Dilma na TV Brasil: caminho é a consulta popular

Em entrevista, presidente Dilma Rousseff afirma que o golpe desqualifica a soberania popular; ela alerta para o risco de ser adotar um semi-parlamentarismo ou, mesmo, a volta de eleições indiretas; explica que, num país de oligarquias como o nosso, o presidencialismo foi o regime das mudanças; diz que a consulta popular é a “única forma de lavar e enxaguar esta lambança que virou nosso sistema político”

Por Fernando Brito Do Brasil247

Demorou quase a metade da entrevista, mas finalmente veio o lead de Dilma Rousseff, quando ela diz: “O Governo Temer é a expressão do Eduardo Cunha, é a síntese do Eduardo Cunha”.

Daí em diante, Dilma começa a abrir o verbo e passa a dizer que o impeachment é obra essencialmente de Eduardo Cunha, do qual Michel Temer é é o passageiro privilegiado.

Fala da lava Jato, onde “setores da mídia se tornaram cúmplices de vazamentos seletivos”, feitos com propósitos políticos.

Desqualifica as supostas razões jurídicas que fundamentam o processo de impeachment que responde.

E entra no essencial que o golpe desqualifica a soberania popular, de que seja o povo a escolher quem governa o país.

Alerta para o risco de ser adotar um semi-parlamentarismo ou, mesmo, a volta de eleições indiretas.

Explica que, num país de oligarquias como o nosso, o presidencialismo foi o regime das mudanças.

E que só uma reforma política e a consulta popular é a “única forma de lavar e enxaguar esta lambança que virou nosso sistema político”.

“O Brasil tem de interromper este ciclo de corrupção”, disse, mas sem destruir o sistema empresarial-produtivo, mas de punir economicamente as empresas que se envolvam em irregularidades.

“Há uma hipocrisia imensa nesta história das investigações”. E citou a vergonha da exploração da história do seu cabeleireiro.

E vem aí um trecho hilário sobre as acusações sobre as empreiteiras “pagando” os arranjos do cabelo que começava a nascer após o câncer que teve em 2009 e a “compra de um teleprompter pessoal”.

Afinal, nos últimos 10 minutos, trata do futuro.

Não há pacto possível com Temer no poder.

E que é preciso recorrer à população, em alguma forma de consulta, talvez um plebiscito.

Infelizmente, o ponto conclusivo do processo de consulta popular não foi levado adiante.

Ainda assim, o que se viu foi uma Dilma extremamente mais capacitada para dirigir um país, inclusive para os interesses econômicos dominantes que, infelizmente, têm a visão miúda do feitor.

Repercussão?

Primeira no “trendtopics” do Twitter.

E, mais importante, sem panelas.

O Brasil parece estar caindo em si.

PS. Assim que dispuser da gravação, coloco aqui.

PS2. De panfletário, como pode testemunhar qualquer pessoa que a tenha assistido, a entrevista de nada teve. no entando, o Governo Temer, no seu incontrolável desejo censório, pretend

+ sobre o tema

Com iniciativa Global Gateway, UE apoia o Brasil no combate às desigualdades no mundo

A presidência brasileira do G20 fez do combate à fome, à...

Kamala Harris diz que está ‘honrada’ com apoio de Biden e que pretende ‘merecer e ganhar’ candidatura democrata

A vice-presidente Kamala Harris disse em uma declaração neste domingo que...

Biden desiste de reeleição após pressão e anuncia apoio a Kamala Harris

Após pressão de democratas, o presidente dos Estados Unidos, Joe...

para lembrar

Economista ensina finanças para a periferia com músicas do Racionais MC’s

Monise Cardoso, especial para o blog Mulherias Por Flávia Martinelli,...

Prefeitura de BH vai dar emprego para pessoas em situação de rua

Capacitar e dar oportunidades de emprego para a população...

Dirigentes do PCdoB de SP exaltam legado do venezuelano

  Com mensagens no twitter os deputados do PCdoB de...

A questão dos direitos humanos e o combate às desigualdades: discriminação e violência

1. Raça e direitos humanos no Brasil É de Joaquim...

Para cumprir os ODS, o Estado brasileiro precisa parar de matar pessoas negras

Em um período de dez anos (2012-2022), o Brasil registrou o assassinato de 445.442 pessoas negras. De acordo com o Atlas da Violência de...

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de 200 entidades, dará início à campanha “Quilombo nos Parlamentos Eleições 2024”. O lançamento acontece na...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik Boujikian foi nomeada nesta sexta-feira (21) para o comando da Secretaria Nacional de Diálogos Sociais e...
-+=