Fabíola e Léo depois do filme do motel, por Nathalí Macedo

Léo e Fabíola foram os dois protagonistas do último grande escândalo da internet. Como esquecer a cena deplorável da moça sendo arrancada pelos cabelos do carro, pelo próprio marido, enquanto outro homem filmava a cena e a insultava?

Por Nathali Macedo, do DCM

Para Fabíola, os mais lamentáveis adjetivos: vagabunda, puta, piranha, sem caráter. E para Léo, o homem que saiu com a mulher do amigo? Apenas o estigma de amigo ‘fura-olho’, pegador, aquele que não resiste ao “instinto masculino”. “Tanta piranha, Léo!” – foi o que se ouviu na voz off do vídeo – tanta piranha e você ‘pega’ logo a mulher do seu amigo?
Léo poderia ser visto saindo com muitas ‘piranhas’ de um motel, mesmo sendo casado. Mas não com Fabíola, porque ela sim deveria ter se dado ao respeito.

Após a exposição (certamente inesperada) na rede, Fabíola enfrenta uma depressão.

Não deve ser fácil ver milhões de pessoas julgando a sua vida íntima. Não deve ser fácil saber que quem te chama de vagabunda não vive o seu casamento, não enfrenta as suas dificuldades, não dorme com você todas as noites.

Assim como ela, muitas mulheres já tiveram a vida destruída pela exposição e julgamento machista na rede: quem esqueceu da menina de Veranópolis, que se suicidou após o vazamento de fotos íntimas no WhatsApp?

Não me surpreende. O mundo – especialmente o virtual – é cruel com as mulheres.

E enquanto Fabíolas e meninas de Veranópolis entram em depressão e se suicidam por não saberem lidar com a crueldade alheia, Léo se diverte em férias com a família. Sua esposa, também traída, não o agrediu; perdoou-o, decerto.

Afinal, homem é assim mesmo.

Léo também é adúltero, mas eu não vi um comentário sequer recriminando-o por ter traído sua esposa. Ela é que provavelmente não deu conta do recado. E homem insatisfeito em casa, procura na rua – nós é que devemos segurar os nossos homens com um bom sexo. Nós precisamos perdoar e nos calar – porque, como se diz, homem é artigo de luxo.

E quem nunca presenciou um casamento de merda? Quem nunca compreendeu, talvez sentindo na pele, que divorciar-se não é tão fácil quando o mundo inteiro te convence de que você precisa de um homem?

Precisamos ter sensibilidade e uma boa dose de empatia para perceber que a vida conjugal alheia – que não nos diz respeito, ressalte-se – não é tão simples quanto escrever um insulto na internet. Que as opressões são intermináveis. Que muitos homens convencem as suas esposas, silenciosa e meticulosamente, de que elas precisam deles. De que nenhum outro homem as aceitará – porque estão velhas, porque têm filhos, porque são problemáticas. Muitas mulheres acreditam cegamente que um casamento fracassado é tudo que lhes resta – porque qualquer coisa é melhor que ficar sozinha.

Por que Fabíola não se divorciou antes de trair? Eu não sei.

Mas, já tendo presenciado mulheres tentando livrar seus maridos violentos da cadeia – presos em decorrência da Lei Maria da Penha, por exemplo – porque eles eram os provedores, financeiros ou psicológicos, da família, eu consigo imaginar.

Tendo visto mulheres lindas – e mais próximas a mim do que você, leitor, pode imaginar – se submetendo a traições, insultos e humilhações porque “não conseguiriam outro casamento” ou “não querem que seus filhos cresçam sem pai”, sim, eu posso imaginar.

A sociedade patriarcalista cultiva em cada uma de nós uma carência oportuna, necessária para que continuemos nos calando, nos contentando com o lugar que nos foi imposto. É preciso muita ousadia para afirmar-se enquanto mulher divorciada e autossuficiente sem ser vista como “coitada”. É preciso muito amor próprio – aquele mesmo amor próprio que a sociedade nos tira – para não aceitar um relacionamento opressor.

Fique à vontade para me acusar de vitimista e “defensora de vagabundas”.

Mas antes, pergunte-se: E Léo? Por que não divorciou antes de trair?

 

leia matérias: Marido de Fabíola pagará indenizações a ex-esposa e ao cunhado

 

Sobre o Autor

Colunista, autora do livro “As Mulheres que Possuo”, feminista, poetisa, aspirante a advogada e editora do portal Ingênua. Canta blues nas horas vagas.

+ sobre o tema

Mulheres negras concorrem a vaga no conselho curador da ebc

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) realiza este ano...

Crime bárbaro em SC: jovem gay sofre estupro coletivo e é tatuado à força com palavras homofóbicas

Um crime bárbaro ocorrido em Florianópolis (SC) vem mobilizando...

Por que a Globo desistiu da nudez da Globeleza? Por Nathali Macedo

Digo sempre que temos nos contentado com pouco. Ficamos felizes...

Em artigo no ‘NY Times’, Angelina Jolie desabafa após visitar campo de refugiados

Atriz escreveu artigo no jornal de NY Times, publicados...

para lembrar

Rebeca Andrade é prata no solo, e Flávia Saraiva fica com bronze

O Brasil colocou duas ginastas no pódio das finais...

A comissária de bordo rejeitada que fundou sua própria companhia aérea.

Para uma mulher de negócios sul-africana, levar mais mulheres...

Alagoas: ato unificado marca o Dia Internacional da Mulher

Mais de 30 entidades que lutam pelos direitos das...

Mulher-Maravilha promove sessão de cinema especial para público feminino e causa polêmica nos Estados Unidos

Alguns homens não gostaram da ideia de serem "excluídos!" Por Katiúscia...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=