Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A iniciativa mira o edital do governo Tarcísio prevendo a contratação de 12 mil câmeras com acionamento voluntário de policiais, modelo criticado por especialistas

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira contra a tentativa do governo de São Paulo de flexibilizar as câmeras corporais na Polícia Militar.

A iniciativa da Defensoria mira o edital publicado na semana passada para a contratação de 12 mil câmeras. Os novos equipamentos requeridos, no entanto, passarão a ser acionados voluntariamente pelos policiais, e não terão mais gravação automática e ininterrupta — modelo hoje em vigor e defendido por especialistas em segurança pública.

No ano passado, o Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou pedido da Defensoria para obrigar o uso das câmeras na PM — sob o temor de que o governo paulista extinguisse o projeto. A Justiça entendeu que isso provocaria uma interferência direta no orçamento e nas políticas públicas de segurança do estado, uma vez que o custo anual aos cofres estaduais seria de R$ 330 milhões a R$ 1 bilhão, interferindo diretamente no orçamento e nas políticas públicas de segurança no estado.

A Defensoria então recorreu ao STF. O presidente da Corte, Luís Roberto Barroso, negou ordenar a instalação de imediato, mas ressaltou a necessidade da implementação do equipamento.

Em abril, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), pressionado, comprometeu-se com Barroso a usar câmeras nas operações policiais, após passar meses criticando os equipamentos. O governo paulista assumiu a responsabilidade de cumprir um cronograma de instalação dos aparelhos, com publicação do edital de compra em maio.

A Defensoria agora alega que Tarcísio descumpriu dois compromissos assumidos com Barroso — ao permitir a exclusão da gravação de rotina e diminuição do prazo de armazenamento de imagens — e pede ao Supremo uma reapreciação do caso.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) argumenta que a gravação ininterrupta fazia a PM perder material por conta do esgotamento da bateria, e que “não existe a possibilidade de uma ocorrência policial ser perdida”, já que o policial será obrigado a ligar a câmera em toda diligência.

“Caso, por qualquer motivo, este acionamento não ocorra, o agente responsável pelo despacho da ocorrência no Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) acionará a gravação remotamente. Toda ocorrência é comunicada de imediato ao Copom e essa inovação do acionamento à distância não desobriga os policiais a ligarem o equipamento durante as ações, mas oferece uma garantia adicional de que as COPs serão acionadas assim que o policial entrar em ação”, diz a SSP.

As mudanças no programa Olho Vivo da PM

Quantidade de equipamentos

  • Como é: A Polícia Militar do Estado de São Paulo tem 10.150 câmeras corporais em funcionamento;
  • Como vai ficar: O edital vai substituir as câmeras existentes e ampliar em 17% o número de equipamentos, com previsão de contratação de 12 mil câmeras corporais.

Modo de gravação

  • Como é: As câmeras corporais utilizadas atualmente gravam ininterruptamente, com dois modos de gravação: o vídeo de rotina capta imagens durante todo o turno de serviço do policial (12 horas) em resolução 480p10fps sem som. Quando acionada, a câmera passa à gravação do vídeo intencional, com captação do som ambiente e resolução de 720p30fps. As câmeras não podem ser desligadas pelo policial, sendo acionadas automaticamente quando retiradas das docas, o equipamento onde ocorre o carregamento da bateria.
  • Como vai ficar: o edital determina que as novas câmeras gravem apenas quando acionadas pelo policial ou remoto, extinguindo a funcionalidade de gravação ininterrupta (elemento considerado como o mais importante para que o Programa Olho Vivo tenha os maiores impactos mensurados por estudos científicos no mundo).

Tempo de armazenamento

  • Como é: O tempo de armazenamento dos vídeos de rotina é de 90 dias e dos vídeos intencionais de 365 dias;
  • Como vai ficar: A nova licitação determina que os vídeos intencionais sejam armazenados pelo prazo de 30 dias, contrariando o que foi informado pela PMESP na ação do STF e a Recomendação nº 01/2024 do Conselho Nacional de Política Criminal.

Fonte: Nota divulgada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP, Instituto Sou da Paz e outras 15 entidades.

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Alexandre Nero se posiciona contra a Globo e defende funcionários

O ator Alexandre Nero não tem papas na língua....

CPI da Violência Urbana ouve Vilma Reis e Marcelo Paixão

Fonte: Lista Racial- Tema: "Juventude Negra, a principal vítima...

Bolsas de pós-graduação na Espanha

Agência FAPESP - A Fundação Carolina anunciou a abertura...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=