Guest Post »
Cidinha da Silva: Vozes da bibliodiversidade na FLIP e noutras festas e feiras literárias

Cidinha da Silva: Vozes da bibliodiversidade na FLIP e noutras festas e feiras literárias

O romancista gaúcho Jeferson Tenório, no artigo “Se Lima Barreto fosse usuário do Facebook” exortou os analistas da obra de Lima na FLIP 2017, a não reduzi-lo à sua biografia, posto que a obra é o mais importante. Mesmo que a trajetória do autor seja fundamental e nos ajude a compreendê-la. Desse modo, seus livros, “Triste fim de Policarpo Quaresma”, “Clara dos Anjos”, “Recordações do escrivão Isaías Caminha”, “Os Bruzundangas”, entre outros, são maiores do que Lima Barreto. E Tenório conclui: “dizer isso parece óbvio, mas em certos casos o óbvio tem de ser dito, principalmente para quem vai falar de um autor negro no Brasil”.

Por Cidinha da Silva, do Jornalistas Livres

(foto)Ilustração Joana Brasileiro

Deu certo. Os augúrios de Tenório, possivelmente escaldado pelas águas geladas e poluídas que costumam lançar à literatura de autoria negra, foram ouvidos. Lima não foi ensimesmado em sua biografia. A obra foi discutida. Mas Tenório ainda palpitou, conclusivo, se convidado, Lima, o homenageado, não compareceria à FLIP.

Edimilson de Almeida Pereira, o maior conhecedor de cultura Banto-mineira de todos os tempos, a quem um jornalista, de maneira precisa, mas lamentável, caracterizou como desconhecido do grande público (a ponto dele, o jornalista, chamá-lo de Andrade – será que foi por ter ouvido ali, na igreja, ecos de Drummond?) roubou a cena na catedral de Paraty. Reverenciou aqueles que vieram depois dos donos da terra, mesmo deslizando no léxico e chamando-os de “escravos”, não de escravizados, como deveria. Pediu licença a eles, agradeceu por seu legado.

Ainda sobre a troca de nomes, tão comum com escritores negros, vale lembrar que Carolina Maria de Jesus é comumente chamada de Maria Carolina de Jesus.

Edimilson, o mestre-sala, quebrou o protocolo, o paradigma e colocou uma epistemologia nova para girar. E Dona Diva Guimarães, atenta, sentiu-se inspirada a também nos oferecer seu legado sereno de quem domou o ódio e a raiva gerados pelo racismo para continuar estudando, mas acionou-os para sobreviver e levantar a voz na FLIP 2017. Não se tornou sonsa por um minuto sequer, e se insurgiu quando depois de transformada em celebridade literária, foi indagada por um jornalista sobre o valor de seu salário de professora aposentada. Dona Diva não era boba e sabia que a estratégia da branquitude era transformá-la em protagonista da comiseração que pudesse entretê-los. Ela se rebelou, como a criança rebelde que nos contou ter sido, e Conceição Evaristo arrematou: “se vocês disserem que é mimimi ou vitimização eu vou rasgar o jornal”! É isso! Vamos para cima. Rasguemos os jornais que nos desprezam e nos querem como bichos de circo.

Scholastique Mukasonga também foi citada como inspiração de Dona Diva Guimarães. Sua intervenção caracterizou a fala de uma igual, libertadora de outras tantas. Por isso o racismo estrutural (e institucional das festas literárias e de variados lugares de formação de opinião) nos quer ausentes, ou mudas, quando por lá passamos. Porque uma pode inspirar a outra e para resguardar os privilégios da branquitude é mais seguro que nos invisibilizem e nos emudeçam.  “Uma sobe e puxa a outra”, como lembrou Ana Maria Gonçalves em alusão ao lema da Marcha de Mulheres Negras Contra o Racismo e Pelo Bem-viver, de 2015.

Mas, o que mesmo significa participar da FLIP e de outras vitrines literárias (festas, feiras) de grande cobertura midiática? Significa, acima de tudo, visibilidade para autoras e autores e isso impulsiona a venda de livros, faz circular as idéias, atitudes e formas de trabalho do pessoal em tela; atrai as editoras mais estruturadas e com mais poder de fogo no mercado; expande o campo de pesquisa sobre autores e obras em evidência; aumenta a fortuna crítica; faz com que a crítica e a mídia os olhem com outros olhos ou, no caso das expressões literárias não-canônicas, que pelo menos as vejam em seu lugar de existência.

No limite, se tudo der certo, se tudo confluir para o desejado sucesso, o autor ou autora pode ascender à condição de celebridade literária, passando assim a compor o casting de autores cobiçados, lembrados com assiduidade. E mais bem pagos, afinal, como vocês sabem, em várias feiras e festas literárias é praticada uma hierarquização de cachês de acordo com o nome, trânsito do autor e artilharia da editora.

Por falar em circulação de idéias, uma das entrevistas de Edimilson A. Pereira (A de Almeida, não de Andrade, por favor) problematizando a rigidez do cânone literário, levou o entrevistador a pontificar a necessidade de criação de um cânone extra-oficial, um cânone B, presumo.

Só que o aprendizado mineiro de quando o adversário vier com o milho, já termos o fubá pronto, nos assegura que não interessa um cânone para a literatura de autoria negra e outras também massacradas. Isso teria duas utilidades: geraria trabalho e campo de ação legitimado para estudiosos dessas produções. Estes mesmos pesquisadores tratados como párias por seus colegas estudiosos de “alta literatura”. A segunda seria cristalizar num lugarzinho de destaque, certo setor da literatura de autoria negra e afins, mais estabelecido.

Interessa pluralizar o cânone (já que não tenho ilusões de destruí-lo), ou seja, forçar a porta de entrada para que críticos, curadores, gente do mercado editorial, professoras e professores universitários, imprensa, autoras e autores, editoras, agentes negros e afins do mundo literário venham a compor o cânone.

Toni Morrison e Alice Walker, por exemplo, só são autoras canônicas porque o cânone estadunidense é diverso e as contempla. Valoriza também, a autoria de mulheres oriundas de outros grupos raciais e étnicos, de pessoas indígenas, de estrangeiros, entre outros conjuntos de autorias tradicionalmente excluídas do cânone literário. É preciso dinamitar (por dentro) o cânone que aí está e construir outro, mais diverso. Não resolve criar um canonezinho de segunda para correr por fora das raias da competição real. Isso só reforça o que já está posto e acatado.

Finda a FLIP 2017 fica o desejo de que ela não tenha sido apenas uma resposta às ausências e incongruências da FLIP 2016, tal qual a cerimônia do Oscar 2017 em resposta àquela do ano anterior e a criticada lacuna de premiação aos sujeitos negros da sétima arte. A expectativa é que haja mudanças reais e perenes na programação das feiras e festas literárias Brasil afora. Que elas se beneficiem e deixem de temer o belo, aguerrido, corajoso, dolorido, lírico, fecundo, tenaz, vingador, transformador, vigoroso, revitalizador que as autorias negras e outras rejeitadas pelo cânone representam. Oxalá, a literatura “fora dos radares” siga ampliando a multiplicidade e a polifonia da literatura brasileira.

Escreva um comentário e participe!

Related posts