Mulheres ganharão tanto quanto homens, mas só daqui a 136 anos

Levantamento mostra disparidade salarial entre gêneros nos EUA

No O Globo

A desigualdade de salários entre homens e mulheres nos Estados Unidos tem diminuído mais lentamente desde 2001 e, se continuar nesse ritmo, a igualdade de gêneros no mercado de trabalho americano só será alcançada por volta de 2152, segundo um relatório publicado pela American Association of University Women (AAUW).

As mulheres ganham o equivalente a 79,6% do salário dos homens — a melhor performance desde 1960. Críticos dessa métrica argumentam que é preciso levar em conta, porém, a quantidade de horas trabalhadas e a diferença entre as carreiras mais ocupadas por homens e mulheres.

O ceticismo em relação a esse indicador é válido, diz Catherine Hill, vice-presidente de pesquisa da AAUW. Esse número é amplo e leva em conta profissionais com diferentes idades e ocupações. Segundo Catherine, o indicador é interessante para mostrar tendências, como a redução da diferença salarial durante as décadas de 1980 e 1990, “quando as conquistas acadêmicas das mulheres atuaram como um motor”, e a estagnação nos avanços nos últimos 15 anos.

Mesmo após levar em consideração a idade, a ocupação e outros dados, ainda resta uma diferença salarial que não pode ser explicada, diz a professora de Economia de Harvard Claudia Goldin. “Mas”, acrescenta ela, “não sabemos o suficiente para afirmar que uma desigualdade salarial entre gêneros se deve à discriminação”.

Catherine Hill, da AAUW, diz que, após controlar as estatísticas em 11 aspectos que poderiam causar distorções, o relatório conclui que existe uma diferença de 7% nos salários um ano depois que as mulheres se formam na faculdade.

— Isso nos diz que outra coisa está acontecendo — explica ela. — Sim, as escolhas que fazemos têm um peso grande, mas também se trata das escolhas que as pessoas pressupõem que nós faremos, como nos ausentar do mercado de trabalho para criar os filhos ou cuidar de outros familiares.

+ sobre o tema

Enfermeira é contratada e promovida por hospital onde trabalhou como faxineira há dez anos

Há dez anos, Jaines Andrades trabalhava como faxineira no...

23 mulheres inspiradoras que tornaram 2016 um ano melhor

Listar as mulheres que mais me inspiraram em 2016...

Um olhar diferenciado sobre a saúde da mulher negra

 - Fonte: Mhário Lincol do Brasil - Algumas doenças atingem...

para lembrar

Juliana Ribeiro encerra temporada de ‘Preta Brasileira’ no Pelourinho

Com cantora Ana Mametto, espetáculo faz homenagem ao Dia...

O reflexo da Malungagem na teoria Interseccional: diálogos de uma mulher negra no 08 de março

As narrativas que acompanham o surgimento do Dia Internacional...

Afinal, o que querem as mulheres? – Por: Patrícia Sebastiany Pinheiro

Muitas pessoas, em sua maioria homens, afirmam que as...

A mulher que aborta

A mulher que aborta pode estar sentada ao seu...
spot_imgspot_img

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...
-+=