Câmara do Rio aprova projetos de Marielle e dá seu nome à tribuna

A Câmara Municipal do Rio aprovou, nesta quarta-feira (2), em primeira votação, cinco projetos de lei da vereadora Marielle Franco (PSOL), morta no dia 14 março, executada com nove tiros. Os vereadores aprovaram também a concessão do nome dela para a tribuna da Casa. Agora, os projetos seguirão para uma segunda votação, ainda sem data marcada, para depois serem encaminhados ao prefeito Marcelo Crivella para sanção.

As galerias, lotadas de apoiadores de Marielle, vibraram com a aprovação dos projetos, que incluem a criação de creches públicas noturnas para mães que trabalham à noite; a criação do Dia da Mulher Negra, a ser comemorado em 25 de julho; a criação de campanha permanente contra o assédio e a violência sexual em ônibus e trens, e a criação do Dossiê Mulher. Um dos projetos, porém, que inclui o dia de luta contra a homofobia, lesbofobia, bifobia e transfobia teve a apreciação adiada.

O vereador Tarcísio Motta, líder do PSOL, disse que houve um entendimento entre a maioria dos vereadores de aprovar os projetos de Marielle como homenagem e reconhecimento à parlamentar, que tinha entre suas principais bandeiras a defesa das populações pobres, das mulheres negras e do público LGBT.

“Foi uma votação histórica. São projetos que defendem os direitos da mulher trabalhadora, as políticas públicas para as mulheres, a vida nas favelas e os trabalhadores. Sem dúvida alguma, é a voz da Marielle ecoando em medidas legislativas. Cabe agora aprovar em segunda votação e que o prefeito Marcelo Crivella sancione e coloque em prática as políticas públicas decorrentes dessas leis”, disse Tarcísio Motta.

Público se manifesta enquanto vereadores votam na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, em sessão extraordinária, projetos de lei de Marielle Franco, assassinada em março. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

+ sobre o tema

SEPPIR fala sobre direitos humanos das mulheres negras na OEA

Audiência é uma solicitação da Articulação de Organizações de...

Não precisamos de Princesa Isabel! (Agora é que são elas!)

Neste início de novembro, nós homens com espaços nos...

para lembrar

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Hoje na História, 1962, foi instituido como o Dia da Mulher Africana

O Dia da Mulher Africana foi instituído a 31...

Os cabelos como fruto do que brota de nossas cabeças

Seria inevitável trazer qualquer expressão sobre o tema do...

Dizer, Ouvir, Posicionar e Agir para combater o Racismo

“Eu sou uma mulher negra. Eu sou a mulher que,...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=