Ex-refugiada de origem somali é eleita deputada estadual em Minnesota

Ilhan Omar se tornou, na terça-feira (8), a primeira americana muçulmana de origem somali a ser eleita para representar um Estado na Câmara, com uma clara vitória em Minnesota.

Do HuffPost Brasil

US-VOTE-ELECTION

Sua vitória também é vista como uma vitória nas causas progressistas e um impulso para eleger mais mulheres e representantes de minorias para cargos públicos.

Omar nasceu na Somália e passou quatro anos em um campo de refugiados no Quênia antes de imigrar para os Estados Unidos, aos 12 anos de idade. Ela contou ter ficado desapontada ao descobrir tamanha desigualdade racial, econômica e intolerância religiosa nos EUA.

“É a terra da liberdade e da justiça para todos, mas precisamos trabalhar para isso”, contou ela ao Huffington Post no mês passado. “Nossa democracia é incrível, mas é frágil. Ela aconteceu através de muitos progressos, mas precisamos continuar o progresso para torná-la, de fato, ‘justiça para todos'”.

A desigualdade nos EUA foi o que a inspirou a se envolver com a política quando era uma adolescente, ao lutar por justiça em sua comunidade e em seu estado.

Aos 34 anos, e mãe de três crianças, ela adotou uma plataforma progressista, defendendo políticas educacionais acessíveis, reforma da justiça criminal, igualdade econômica e energia limpa.

O primeiro projeto de lei submetido pela agora deputada deve ser uma proposta que exige o registro eleitoral automático a partir do momento em que os adultos completarem 18 anos ou quando emitirem uma carteira de motorista, adiantou ela ao Huffington Post.

Ela reconheceu o significado histórico da sua candidatura e os desafios que superou para ganhar o assento na Câmara.

“Muitas vezes você é estimulado a ser tudo, exceto audacioso, mas acho que isso era importante para mim, competindo como uma jovem e competindo como alguém que é muçulmana, refugiada e imigrante.”

“Acreditar na possibilidade que todas as minhas identidades ficassem em segundo plano e que minha voz como uma forte progressista iria emergir se eu fosse corajosa e acreditasse nisso – isso fez uma grande diferença para mim e para minha candidatura”, finalizou.

+ sobre o tema

A inovação política que emerge nas periferias

Resultados do 1º turno reforçam nova configuração no Folha de...

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

Black power: os negros na eleição de Salvador

Hamilton Silva, do PSOL, quer ser prefeito de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Nova pesquisa revela ‘localização exata’ do aparecimento do homem moderno

Cientistas localizaram a "terra natal" do homem moderno em...

Vitória de Obama foi acompanhada por cidadãos comuns de todo o mundo

Das minas de cobre da Zâmbia às ruas de...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=