Clamamos por Justiça! Violencia policial em Planaltina-DF

Consternados manifestamos nossa dor e repúdio diante da morte de seis pessoas, ocorridas na madrugada deste domingo, 14/02, após colisão frontal entre dois veículos, ocorrida em Formosa (GO).

por Maria Belum via Guest Post para o Portal Geledés

Cinco jovens, ao não pararem em uma abordagem policial, foram perseguidos entre Planaltina-DF e Formosa-GO por diversas viaturas da Polícia Militar do DF. Ao ocorrer a colisão, os policiais, conforme se vê em vídeo que circula na internet, retiraram os corpos dos jovens, amontoando-os e ofendendo-os, de forma covarde. Um policial, dizia ao garoto de 13 anos, que sobreviveu à colisão, contorcendo-se no chão, mas que veio a falecer depois: “não chora não, morre como homem“. Se a PMDF tivesse cumprido seu papel de forma profissional, provavelmente mortes teriam sido evitadas.

Diversas viaturas perseguiram o automóvel com os garotos até a colisão, tendo os corpos sido retirados do carro, jogados e amontoados no chão como se lixo fossem, enquanto o sobrevivente que ainda se mexia, chorava e pedia socorro, e era desdenhosamente ofendido por um policial.

É preciso apurar a ação dos policiais militares do DF, pois o ato se configura em crime conforme previsto no art. 121, parágrafo 4º, do Código Penal brasileiro, que considera homicídio culposo e aumenta a pena no caso do agente em exercício da profissão que deixar de prestar imediato socorro à vítima.

Os jovens estudavam e trabalhavam, e a polícia não tem o direito de julgar e condenar, como ocorreu e como comprovam as imagens do citado vídeo. Mesmo com um dos jovens com passagem pela polícia, em qualquer circunstância a polícia não teria o direito de fazer o que fez. O fato mostra policiais despreparados para dar segurança à sociedade.

Morreram, durante o acidente, além do motorista do outro carro, os seguintes jovens: Welington (13), Carlos Henrique (15), Caio Jonatas (17), Gabriel (17), e David Matos (18).

Por outro lado, chama a atenção a falta de equipamentos públicos relacionados à cultura, ao trabalho e ao lazer na região de Planaltina e em toda a periferia do DF. O que há de sobra para as crianças e jovens dessas regiões, tem sido a morte, a marginalidade e a falta de oportunidades que assegurem a formação de cidadãos que possuam a plena cidadania.

É preciso dar as condições adequadas para o desenvolvimento psicosocial e as oportunidades adequadas aos jovens residentes nas periferias, oferecendo essas condições. A Polícia Militar precisa ser preparada para respeitar a vida, a juventude e todo o povo, assim como é necessária a desmilitarização das polícias de todo o Brasil.

Basta de violência contra os jovens filhos de trabalhadores. A cada dia acontecem mais denúncias de assassinatos de jovens pobres, negros e residentes das periferias praticados por policiais.

Exigimos a imediata apuração e punição dos responsáveis pela barbárie que matou os jovens de Mestre D’Armas, Planaltina, DF.

Brasília (DF), 17 de fevereiro de 2015.”


Assinam:
Sigenaldo Souza Alencar, pai e Neli Ribeiro, mãe – Carlos Henrique
Raimundo Neto Ribeiro, pai e Maria Lucia, mãe – Caio Jonatas
Juscelino E. de Matos, pai – David Matos
Francisca Gracietti Soares Marques, mãe – Gabriel Marques Ferreira
José Cícero Ferreira, pai de Welington
Entidades:
ABL
ANEL-Assembléia Nacional de Estudantes Livres
Aquilomando DFE
Articulação Brasileira de Lésbicas – ABL
Articulação de Psicólogas/os Negras/os e Pesquisadoras/es – ANPSINEP
Cajueiro – Centro de Formação, Assessoria e Pesquisa em Juventude – GO
Calles – Casa América Latina Liberdade e Solidariedade – ES
Cáritas Arquidiocesana de Brasília – DF
Cataventos – Sobradinho – DF
Cebrapaz – DF
CFEMEA – DF
Central dos Movimentos Populares – CMP
Centro Acadêmico Carlos Marighella – História UFF – Campos dos Goytacazes – RJ
Coletivo ArtSam
Coletivo Enegrecer
Coletivo de Entidades Negras – CEN
Coletivo Favela Potente – DF
Coletivo Mariachi
Coletivo Maria Perifa
Coletivo Negrada – ES
Coletivo da Secretaria de Mulheres do PT/DF
Comissão de Direitos Humanos do Conselho Regional de Psicologia – DF
Comissão de Justiça e Paz – Arquidiocese de Brasília
Comitê Paraense de Solidariedade ao Povo Palestino – PA
Conselho Direitos Humanos do DF – CDPDDH
Conselho Regional de Psicologia – CRP – DF
Cooperativa de Reciclagem do Coco verde – Coopercoco – DF
CRIOLA Organização de Mulheres Negras – RJ
CUCA – UFF -RJ
DCE Fernando Santa Cruz – UFF – RJ
DCE Universidade Católica de Brasília – DF
DF em Movimento
Diretório Acadêmico Allan Turing – Computação – UFF
Diretório Acadêmico Aurora de Afonso Costa – Enfermagem – UFF – RJ
Educafro
Estrela Buriti (Planaltina) – DF
Fórum Nacional da Juventude Negra -DF
Frente Feminista Periférica
Grupo Radicais Livres S/A – DF
Jornal O Miraculoso – DF
Juventude Libre – DF
Juventude PSTU – DF
Juventude PT (Nacional)
Marcha Mundial das Mulheres – DF
Mochilão Cultural – DF
Movimento Cultural Super Nova -DF
Movimento D’ELLAS -RJ
Movimento de Mulheres Negras Capixabas – MNC – ES
Movimento de Olho na Justiça – MOJUS
MTST
Nação Hip Hop Brasil
Nosso Coletivo Negro – DF
Observatório Juventudes na Contemporaneidade – GO
O Campo
ODARA Instituto da Mulher Negra – BA
Pastoral da Juventude – DF
Pátria Latina
PCdoB
Pretas Candangas – DF
PSTU – DF
Quilombo Estereótipo
Quilombo Raça e Classe
Racionais MC’s
Radicais Lires S – DF
Rede Nacional de Negras e Negros LGBT
Rede Nacional de Religiões Afrobrasileiras e Saúde – RENAFRO
Refundação Comunista
Regular – GO
RUA – Juventude Anticapitalista – DF
Secretaria Agrária do PT – DF
Secretaria de Mulheres do PT – DF
Setorial de Direitos Humanos do PT – DF
SINDSEP – DF (Seção de Base do Incra)
SINDSER – DF
Sobreviventes da Rua – DF
Sociedade Maranhense de Direitos Humanos SMDH
UJS (Nacional)
UJS – DF
União de Negros pela Igualdade – Unegro
Vila dos Sonhos
Geledés Instituto da Mulher Negra

+ Assinaturas Individuais da Comunidade de Mestre D’Armas, que não colocamos aqui devido a ser uma longa lista
—————————————————————————————-
NOTAS;
1) Nota da Semidh sobre o caso do acidente e morte de adolescentes na BR-020
Secretaria repudia atuação desumana de agentes…
http://www.mulher.df.gov.br/…/2565-nota-da-semidh-sobre-o-c…

NOTAS DE APOIO:

1) A toda comunidade de Mestre D’Armas, Planaltina, DF.
Nós de CRIOLA, organização de mulheres negras sediada no Rio de Janeiro nos somamos a sua luta por justiça e reparações.
Lamentamos profundamente a dor e o trauma que atravessam e nos colocamos à disposição para apoiar na mobilização nacional e internacional a este repeito.
Solicitamos, se possível, adicionar a assinatura de CRIOLA à nota. Atenciosamente

2) Nós da ARTICULAÇÃO DE PSICÓLOGAS/OS NEGRAS/OS e PESQUISADORAS/ES – ANPSINEP, organização de âmbito nacional nos juntamos à luta por justiça e reparações.
Lamentamos profundamente a dor e o trauma que atravessam famílias e comunidades e nos colocamos à disposição para apoiar.
Estamos fazendo ADESÃO à nota veiculada. Atenciosamente,
Maria Lucia da Silva
Coordenação Geral da ANPSINEP
Articulação Nacional de Psicológas/os Negras/os e Pesquisadoras/es
E-mail: [email protected]

3) Prezada Comunidade de Mestre D’Armas,
A Comissão Justiça e Paz de Brasília agradece a cordialidade e se coloca à disposição para as mediações que este caso requererá.
Transmitiremos os agradecimentos ao Arcebispo de Brasília, que se empenhou para que a Arquidiocese Brasília tivesse um representante no evento e, particularmente, ao Diácono Milton Missias pela mensagem de esperança à luz do Evangelho, dirigida a todos e em particular aos familiares.
Solidários com a Comunidade de Mestre D’Armas
Um abraço fraterno
José Carlos e Paulo Suzano
CJP

AVISO IMPORTANTE:
Não enviamos o vídeo, em respeito, pois é fortíssimo. Entretanto, quem quiser assisti-lo, coloque no you tube ou na Web:Morre com dignidade, diz policial a garoto agonizante após batida”

+ sobre o tema

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

‘Me sinto decapitado’: por que cada vez mais homens têm o pênis amputado no Brasil?

Uma verruga no pênis fez João*, de 63 anos,...

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo...

para lembrar

Vítimas de preconceito, antropólogos, artistas respondem: o Brasil é racista?

Glauco Araújo* Caso do goleiro Aranha reacende a discussão sobre...

RN: Jovens e negros pedem um basta contra a violência

Mais de 50 entidades foram à Assembleia Legislativa (24)...

Como é ser negro no Brasil, após 126 anos depois da escravidão?

Beth Muniz E como vive a imensa maioria dos negros? ***** Janaína...

Eu Apoio o Tarifa Zero – Marilena Chaui

A professora e filósofa Marilena Chaui apresenta seus...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...
-+=