Candidata do Psol critica pautas despolitizadas e machistas da grande mídia

Em tempos onde partidos ainda precisam debater uma agenda que amplie a participação de mulheres nos cargos públicos, veículos de comunicação, pautados pelo que tratá maior número de cliques, e não por qualidade, preferem despertar o interesse do internauta usando a beleza de algumas candidatas a discutir propostas. Foi o que aconteceu com o Uol na semana passada, segundo Isa Penna, candidata do Psol à Câmara de São Paulo.

O repórter Vinícius Segalla assinou, no dia 21, a matéria “Conheça algumas das mais belas candidatadas das eleições de 2014”, texto que despertou a ira das próprias postulantes e de militantes de movimento feministas. Isa, 23, estudandte de direito, fez duras críticas à iniciativa e pediu que sua imagem fosse retirada da galeria. Nesta segunda (25), o Uol ainda não havia atendido ao pedido ou mesmo acrescentado o posicionamento da candidata no portal.

“Este tipo de matéria, além das diversas ‘cantadas’ que estou tomando nas ruas durante minha campanha, me entristece muito, já que a minha candidatura é justamente para combater esta lógica, de objetificação do corpo da mulher, que nunca é valorizada pelas suas idéias”, desabafou a socialista.

Dias depois, Isa iniciou uma campanha nas redes sociais incentivado os internautas a buscar matérias “machistas na grande mídia para coleta de denúncias”. “A publicação da matéria do UOL, que deixa, na opinião do jornalista, a eleição ‘mais palpável’, é só um pequeno exemplo da lógica opressora. (…) Além do machismo assustador, nos indigna muito que as ideias que defendemos simplesmente não aparecem. (…) Querem cobrir as eleições? Então que cumpram o papel de uma imprensa decente e divulguem aquilo que pensamos!”, disparou a estudante.

Isa terminou seu texto afirmando que esse caso evidencia ainda mais “a necessidade da luta pela democratização dos meios de comunicação. Inclusive da internet. Pois, por mais que pareça um espaço livre e aberto, os grandes meios de comunicação recebem grandes montantes de dinheiro dos governos por meio de publicidade. São eles que continuam colocando as pautas nos períodos eleitorais. E, no geral, são pautas conservadoras ou no mínimo despolitizadas.”

+ sobre o tema

STJ autoriza família de Marielle a acessar investigação de crimes

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou nesta terça-feira (18) os...

Eu não devia precisar de uma desculpa para ser virgem

Texto de Shae Collins. Tradução de Bia Cardoso. Publicado...

Sozinha enfrentei tudo isso. E sobrevivo.

Quando penso em tudo que precisei enfrentar, sozinha, eu...

para lembrar

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Promotoras Legais Populares – PLPs

"Promotoras Legais Populares - Capacitação de Lideranças Femininas Comunitárias"...

Cristina Bruschini, pilar dos estudos de gênero no Brasil, por Arlene Martinez Ricoldi

Tive o prazer e o privilégio de conviver estreitamente...

Reino Unido: Polícia vai tratar denúncia de estupro com mesma severidade de ameaça terrorista

Manifestantes levantam faixa: 'estupro:um problema global' Segundo relatório, 80% das...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=