EUA condenam à prisão perpétua homens brancos que mataram Ahmaud Arbery

Enviado por / FonteFolha de São Paulo

Jovem negro praticava corrida em bairro de maioria branca quando foi perseguido e morto

A Justiça da Geórgia, nos Estados Unidos, condenou nesta sexta-feira (7) à prisão perpétua três homens brancos pelo assassinato de Ahmaud Arbery, homem negro que foi morto enquanto praticava corrida em um bairro de maioria branca no estado do sul dos EUA.

O caso aconteceu em fevereiro de 2020. Arbery, 25, estava desarmado e foi morto com um tiro de uma espingarda disparado por um morador, que o perseguia junto com o pai e um vizinho, na cidade de Brunswick.

Foram condenados Gregory McMichael, 65, seu filho Travis, 35, e o vizinho William “Roddie” Bryan, 52 — este, ao contrário dos dois primeiros, poderá pedir liberdade condicional depois de 30 anos, sentença mínima para homicídio segundo as leis do estado.

Travis McMichael, um dos condenados à prisão perpétua por matar jovem negro que praticava corrida em bairro branco nos EUA – Stephen B. Morton/Reuters

Na audiência em que a sentença foi dada, familiares de Arbery disseram que o jovem, que tinha 25 anos, foi morto por ser negro.

“Ele tinha a pele escura, que brilhava no sol como ouro. Tinha o cabelo encaracolado, que gostava de trançar. Tinha um nariz largo e a cor de seus olhos era cheia de melanina”, disse Jasmine, irmã da vítima. “Essas são as qualidades que fizeram esses homens presumirem que Ahmaud era um criminoso perigoso. Para mim, essas qualidades refletiam um jovem cheio de vida e energia que se parecia comigo e com as pessoas que amo.”

A defesa disse que vai recorrer.

O assassinato intensificou protestos nacionais contra o racismo e a violência policial no ano passado, depois que um vídeo do tiroteio, gravado com um celular, foi difundido. As imagens não deixavam dúvidas de que Travis McMichael havia disparado três vezes em Arbery à queima-roupa.

“Foi uma cena assustadora e realmente perturbadora”, disse o juiz Timothy Walmsley sobre o vídeo nesta sexta-feira. Segundo ele, Arbery foi “caçado, baleado e morto porque os indivíduos no tribunal fizeram justiça com as próprias mãos”.

É justamente por causa da falta de sensibilidade captada nas imagens, de acordo com a interpretação da Justiça, que os McMichaels não poderão pedir progressão de pena para a liberdade condicional em 30 anos, segundo o juiz.​

Os três homens brancos já haviam sido condenados em novembro, e agora receberam a sentença. Na ocasião, eles foram considerados culpados por homicídio, lesão corporal qualificada, cárcere privado e intenção criminosa de cometer um crime.

Os advogados dos McMichaels argumentaram que o assassinato se justificava por ter ocorrido depois que Arbery passou correndo pela garagem da família, em um bairro que havia sofrido uma onda de roubos recentes. Os acusados disseram que pensaram que o rapaz poderia estar por trás de roubos —não surgiram quaisquer evidências de crimes cometidos pela vítima durante suas frequentes corridas pelo bairro.

A argumentação da defesa se baseava em uma lei da Geórgia, agora revogada, que permitia que cidadãos prendessem suspeitos de cometer crimes. Esse argumento não foi aceito.

Pai e filho pegaram suas armas e perseguiram Arbery em uma caminhonete. Bryan, desarmado, juntou-se aos dois momentos depois. Foi ele quem gravou Travis McMichael disparando com uma espingarda à queima-roupa. Arbery não carregava nada além de suas roupas de corrida e tênis.

“Eles escolheram meu filho porque não o queriam em sua comunidade”, disse Wanda Cooper-Jones, mãe de Arbery, no tribunal nesta sexta-feira. “Quando não conseguiram assustá-lo ou intimidá-lo o suficiente, eles o mataram.”

+ sobre o tema

Condenado por corte internacional, Brasil terá de reabrir investigação e indenizar vítimas de chacinas

A Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização...

Já fui racista. Agora tenho vergonha

Quando tinha 18 anos, costumava estar irritado e errado....

Kabengele Munanga – Trajetória TV USP – parte 1 e 2

Trajetória é um programa da TV USP sobre a...

Skinhead arrependido apaga tatuagens e só quer servir a Deus

Bryon Widner é um skinhead arrependido de seus dias...

para lembrar

Gianvito Rossi empresa de sapatos é acusada de racismo contra Serena Williams

Longe das quadras por conta de sua gravidez, a...

Sociólogo registra queixa de racismo no MP estadual

  Yuri Silva, O sociólogo Josenildo Sousa, especialista...

Cidinha da Silva: Ainda, Melodia. Para sempre, Melodia!

Fui à Concha acústica para ouvir a voz de...

Quem é o dono da “piscina nazista”?

O professor, proprietário da piscina que virou notícia no...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=