Jovem de black power é ironizada na web: “Não abaixo cabeça para racista”

Milleni foi fotografada por desconhecido quando voltava para casa no Rio.
Modelo de 21 anos diz que processará agressor e que preconceito é diário

por Gabriel Barreira no  G1

A modelo, cantora e dançarina Milleni Bezerra Moreira, de 21 anos, voltava para casa, na Taquara, Zona Oeste do Rio, após um dia aparentemente normal de trabalho. Era final da tarde de quarta-feira (8), mas ainda naquela noite ela seria surpreendida: uma pessoa desconhecida tirou uma foto sua no ônibus, a ridicularizou nas redes sociais e a postagem viralizou. “Nunca vi um smurf com black power”, escreveu o agressor. Milleni é negra e se sentiu profundamente ofendida.

smurf racismo

A web se dividiu. Enquanto algumas pessoas compartilharam a imagem achando graça, outros tantos se revoltaram. Já nesta quinta (9), Milleni desabafou. “Não abaixo cabeça para racista”, escreveu. Em meio aos comentários, um subiu o tom e escreveu que poderia ser engraçado ver aquele cabelo pegando fogo. Para Milleni, o racismo fica ainda mais “escancarado” neste caso.

Ao G1, ela diz que sofre preconceito diariamente — não só por causa da cor do cabelo, mas principalmente pela cor da raça.

“A questão não é o cabelo colorido, é ser black power. Com certeza uma branca de cabelo colorido não sofreria isso, seria uma “sereia linda”. Quando eu era vendedora de uma loja alternativa minha gerente pediu para eu mudar o cabelo porque chamava atenção de uma ‘forma negativa'”, revela. “Acho que é muito fácil dizer que a pessoa está se fazendo de vítima quando não é você quem está sofrendo. Vou esperar colocarem fogo no meu cabelo?”, completou.

Para descobrir quem era o autor da agressão — já que seu nome havia sido borrado nas postagens — ela fez contato com uma das pessoas que também se sentiu ofendida com a “brincadeira” e entrou em contato com a modelo. Após descobrir o nome do agressor, ela prometeu recorrer à Justiça para ser reparada.

“Dei print e vou levar na delegacia. Ele [o agressor] até me mandou mensagem, mas não respondi. Vou processá-lo por racismo. Outra pessoa veio me pedir perdão, mas teve gente também que veio me ofender mais ainda”, conta.

+ sobre o tema

Dez mil alemães realizam manifestação contra neonazistas

Manifestantes se fantasiam com roupas que lembram os uniformes...

Vítima em operação da PM, filho de Tati Quebra Barraco é sepultado no Rio

Organizações de direitos humanos e antirracis Adicionar novotas divulgaram notas...

Doação de grupo neonazista para catedral de Milão gera polêmica

A participação da associação cultural Lealtà Azione, vinculada...

para lembrar

‘Guerrilha’ contra racismo toma o Teatro Municipal de São Paulo

Atores que participariam de ‘Exhibit B’ fizeram performance que...

Grécia: Apesar de protestos, governo intensifica racismo policial

Cartazes de extrema direita estão sendo pichados; uma...

CNJ acorda para o descalabro das prisões por reconhecimento errado

Não se sabe o número total, mas o noticiário...

A arte imita a vida ou a vida imita a arte?

No Brasil, existe um expressivo contraste entre a cor...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=