Eu nos quero vivos

Quando eu era criança minha mãe me definia como curiosa, acho que foi o adjetivo que ela encontrou para descrever alguém que queria saber demais. Na verdade eu só busco encontrar um sentido nas coisas, sempre – talvez seja aí que eu fracasse, vai saber.

De qualquer forma, depois de dias sem conseguir dizer nada – eu não conseguia respirar – ouvi por aí que agora George Floyd se tornou um mártir

Em 2018, aqui no Brasil, foi Marielle

Três tiros na cabeça

Mártir.

Essa palavra fez algo vivo revirar dentro de mim. Não está certo.

Por que mártires? Para que? A serviço de quem?

A quem beneficia tirar o horror da morte dos nossos corpos e reduzi-los a mártires? Ser mártir justifica uma morte nossa que não tem sentido. É o puro horror daquilo que não cabe em nenhuma categorização porque não tem que caber. Tem que acabar.

Eu não quero que a gente, e só a gente, continue pagando esse preço caro demais.

E mais quantos? Ou até quando?

Por que só morrendo nossos corpos são corpos e nossa dor é ouvida?

Por que a engrenagem só gira quando morremos? Por que não dá para ouvir o que a gente diz quando vivos?

Por que que a gente precisa continuar morrendo o tempo todo para cabermos nesse discurso (ou virarmos tela preta na rede social)?

Por que a nossa palavra viva também não pode se tornar potência viva e produzir rupturas que nos mantenham, assim, vivos.

Há anos me faço perguntas difíceis demais para responder. Talvez essa seja a minha forma de poder manter alguma coisa minha viva.

Ainda resta um medo violento de quando eu vou ser a próxima, e quem vai ser o próximo depois de mim, e depois, e depois. Até não sobrar nenhum.

Eu não quero ser um mártir. Eu nos quero vivos.

 


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Luciana Gimenez: “Está rolando uma bagunça aqui na senzala, é?” todos riem…

A apresentadora divulgou um vídeo no qual chamava sua...

Não vou dar senha porque não gosto de mulheres negras

Alunas de escola pública sofrem injúria e discriminação racial...

para lembrar

A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil

Depois que você terminar de ler este texto e...

Morte e vida virgulina – Por: Cidinha da Silva

Fábio Mandingo, autor de Salvador Negro Rancor (Ciclo Contínuo,...

Luana Tolentino: Caso de Domingas ilustra bem a oposição às cotas

Domingas Mendes teve seu ingresso negada pela UFRGS, mas...

O desvio da injúria racial como suporte à intolerância no Brasil

Três Copas mundiais de futebol. Por Vera Lúcia Santana Araújo, da...
spot_imgspot_img

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...

Justiça reconhece atribuições familiares das mulheres

Saiu da Justiça de São Paulo uma tão inédita quanto bem-vinda decisão de reconhecimento de atribuições familiares das mulheres, sempre exigidas, nunca valorizadas. Um...
-+=