Beyoncé é tema de curso sobre feminismo negro e questões raciais em universidade norte-americana

Que tal estudar e curtir a Queen B ao mesmo tempo? A Universidade do Texas, nos Estados Unidos, criou um curso chamado “Mulheres Negras, Beyoncé & Cultura Popular”, que visa abordar temáticas sobre feminismo negro, questões raciais, empoderamento feminino e cultura africana.

Do PoP

A novidade foi proposta pela professora Kinitra D. Brook, que usa o álbum “Lemonade” em suas aulas. Em entrevista ao site Mic, ela explica que a ideia surgiu a partir do programa de estudos “Lemonade Syllabus”, disponível na internet pela educadora Candice Benbow, que reúne diferentes referências e trabalhos que explicam toda a representatividade presente no último álbum de Beyoncé.

“Os estudantes percebem que esses grandes tópicos estão interconectados. Todos conseguem se juntar para falar de Beyoncé, mas em um mês de aula nós já focamos em muito mais. (…) Eu gosto muito da Beyoncé porque ela conseguiu envolver nesses assuntos muitas pessoas que normalmente não estariam interessadas em feminismo negro, em práticas religiosas da África Ocidental. (…) Estudar raça, gênero, classe e teoria da cultura pop é muito divertido… e muito difícil. Reveja sua maturidade e capacidade de lidar com um curso tão auto-orientado. Não há vergonha alguma em decidir que você não está pronto“, conta a professora.

O curso conta com três aulas semanais e um total de 40 vagas, iniciando em dezembro com uma análise da faixa “Formation” e encerrando com “All Night”

Reprodução/Youtube/Formation

+ sobre o tema

Não basta estuprar, tem que filmar e jogar na internet

Isso aconteceu no penúltimo domingo e até agora só...

para lembrar

MC Carol é o Brasil que deu certo

Carolina de Oliveira Lourenço já viveu sozinha num barraco...

27 ideias de tatuagens feministas

Que tal eternizar na pele seus ideais de luta...

Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem, diz deputado

Fraga fez afirmação após Jandira Feghali discutir com Roberto...

Em Roraima, projeto capacita brasileiras e venezuelanas para enfrentar violência de gênero

Realizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA)...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=