Por que nós, mulheres, estamos sempre pedindo desculpas? 

Nos últimos dias andei pensando muito no significado da...
spot_imgspot_img

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso, é necessário que tenham entre 17 e 27 anos, não sejam casadas e não tenham...

Raízes negras, femininas e religiosas: entenda o enredo da Viradouro

Para construir o enredo campeão do carnaval do Rio de Janeiro em 2024, o carnavalesco Tarcísio Zanon, da Unidos da Viradouro, buscou inspiração em tempos...

O que levou mulheres a desistirem da maquiagem de todo dia

Depois de dois anos sem usar maquiagem, a enfermeira Nicole Neves decidiu contratar uma maquiadora profissional para a sua festa de aniversário de 30 anos...
-+=