Flip 2019 anuncia programação: Eis as 17 escritoras que estarão na festa literária

17 escritoras de diferentes partes do Brasil e do mundo estarão na Festa Literária de Paraty, que será realizada entre os dias 10 e 14 de julho.

Por Amauri Terto, Do HuffPost Brasil 

Imagem de quatro mulheres. duas negras e duas brancas.
Performances, shows, bate-papos e conferências estão previstos na 17ª edição da Flip. (Foto: HuffPost Brasil)

A Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) divulgou nesta quarta-feira (15) a programação de sua 17ª edição, que será realizada entre os dias 10 e 14 de julho, no município do litoral sul do Rio. Euclides da Cunha (1866–1909), responsável pelo clássico Os Sertões, será o autor homenageado deste ano.

No auditório da Pinacoteca de São Paulo, no centro da capital paulista, a curadora Fernanda Diamant falou sobre a escolha do escritor. ”É um autor que trata do Brasil. Ele conheceu o País inteiro até a Amazônia”, afirmou.

“Em Os Sertões, especialmente, ele faz uma retrospectiva da história do Brasil para chegar naquele momento da Revolta de Canudos. Achei que nesse momento que estamos está vivendo seria perfeito falar sobre tudo isso.”

A programação principal da Flip 2019 terá 33 escritores – sendo 17 mulheres – de 10 nacionalidades diferentes. Serão 21 mesas com formatos distintos, incluindo conferência, entrevista e performance artística.

Os títulos das mesas fazem referência a pontos geográficos e elementos de Os Sertões, que nasceu nas páginas do jornal Província de São Paulo, antigo nome do Estadão. Depois de cobrir a Guerra de Canudos (1896-1897), Euclides da Cunha transformou sua experiência em livro, lançado originalmente em 1902.

A seguir, o HuffPost apresenta as 17 mulheres que integram a programação principal da Flip 2019. Os ingressos para as mesas literárias no Auditório da Matriz custarão R$ 55 (inteira). As vendas começam no próximo dia 3 de junho.

Walnice Nogueira Galvão

Walnice Nogueira Galvão- mulher branca, por volta da meia idade, vestindo uma camiseta preta lisa- olhando para a esquerda.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Walnice Nogueira Galvão é ensaísta, uma das principais críticas literárias do País e também especialista na obra de Euclides da Cunha. Ela fará a conferência de abertura, uma combinação de aula sobre o autor homenageado e retrospectiva da trajetória de 50 anos da paulistana no campo da pesquisa.

Mesa 1: Canudos –  Quarta (10), às 19h 

Aparecida Vilaça

Aparecida Vilaça- mulher branca, de cabelo liso preto, usando um chapel marrom e cachecol beje- encostada em uma parede e sorrindo.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Doutora em antropologia social e professora do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aparecida Vilaça falará sobre sua trajetória, a atuação no Museu Nacional – destruído por um incêndio em setembro de 2018 -, além da experiência particular junto aos indígenas Wari’.

Mesa 2: Bendegó – Quinta (11), às 10h30

Adriana Calcanhotto

Adriana Calcanhotto- mulher branca, de cabelo curto e preto, envolta de uma manta vermelha - olhando para frente
(Foto: DIVULGAÇÃO/LEO AVERSA)

A cantora, compositora e escritora Adriana Calcanhotto participará de uma mesa musicada junto com Guilherme Wisnik e Nuno Grande, que deve discutir arquitetura, urbanismo, literatura e música. O encontro será uma recriação da experiência que os três promoveram em uma recente exposição em Portugal.

Mesa 3: Uauá – Quinta (11), às 12h 

Kristen Roupenian

Foto em preto e branco de Kristen Roupenian- mulher branca de cabelo curto, vestindo camiseta preta- sentada dando um ligeiro sorriso.
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

A americana Kristen Roupenian é a autora estreante de Cat Person e Outros Contos, livro que surgiu a partir de Cat Person, texto publicado pela revista New Yorker e que viralizou em 2017. Ela participa junto com Sheila Heti de uma mesa que discutirá a maneira como as mulheres têm sido representadas na escrita.

Mesa 5: Bom Conselho – Quinta (11), às 17h 

Sheila Heti

Sheila Heti- mulher branca, de cabelo loiro e na altura dos ombros, vestindo um terninho marrom- sentada.
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

Com formação em história da arte e filosofia pela Universidade de Toronto, a canadense Sheila Heti já publicou obras de ficção e não ficção, traduzidos para 21 línguas. Seu livro mais recente chama-se Maternidade, e traz uma narrativa peculiar que combina ficção, ensaio e autobiografia.

Mesa 5: Bom Conselho – Quinta (11), às 17h

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat- mulher branca, idosa, de cabelos grisalhos, vestindo um cachecol azul- fazendo pose com a mão no ombro.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Inglesa naturalizada brasileira, a fotógrafa Maureen Bisilliat revisitará sua extensa carreira marcada por registros de regiões agrestes e dos povos do Xingu. Ela é autora do livro Sertões: Luz e Trevas (1982), obra que combina trechos de Os Sertões, de Euclides da Cunha, e fotografias do Nordeste.

Mesa 6: Serra Grande – Quinta (11), às 19h

Marcela Cananéa

 Marcela Cananéa- mulher parda e cabelo cacheado- sentada olhando para a esquerda enquanto fala no microfone.
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

Nascida em Paraty e com formação em educação do campo pela Universidade Federal Rual do Rio de Janeiro (UFRRJ), Marcela Cananéa é militante do Fórum de Comunidades Tradicionais. Ela participará de uma mesa com Marcelo D’Salete, quadrinista paulistano cuja obras aborda a cultura afro-brasileira.

Mesa 8: Cumbe – Sexta (12), às 10h

Ayọ̀bámi Adébáyọ̀

Ayòbámi Adébáyò- mulher negra, com tranças, vestindo um vestido verde escuro- apoiada em uma parede branca e sorrindo.
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

A nigeriana Ayòbámi Adébáyò é mestre em escrita criativa pela Universidade de East Anglia, na Inglaterra. Em Fique Comigo, seu livro de estreia, ela aborda questões como patriarcalismo, poligamia e conflitos relacionados à gravidez. A autora participará de uma mesa com a israelense Ayelet Gundar-Goshen.

Mesa 9: Angico – Sexta (12), às 12h

Ayelet Gundar-Goshen

Foto em preto e branco de Ayelet Gundar-Goshen- mulher branca de cabelo curto- olhando para frente.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Em seu romance de estreia, Uma Noite, Markovitch, Ayelet conta a história de um grupo de jovens que vai da Palestina até a Europa sob comando nazista para resgatar mulheres judias por meio de casamentos falsos. Junto com Ayòbámi, a autora discutirá o papel da mulher em sociedades mais tradicionais.

Mesa 9: Angico – Sexta (12), às 12h

Karina Sainz Borgo

Foto em preto e branco de Karina Sainz Borgo- mulher branca, de cabelo curto e loiro, vestindo regata de cor escura- sentada olhando para frente.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Nascida na Venezuela e residente na Espanha, Karina Sainz Borgo é escritora e jornalista cultural. Seu primeiro romance é o best-seller Noite em Caracas, lançado após dois livros de crônicas. Ela participará de uma mesa com o escritor e curador carioca Miguel Del Castillo – cujo tema central será o luto.

Mesa 11: Jeremoabo – Sexta (12), às 17h

Grada Kilomba

Grada Kilomba- mulher negra, de tranças e com flores na cabeça, vestindo camiseta preta com listras vermelhas- com as mão para cima.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

A intelectual portuguesa Grada Kilomba é militante do feminismo negro, psicóloga e artista interdisciplinar. Em sua mesa, ela apresentará performances e videoinstalações que propõem a descolonização do pensamento e também discutirá questões em torno da relação existente entre racismo e linguagem.

Mesa 12: Mata da Corda – Sexta (12), às 19h

Marilene Felinto

Marilene Felinto- mulher parda, de cabelo curto e cacheado- olhando para frente.
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Nascida em Recife e residente em São Paulo, Marilene Felinto é escritora e crítica há mais de 10 anos distante da imprensa. Na Flip, ela discorrerá sobre sua obra, que toca em questões de gênero e raça e lerá trechos de seus livros – incluindo As Mulheres de Tijucopapo, ganhador do prêmio Jabuti em 1982.

Mesa 14: Cansanção – Sábado (13), às 10h30

Grace Passô

Grace Passê- mulher negra, de cabelo curto e crespo, vestindo moletom azul marinho- olhando para frente
(Foto: DIVULGAÇÃO/FLIP)

Mineira de Belo Horizonte, Grace Passê é atriz, dramaturga e diretora (premiada em todas essas instâncias). A participação dela na Flip será divida em duas partes: uma performance seguida de um bate-papo sobre a carreira da artista – que propõe reflexões sobre a relação entre corpo e linguagem.

Mesa 16: Poço de Cima – Sábado (13), às 15h30

Carmen Maria Machado

Carmen Maria Machado- mulher branca de cabelo amarrado, usando óculos de grau, usando um terninho preto- sentada olhando para frente
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

A americana Carmen Maria Machado subverte gêneros literários. Em seus textos há manipulação de contos, listas, sinopses, entre outros. Ela é autora do premiado O Corpo Dela e Outras Farras, no qual narra de forma singular as experiências de uma mulher. Ela participará de uma mesa com Jarid Arraes.

Mesa 17: Vila Nova da Rainha – Sábado (13), às 17h

Jarid Arraes

Jarid Arraes- mulher parda de cabelo cacheado, usando óculos de grau- sentada com a mão no queixo, olhando para frente
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

Jarid nasceu no Ceará e hoje mora em São Paulo. Primeira cordelista de uma família com tradição no gênero literário, ela é também poeta e lança na Flip seu primeiro livro de contos, Redemoinho em Dia Quente. Na mesa com Carmen, a escritora deve abordar temas como raça, origem e deslocamento.

Mesa 17: Vila Nova da Rainha – Sábado (13), às 17h

Cristina Serra

Cristina Serra-,mulher branca de cabelo liso, vestindo uma camiseta azul escuro, sorrindo
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

O jornalista paraense publicou em 2018 seu livro de estreia, Tragédia em Mariana: A História do Maior Desastres Ambiental do Brasil, resultado de uma série de reportagens para o Fantástico. Cristina dividirá uma mesa com David Wallace-Wells, jornalista americano com produção sobre o aquecimento global.

Mesa 19: Cocorobó – Sábado (13), às 20h30

Mariana Enriquez

Mariana Enriquez- mulher branca de cabelo ondulado na altura dos ombros, vestindo camiseta preta- olhando para frente
(Foto:DIVULGAÇÃO/FLIP)

Ficção científica, terror e zonas periféricas se combinam na obra da autora argentina Mariana Enriquez. Este é o Mar é seu titulo mais recente, e chega agora ao Brasil pela Intrínseca. Na Flip, a autora participará de uma mesa com o escritor, dramaturgo e pesquisador paraibano Braulio Tavares.

Mesa 20: Santo Antônio da Glória – Sábado, às 10h30

Informações completas sobre a programação estão disponíveis no site oficial.

+ sobre o tema

“Não quer ser estuprada? Não ande de Rolex na favela”

Um dos muitos artigos reaças escritos sobre a pesquisa...

Prêmio Mulheres Negras Contam sua História terá novas edições

A continuidade da ação foi anunciada pela ministra de...

Procurador defende ‘obrigação sexual’ de mulheres e é alvo de representações no MP Federal

Duas representações enviadas à Corregedoria do Ministério Público Federal questionam mensagens...

para lembrar

Europa: cresce o tráfico de mulheres

Estudo sugere que prostituição forçada avançou 50% em cinco...

Marcha das Vadias mulheres contra a violência sexual

Ação foi contra a ideia de culpar as mulheres...

Lupita Nyong’o faz importante doação a estudantes

Lupita Nyong’o decidiu fazer uma boa ação na noite de...

Enedina Alves Marques: conheça a primeira engenheira negra do Brasil

Filha de um lavrador e uma empregada doméstica, Enedina...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=