“Dear White People” é a série necessária para um homem branco como eu

A nova produção da Netflix promove uma reflexão sobre o racismo em meio a diversas risadas

Foto: Reprodução Netflix

Por Luiz Prisco Do Metrópoles

Dear White People” (“Cara Gente Branca, em português), novidade da Netflix, é uma comédia, mas às vezes dá vontade de chorar. O seriado joga na cara o racismo, sem papas na língua. E, confesso, serviu como uma espécie de divã para mim, um homem branco “desconstruidão”.

Não acho que seja um racista clássico, aqueles lunáticos que xingam os outros. O seriado me ajudou a perceber um racismo escondido na omissão, no silêncio diante do absurdo. Antes de continuar a falar da série, vou contar uma história.

Há três anos, estive no Morumbi para assistir São Paulo x Sport. Eu, são-paulino, fui ao estádio de bermuda e blusa do time. Enquanto esperava os portões abrirem, vi dois rapazes negros tomarem o maior baculejo. Policiais os abordaram, eles vestidos de shorts e camisetas do tricolor. A mim, ignoraram.

Foto: Reprodução Netflix

Esse episódio, ao menos para mim, reforça o tal do privilégio branco. A prerrogativa de poder ir a um estádio sem tomar um baculejo ou não ser seguido pelo segurança da loja. “Dear White People” mostra o quanto isso está presente invisivelmente na minha vida e, extremamente visível, no cotidiano de negros e negras.

LUIZ PRISCO

O grande mérito da produção é contar isso na forma de uma comédia densa, capaz de arrancar risadas e fazer refletir. Por que dói tanto ouvir que sou privilegiado por ser branco? Qual a razão de eu não me fantasiar de negro? Como “piadas” (ao estilo Rafinha Bastos) podem ofender?

Produção boa
Além de toda a reflexão, “Dear White People” é uma série de televisão muito bem-feita. Roteiro, elenco e produção entregam um produto gostoso de ver e, com episódios de 30 minutos, é daquelas séries para assistir em uma sentada só.

O arco dos personagens também é bem construído, mesmo que nos primeiros episódios a história fique um pouco repetitiva. Nada que prejudique a experiência.

leia também: 

Jogo do Privilégio

Este professor explicou perfeitamente como funciona o privilégio

Pessoas Brancas Falam sobre Privilégio Branco

Comediante se passa por bêbada e vende drogas a polícia para provar que brancos têm privilégios

+ sobre o tema

Por que mesmo com crescimento econômico a África continua perdendo seus jovens?

Com um aeroporto reformado, a demolição das favelas e comércios informais...

Homem chama família de ‘macacos’ e é condenado a pagar indenização por racismo

Decisão do Tribunal de Justiça confirmou sentença em primeira...

História verídica de uma ex-presidiária que virou letra de rap

Ouça a música agora: Interpretada pelo grupo Influência Positiva, rap aborda...

para lembrar

Já fui racista. Agora tenho vergonha

Quando tinha 18 anos, costumava estar irritado e errado....

Diretor de jornal francês é condenado a prisão por racismo contra Christiane Taubira

O diretor do jornal de extrema-direita Minute foi condenado...

“SOCIALITE” é presa por furto e racismo

A Polícia Militar do Rio de Janeiro prendeu Amanda...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=