O machismo faz a cama do fascismo, alertam líderes de movimento de mulheres da França

A ascensão de governos de ultradireita em vários países do mundo aumenta os riscos de ataques às mulheres e aos direitos das mulheres. No governo Trump, por exemplo, nada menos que 32 Estados questionam na Justiça a legislação sobre o aborto.

Por ELEONORA DE LUCENA E RODOLFO LUCENA, Da Tutaméia 

Eleonora, Rodolfo, Christinne, Élisabeth e Izabella na conversa sobre feminismo
Eleonora, Rodolfo, Christinne, Élisabeth e Izabella na conversa sobre feminismo, democracia e literatura (Foto: Imagem retirada do site Tutaméia )

É o alerta que fazem as advogadas Christine Villeneuve e Élisabeth Nicoli, dirigentes da organização francesa Aliança das Mulheres pela Democracia (AFD). Também diretoras da editora Des Femmes – Antoinette Fouque, elas estiveram no Brasil no início de novembro para o lançamento da edição bilígue de “Poemas de Recordação e Outros Movimentos” (Poèmes de La Mémoire et Autres Mouvements), de Conceição Evaristo.

Falando ao TUTAMÉIA (com a gentil participação da brasileira Izabella Borges, professora da Sorbonne e colaboradora da editora Des femmes, que atuou como tradutora na nossa conversa), elas afirmaram que os governos de ultradireita e os movimentos fascistas atacam as mulheres exatamente porque “as mulheres são a ponta de lança da luta pela democracia”, como dizia a ativista Antoinette Fouque, uma das fundadoras da AFD e da editora que hoje também leva seu nome.

Por isso, elas discordam de quem afirma que a luta das mulheres por seus direitos divide o movimento popular. “Nós dizemos que não: nós multiplicamos. Quando lutamos pela liberdade das mulheres, estamos lutando pela libertação dos oprimidos em geral, estamos lutando pela democracia”.

E seguem, citando a ascensão de governos de ultradireita na Europa e no Brasil: “Hoje em dia, podemos perceber que em todos esses novos modelos de autocracia, em vários lugares do mundo, as mulheres imediatamente tomam a frente da luta pela redemocratização porque elas sabem que elas têm muito a perder. Esses governos fálicos, a primeira coisa que fazem quando sobem ao poder é atacar as mulheres.”

É neles que se amplia o feminicídio, a restrição aos direitos das mulheres, a ampliação das diferenças salariais. É por isso que elas afirmam: “O machismo faz a cama para o fascismo” (confira a entrevista completa).

 

 

Christinne Villeneuve destaca que as lutas das mulheres trazem benefícios para toda a sociedade: “Quando direitos das mulheres são inscritos na lei, isso faz avançar a defesa de direitos dos homossexuais e de outras categorias discriminadas”.

“A liberação das mulheres funcionou como alavanca para a liberação de toda a sociedade, com a criação de novas leis que permitem a toda a sociedade usufruir da democracia”, concorda Élisabeth Nicoli.

Alerta, porém, que a conquista de direitos provoca reações, “um protesto viril, machista. Há um movimento de liberação de um lado e uma reação viril de outro”, diz.

“Os crimes contra as mulheres são exemplo dessa reação e uma questão central na luta democrática, inclusive no Brasil”, completa.

Aliás, as duas, com Antoinette Fouque (1936-2014), são antigas parceiras das lutas dos brasileiros pela democracia. Vieram ao Brasil pela primeira em 1974, em plena ditadura militar. Na época, tiveram encontros como dirigentes do movimento feminista brasileiro e com integrantes da resistência à ditadura militar.

Foi quando Fouque decidiu passar a publicar a produção de escritoras e intelectuais brasileiras, como Clarice Lispector –editaram em francês as obras “quase” completas—e Nélida Piñon, Rose Marie Muraro e Marilena Chauí; agora, fazem a primeira edição bilíngue da poesia de Conceição Evaristo (saiba mais sobre isso na entrevista de TUTAMÉIA com Evaristo, CLIQUE AQUI).

O ativismo das brasileiras também está presente em produções gerais da editora, como o “Le Dictionnaire Universel des Créatrices” (Dicionário Universal das Mulheres Criadoras), em que aparece Marielle Franco –o verbete foi escrito por Izabella Borges e você pode lê-lo CLICANDO AQUI).

Ativismo que é uma necessidade diária, afirma Villeneuve: “Em qualquer governo, na França ou no Brasil, de direita ou de esquerda, tanto as mulheres quanto os homens devem agir e pensar politicamente, continuar a luta, continuar a resistir. A resistência é para sempre, e nada será dado de graça, nada será conquistado sem luta. Ao contrário, sem luta os direitos serão retomados.”

E as mulheres têm um papel especial nessa luta, como têm um papel especial na sociedade, já que são três vezes produtoras, segundo conceito de Antoinette Fouque lembrado por Nicoli na entrevista: “As mulheres cumprem o trabalho doméstico, e o trabalho profissional, mas elas cumprem também aquilo que constitui a maior riqueza da humanidade, que é a produção das crianças, a procriação. As mulheres engravidam, são capazes de produzir um ser vivo. É uma capacidade única das mulheres, é a maior riqueza das mulheres, mas também causa provoca nos humens uma grande inveja no âmbito do inconsciente. Freud criou o conceito da inveja do pênis, e Fouque desenvolveu o conceito da inveja do útero. Essa é a raiz da misoginia. Como os homens não podem procriar, eles colocam da mulher numa situação de escravo, eles se apropriam da criação.”

Eis aí por quê, no entender dela, o movimento das mulheres é também “um movimento que luta pela saída de uma situação de escravidão. É um movimento que luta por uma sociedade melhor, mais justa, com mais democracia”.

+ sobre o tema

Feminismos negros e a renovação política do “Dia Internacional das Mulheres”

Este artigo integra o “Dossiê Feminismo e Política”, do...

Mulher, conceito plural

Judith Butler deu um passo além de Simone de...

Feminismo e as cortinas a serem despidas

“Quando eu não fazia ideia do que era o...

Imagem das mulheres negras nas redes sociais foi tema de ciclo de palestras

A primeira palestra do ciclo “Diversos, Intensos e Plurais”,...

para lembrar

Jodie Foster casa-se com a fotógrafa Alexandra Hedison

Mais um casal do mesmo sexo se casa, desta...

Apenas 18% das empresas no Brasil têm mulheres como presidente

Desigualdade também está presente em diretorias e conselhos, mas...

Estudo revela que ter um marido cria sete horas adicionais de trabalho doméstico para uma mulher

Pesquisa realizada pela Universidade de Michigan apontou ainda que...

Flávia Oliveira: Hora de devoção à democracia

Os problemas que mais afligem os brasileiros, como saúde,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=