Filme da mineira Elizabeth Martins retrata Elza Soares como símbolo do Brasil

“Bebete, quero que você veja do que sou capaz”. A fala de Elza Soares para a cineasta mineira Elizabeth Martins, depois de as duas completarem anos de proximidade em torno de um filme sobre a mítica cantora brasileira, de alguma maneira sintetiza com precisão a proposta de “My Name Is Now, Elza Soares”, que estreia em salas de cinema de BH e de outras capitais do país nesta quinta- feira (01).

por Thiago Pereira no Hoje em Dia

PAOLO GIRON:DIVULGAÇÃO

“É um filme sobre dar a volta por cima”, confirma a diretora. “Tomo Elza Soares como uma figura que carrega impregnada em si estes signos que são próprios da cultura brasileira– a mulher, o negro, a periferia, a extrema pobreza– e da capacidade do povo de se reinventar, através da criatividade”.

Como o filme captura Elza em um momento de transição de carreira, antes dos últimos discos que a apresentaram para uma nova geração, Martins comprovou a frase da protagonista.

 A cantora carioca é retratada no longa da mineira Elizabeth Martins como símbolo de força e da possibilidade de se reinventar constantemente, vencendo adversidades

“Ela é uma fênix que sobrevive a isso tudo. Fiquei para ver esse novo auge dela: ela saiu fortalecida da nau que estava vivendo”.

A citação ao pássaro que ressurge das cinzas não é gratuita, já que o tom alegórico é marca da obra: Martins filma, por meio de Elza, a evidência de um Brasil possível, apesar de adversidades mil. Nesta direção, trata-se de um documentário menos biográfico e mais analítico, um exame da nação a partir de uma deusa de nossa arte. “O filme se estabelece como fluxo, não é um documentário de perguntas e respostas. Ele trabalha esse imaginário nacional e encontra algumas respostas na biografia dela, mulher de vivência rica e atravessada por vários altos e baixos, mas sempre capaz de uma volta por cima”, diz a diretora.

Não à toa, é a própria Elza que batiza o filme. “Ela é ótima em jargões e depois de muitas conversas, pedi para resumir tudo em uma frase”, lembra a diretora. “Logo na abertura expomos isso, com ela sugerindo alguns nomes. Ficamos com ‘my name is now’, (meu nome é agora) que é uma frase que ela usa há tempos. Elza não quer falar do passado ou do futuro e o filme transita naquele agora dela, é um espelho-câmera de seus momentos”.

Projeto

O filme é também o retrato de uma relação iniciada há mais de uma década. Ainda repórter da Rede Minas, Martins viu, depois de entrevistar Elza em 2008, o personagem-síntese para investir no primeiro longa da carreira cinematográfica.

“Ela se encaixava no tipo de personagem que queria para falar de coisas que vinha fazendo nos meus curtas anteriores”, lembra. “Uma identidade brasileira. Como a própria Elza diz, fui abduzida por ela”, completa.

“My Name is Now, Elza Soares” tem estreia nesta quinta-feira em salas de cinema de sete capitais brasileiras. Em Belo Horizonte, o filme estará no Cine Belas Artes (rua Gonçalves Dias, 1.581 – Lourdes)

Assista ao trailer:

+ sobre o tema

Alemães pedem ordem de mérito a estudante morta após defender adolescentes

Alemães pedem ordem de mérito a estudante morta após...

A mulher negra que desafia o capital imobiliário

História de Carmen Silva, líder sem-teto em SP, perseguida...

Lupita é a mais bonita, mas é negra

Quando publiquei meu texto sobre Nayara Justino, a nova...

para lembrar

Casal gay de 60 e 62 anos é espancado na Tijuca, Zona Norte do Rio

O engenheiro civil Flavio Micellis, 60 anos, deu entrada...

Como a violência doméstica impacta a saúde mental

Quadros de ansiedade e depressão são comuns em mulheres...

Emancipação das mulheres, uma arma para alimentar melhor o mundo

As mulheres estão entre as principais vítimas da mudança...

O Feminismo sem carteira!

Não falamos protagonismo, não achamos que os homens devem...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=