Brasil é apenas 130º em ranking que analisa igualdade salarial entre homens e mulheres com trabalho semelhante

Dados integram o relatório do Fórum Econômico Mundial divulgado nesta terça-feira e que analisa a desigualdade de gênero em 153 países.

No G1

iStock

Numa classificação de 153 países, o Brasil ocupa apenas no 130º lugar no quesito que analisa a igualdade salarial entre homens e mulheres que desempenham trabalho semelhante.

Os dados integram o relatório do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) divulgado nesta terça-feira (17) e que analisa a desigualdade de gênero.

O estudo mostrou ainda que o Brasil tem apenas 20% das empresas com mulheres em cargos elevados de gestão. A baixa presença feminina ocorre mesmo com boa parte da força de trabalho brasileira composta por mulheres – elas somam 45,09 milhões, enquanto os homens são 55,08 milhões.

No relatório do WEF, o Brasil apareceu na 92ª posição no ranking global que analisa a desigualdade de gênero. Pelo levantamento, o país precisa de mais de 59 anos para ter igualdade entre homens e mulheres.

Entre os países da América Latina e do Caribe, o Brasil ficou na 22ª colocação entre 25 países.

Na análise detalhada por quesitos, o Brasil tem o melhor desempenho em saúde – ocupa a primeira colocação no ranking –, e o pior resultado em empoderamento político – o país está no 104º lugar.

Nos demais itens analisados, o país está na 35ª colocação quando se analisa a disparidade de nível educacional e ocupa a 89ª posição em participação econômica.

Série mostrou desafios das mulheres

Em julho, o G1 publicou uma série de entrevistas com mulheres que alcançaram cargos de liderança. Em um dos capítulos, a diretora do Banco Central Carolina de Assis Barros disse a mulher que chega à chefia tem o papel de estender a mão para outras.

Desempenho mundial

A WEF alertou que a desigualdade de gênero no local de trabalho aumentou este ano e, nesse ritmo, serão necessários 257 anos para alcançar a paridade. No relatório do ano passado, eram necessários 202 anos.

+ sobre o tema

Oito de março: mulheres marcham por igualdade

"Os espaços de participação são fechados, o protesto é...

Pela estrada afora

Viajar sozinha pode ser uma deliciosa aventura, uma ponte...

Entidades realizam abaixo-assinado para ratificar norma de proteção ao trabalho doméstico

Dirigentes do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de São Paulo...

Bachelet: mulher é fundamental para desenvolvimento sustentável

A chilena Michelle Bachelet, diretora-executiva da ONU Mulheres, pedirá...

para lembrar

Precisamos ouvir histórias de aborto

Débora Diniz fala sobre sua experiência na campanha ‘Eu...

Jessica Jones e a possibilidade de se enxergar em uma heroína

Como o seriado Jessica Jones ajudou a colocar o...

Rapaz trabalha como diarista há 7 anos no ES e diz que não se importa com preconceito

Para psicóloga e consultora de carreiras, o mercado de...

As Gêmeas

As duas meninas-moça, as duas meninas-mulher, confirmavam os princípios...
spot_imgspot_img

Primeira negra no TSE, Edilene Lôbo destaca superação de desigualdades

A primeira ministra negra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edilene Lôbo, participou, nesta quinta-feira (28/9), de sua primeira sessão plenária e ressaltou a importância...

Geledés aborda intolerância religiosa na ONU

Para além das sessões no Conselho de Direitos Humanos, Geledés-Instituto da Mulher Negra participou de reuniões paralelas com diferentes equipes nas Nações Unidas com...

Machismo e patriarcado afetam não só as mulheres, mas também os homens e a crianças

O Projeto de Lei (PL) nº 1974/2021, de autoria da Deputada Sâmia Bomfim (PSOL/SP) e do Deputado Glauber Braga (PSOL/RJ), cuja tramitação pode ser...
-+=