JUSTIÇA DO AMAZONAS MANDA PRENDER PREFEITO DE COARI

Prefeito de Coari, Adail Pinheiro (PRP) é acusado de abusar sexualmente de meninas e formação de quadrilha; Justiça atendeu a um pedido do Ministério Público do Amazonas; segundo o procurador-geral de Justiça, Francisco Cruz, a prisão preventiva do prefeito e dos outros suspeitos é necessária para “garantir a ordem pública, evitar que novas vítimas sejam molestadas e que testemunhas sejam ameaçadas”.

 

O desembargador Djalma Martins da Costa, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), determinou hoje (7) a prisão do prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro (PRP), e de mais cinco pessoas. Pinheiro é acusado de abusar sexualmente de meninas e formação de quadrilha.

O magistrado atendeu a um pedido do Ministério Público do Amazonas (MP-AM). Segundo o procurador-geral de Justiça, Francisco Cruz, a prisão preventiva do prefeito e dos outros suspeitos é necessária para “garantir a ordem pública, evitar que novas vítimas sejam molestadas e que testemunhas sejam ameaçadas”.

Ainda segundo o procurador-geral, a denúncia resultou em um documento de 48 páginas, “fruto de um trabalho minucioso” elaborado a partir das investigações iniciadas em julho de 2013. “Entendemos que o que estamos fazendo é o melhor para a sociedade. Existem elementos concretos para a ação penal e, a partir de agora, cabe ao Tribunal de Justiça dar prosseguimento ao caso”, acrescentou Cruz.

O prefeito é réu em pelo menos 70 processos que tramitam na Justiça do Amazonas. Apesar da gravidade de algumas das acusações, os processos estão parados à espera de julgamento, suscitando a hipótese dele estar sendo beneficiado por juízes. Em 2006, a Polícia Federal passou a investigá-lo devido a indícios de desvio de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

As denúncias de pedofilia começaram a aparecer no decurso dessas investigações em escutas telefônicas judicialmente autorizadas. As investigações culminaram na chamada Operação Vorax, cujo relatório foi divulgado em 2008. Desse relatório resultou a prisão de Pinheiro, em 2009. Em agosto de 2013, Pinheiro chegou a prestar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, da Câmara dos Deputados.

 

 

Fonte: Brasil 247

 

Caso Coari: infância assassinada pela lógica do consumo de sexo de meninas

+ sobre o tema

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....

Denunciar para quem? A invisibilização de mulheres faveladas no círculo de proteção da lei Maria da Penha

Resumo: Pretende-se nesse artigo abordar a situação da mulher favelada,...

A identidade, as experiências negras e a alma que sangra

A "cauterização das experiências negras" acontece quando abrem uma...

para lembrar

Homem é condenado por infectar mulheres com HIV no Rio

A Justiça do Rio condenou Renato Peixoto Leal Filho...

Agressão não! Atriz faz vídeo sobre relacionamento abusivo

Evelyn Félix, de 19 anos, compartilhou o vídeo em...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...
spot_imgspot_img

‘Meu filho é órfão de mãe viva’: veja relatos de 5 mulheres acusadas de alienação parental após denunciar homens por violência ou abuso

Cristiane foi obrigada a ficar sem contato com a filha e entregá-la ao pai por 90 dias. Isabela* foi ameaçada pelo companheiro. Jéssica* e...

Pornografia infantil não é ficção

Hélio Schwartsman ("Ficção ou realidade?", 7/2) defendeu neste espaço a seguinte "solução" para "transformar a pornografia infantil em crime sem vítima": inteligência artificial (IA). A coluna reage a um...

Exploração sexual infantil na internet bate recorde em 2023

As denúncias da presença de imagens de abuso e exploração sexual infantil na internet bateram recorde em 2023 – resultado é o maior da...
-+=