“Cano estourado, porta com 40 buracos de tiro, poça de sangue no chão. É desolador ver isso no seu espaço”

Joel Luiz Costa nasceu e foi criado na favela do Jacarezinho, que foi cenário nesta quinta-feira da operação policial mais letal da história do Rio de Janeiro e da segunda maior chacina do Estado. Um total de 25 pessoas morreram, entre elas um policial civil baleado na cabeça. A Polícia Civil do Rio nega que tenha cometido erros na operação. Hoje, Costa é advogado criminalista e coordenador-executivo do Instituto de Defesa da População Negra (IDPN), que oferece assistência jurídica gratuita para promover pessoas a equidade racial no Brasil. Em depoimento ao repórter Felipe Betim, do EL PAÍS, ele relata o cenário de guerra que encontrou após a operação e conta o que sentiu ao caminhar pelas ruas do território onde cresceu. Também explica sobre como o IDPN atuará para dar assistência aos familiares das vítimas da polícia. Leia abaixo o depoimento:

Emicida definiu outro dia numa frase o que diz quando perguntado como ele se sente. “Tão bem quanto alguém pode estar, sendo brasileiro e vivendo no Brasil em 2021”. Isso também já me definiu, mas hoje é impossível me definir apenas por isso… É muito dolorido você caminhar pelo território que cresceu, pelas ruas, vielas, becos, na esquina que tomava banho de mangueira, o lugar onde tomou cerveja, fez churrasco, botou seu filho para andar de bike… E ver um cenário de guerra. Para além das mortes, você se deparar com um cenário digno de guerra num ambiente de moradia humilde é devastador.

Cano estourado, uma porta de loja com 40 ou 50 buracos de tiro, sangue pelo chão… E não é sangue de uma pessoa baleada que escorreu, é poça de sangue. Isso é desolador, é cruel de se ver em qualquer circunstância. Mas quando você vê isso no seu espaço, na única coisa que você tem no mundo, que é seu território, da onde você saiu, que te criou, que te forjou, é uma dor, um dia que nunca vai sair da minha memória.

 

Leia o conteúdo completo aqui 

+ sobre o tema

Mande notícias

Existe ainda em mim um lugar reservado para o...

Imigrantes africanos denunciam racismo no Brasil

  Durante um protesto realizado nesta quinta-feira, dia...

Convite: Violência Racial – Uma Leitura dos dados de Homicídio no Brasil

O Geledés Instituto da Mulher Negra lança no próximo...

Representatividade como construção da identidade

Porque atualmente se fala tanto em representatividade? Qual a...

para lembrar

Quem é racista o ano todo também é racista no Carnaval; a diferença é que usa fantasia

por Eliano Jorge no Terra Já não são tão habituais...

Proibidas de usar black power na escola, meninas fazem protestos

Segundo as manifestantes, elas sofriam preconceito pelo penteados usados Do...

Legado de Sobrevivência

Arrancaram-nos de nossas origens. Invadiram e tomaram nossas terras. Nós, afro-brasileiros...

Sociologia e o mundo das leis: racismo, desigualdades e violência

Foi com muita satisfação que recebi o convite do Justificando para...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=