Dinheiro público foi convertido em sapatos para mulher de Cunha, diz procurador

Força-tarefa da Lava Jato acusa mulher de Eduardo Cunha, Cláudia Cruz, de lavar mais de US$ 1 milhão no exterior

Do iG

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol, afirmou nesta quinta-feira (9) que “dinheiro público foi convertido em sapatos e em roupas de grife”, em referência à lavagem de dinheiro atribuída a Cláudia Cruz, mulher do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Cláudia Cruz é ré em ação penal por lavagem de dinheiro e evasão de divisas por decisão do juiz federal Sérgio Moro, que acolheu denúncia criminal da Procuradoria da República.

Na denúncia, a Procuradoria sustenta que “mais de US$ 1 milhão” foram lavados por Cláudia, inclusive por meio da aquisição de artigos de luxo no exterior. O dinheiro, afirmam os procuradores teve origem em propina que Eduardo Cunha teria recebido em uma transação da Petrobras na África.

“Essa propina foi recebida pelo Eduardo Cunha numa conta no exterior e essa propina foi passada para outra conta que era escondida no exterior por Cláudia Cruz. Cláudia Cruz cometeu dois tipos de lavagem de dinheiro com base nesse dinheiro, mais de US$ 1 milhão. Um tipo de lavagem de dinheiro foi pela ocultação no exterior desses mais de US$ 1 milhão que são fruto de propina, propina recebida pelo marido Eduardo Cunha. A outra lavagem de dinheiro foi a conversão desse dinheiro em bens de luxo. Dinheiro público foi convertido em sapatos e roupas de grifes”, afirmou.

A defesa de Cláudia Cruz disse que ela responderá às imputações como fez até o momento, colaborando com a Justiça e entregando os documentos necessários à apuração dos fatos. Destaca que não tem qualquer relação com atos de corrupção ou de lavagem de dinheiro, não conhece os demais denunciados e jamais participou ou presenciou negociações ilícitas.

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Os povos indígenas no Canadá lutam com ‘perda inimaginável’.

Tradução: Sara Wagner YorkRestos de 215 crianças indígenas foram...

Nas escadarias da laicidade

O Plano de Proteção à Liberdade Religiosa empacou. Outra...

Emanoel Araújo propõe tombamento da Baía de Todos-os-Santos

Emanoel Araújo: em defesa da Baía de Todos-os-Santos...

A democracia brasileira está mesmo em vertigem?

Dentre todos os concorrentes ao Oscar 2020 na categoria...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=