Democracia e a virada algorítmica

Questões, desafios e o caminho a seguir

Por Anita Gurumurthy e Deepti Bharthur, do Sur – Revista Internacional de Direitos Humanos

Foto: Reprodução/ Sur – Revista Internacional de Direitos Humanos

RESUMO

No momento atual de agitação em torno da democracia, o papel da tecnologia tem ganhado cada vez mais espaço no debate democrático devido ao seu papel em facilitar debates políticos, e como os dados dos usuários têm sido coletados e utilizados. Este artigo tem o intuito de discutir a relação entre democracia e a “virada algorítmica” – definida pelas autoras como “o papel central e estratégico desempenhado pelo processamento de dados e pelo raciocínio automatizado em processos eleitorais, governança e tomada de decisão”. Para isso, as autoras nos ajudam a entender como esse fenômeno tem influenciado a sociedade – de formas positivas e negativas – e quais são as implicações práticas que podemos observar como resultado.

A democracia está em um momento decisivo. De um lado, experiências revigorantes na descentralização e horizontalização de processos políticos estão reinventando as fronteiras da democracia, seja através do surgimento da juventude na política formal na Índia e no México,1 da recuperação da autogovernança da comunidade em espaços urbanos como no caso dos municípios espanhóis em rede,2 ou o surgimento de um novo ethos cidadão DIY (Do it Yourself ou Faça Você Mesmo).3 Por outro lado, uma série de avanços − mandatos eleitorais inesperados que surpreenderam os especialistas, como na eleição presidencial dos EUA em 2016; um déficit de confiança em expansão entre Estado e cidadão em muitas partes do mundo4 e a redução da fé nas instituições da democracia;5 a busca de possibilidades extrainstitucionais de liderança fora dos locais tradicionais de ação, como governo, sindicatos, partidos políticos, etc.;6 a polarização da esfera pública e um conluio desconcertante entre a classe tecnocapitalista e o estado informacional tecnocrático − apontam para novos desafios para a democracia.7

Com a mão invisível da tecnologia cada vez mais reveladora, a própria cidadania está em uma encruzilhada. Manipulados magistralmente por táticas baseadas em dados, os cidadãos encontram-se cada vez mais inseridos nos respectivos lados de uma divisão ideológica crescente e implacável. No entanto, com a capacidade de mobilizar 140 caracteres e uma útil hashtag, eles também conseguiram se apropriar do cenário digital como uma fronteira decisiva para todos os tipos de engajamento cívico. Desde o movimento de estudantes do #FeesMustFall na África do Sul8 e os protestos contra a violência sexual contra mulheres e meninas na Índia,9 o mundo on-line parece ter garantido seu lugar como palco para a ação cívico-pública.

Este ensaio explora o papel da virada algorítmica – definida aqui como o papel central e estratégico desempenhado pelo processamento de dados e pelo raciocínio automatizado – basicamente, a implantação de táticas de inteligência digital – em processos eleitorais, governança e tomada de decisão – em relação à transição democrática em andamento. Primeiramente, discutiremos as maneiras pelas quais a inteligência digital está influenciando e ditando os comportamentos e resultados dos eleitores. Em seguida, analisaremos o crescente papel dos dados e dos algoritmos nos processos de governança e decisão sobre políticas e as implicações para os direitos dos cidadãos. Por último, apresentaremos algumas questões sobre a governança dessa integração tecnológica nos processos democráticos.

Leia o artigo completo aqui 

 

+ sobre o tema

Frente Favela Brasil aciona William Waack no MPF-RJ por declarações racistas

“O partido entende que não cabe mais esse tipo...

‘Não queria sair de casa’, diz jovem que sofreu racismo nas redes sociais

Maria das Dores foi hostilizada ao postar uma imagem...

Novo exame de DNA permite identificar origem de escravos

O exame permite descobrir quais os países dos escravos...

Conselho Nacional do Ministério Público reconhece cotas raciais em concurso

O Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP)...

para lembrar

Haitiano é agredido até a morte por grupo de pessoas em SC

A Polícia Civil de Santa Catarina investiga um suposto...

EMPODERAMENTO: Não é sobre o tamanho do seu black power

Atualmente o termo empoderamento tem sido muito empregado dentro...

O assombro que vaza da simples existência…

Sou dessas pessoas fissuradas pela ideia de cruzar a...

Empreendedora denuncia racismo em shopping de BH: “Nunca mais vou esquecer”

Um corriqueiro passeio pelo shopping se transformou em uma...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=