sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioQuestão RacialViolência Racial e PolicialLucas pediu ao PM: “Não precisa me matar, senhor”

Lucas pediu ao PM: “Não precisa me matar, senhor”

O Estado, os governos, os políticos e a polícia, o que esperar deles? Cumprimento das leis constitucionais? Preocupação com o bem comum? Respeito aos direitos humanos? Ou, ao contrário, o incentivo, a conivência e a prática de crimes? Pois continuam, como há 515 anos, fazendo do povo negro e periférico, alvo de sua violência e covardia, bem como registra abaixo a /PONTE.

Por Douglas Belchior Do Negro Belchior

“Antes de matar ele, o cara segurou no cangote dele [de Lucas], ele falou para não matar ele e ele matou. Ele pegou ajoelhou, algemado, [disse] não precisa me matar, senhor….”

Dois garotos que  jogavam bola com Lucas Custódio, 16 anos, minutos antes de ele ser assassinado por PMs na tarde de quarta-feira, no Grajaú, contradizem a versão dos policiais sobre o crime. João e Hélio (nomes fictícios) disseram que viram quando os policiais dominaram Lucas, que estava desarmado, e que o levaram algemado para o matagal atrás da favela Sucupira, onde foi assassinado com dois tiros pelos PMs. Segundo as testemunhas, Lucas pediu para não ser morto.

“Antes de matar ele, o cara segurou no cangote dele [de Lucas], ele falou para não matar ele e ele matou. Ele pegou ajoelhou, algemado, [disse] não precisa me matar, senhor….”, contaram os garotos. Eles fizeram a denúncia à reportagem da Ponte durante o enterro do jovem, realizado no Cemitério Jardim São Luiz, nesta sexta-feira, 29/05.

YouTube video

Na versão do tenente Flávio Augusto Godoy e do cabo Aparecido Domingues Vieira, ambos do 27o. Batalhão da Polícia Militar (BPM),ao perceber a presença de policiais, Lucas fugiu em direção a um matagal. Lá ele teria atirado contra os policiais, que revidaram, atingindo-o com dois tiros.

O caso aconteceu às 14h25, mas os PMs demoraram 5 horas para comunicar a morte às autoridades da Polícia Civil. A família de Lucas, chegou ao DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoa) antes mesmo dos policiais. Segundo, Robson Gomes, irmão de Lucas e pastor da Igreja Universal, os policiais acusaram o adolescente de ter roubado um carro. “Mas Lucas não sabia dirigir”, contou Pastor Robson.

Vídeo

O ouvidor das polícias de São Paulo, Julio Cesar Neves, disse que o fato precisa ser rigorosamente apurado e que vai pedir que o Ministério Público entre no caso.

Se você não sair agora, vou dar um tiro bem na sua barriga, matar você e seu filho

Quatro moradores da Favela Sucupira, onde a PM matou a tiros Lucas Custódio, 16 anos, relatam terem sido ameaçados e espancados por policiais logo após o crime

Moradores da favela Sucupira, no Grajaú, onde Lucas Custódio, 16 anos, negro, morto a tiros por policiais militares, na tarde do dia 27/05, relatam que foram perseguidos, ameaçados e espancados por PMs após o crime. Muitos contam que se trancaram em casa, outros não escaparam. A reportagem da Ponte gravou em vídeo relato de quatro pessoas agredidas, entre elas uma grávida e um menino de 13 anos.

YouTube video

“A gente estava xingando, aí o policial chegou e falou assim: ‘sai do meio, sai do meio’, eu peguei e falei: ‘eu não vou sair’, ele falou: ‘sai, se não vou atirar’… Aí ele disse: ‘se você não sair agora vou dar um tiro bem sua barriga, vou matar você e seu filho’”.

“Eles me pegaram na viela, nos estava jogando bola, já vieram me batendo, falando um monte de coisa da minha mãe, falando que eu ia morrer…Aí começaram a me encher de soco e me amarram com um enforca gato [braçadeira plástica] e falaram para mim sentar, mas se eu sentasse ia quebrar minha mão toda, porque eles enforcaram até o último, eu estava quase até desmaiando. Eu falei que tinha 13 anos, ele falou: cala boca, eu não quero nem saber”.

YouTube video

C. , 47 anos, moradora

“Eu subindo a rua, um policial olhou pra mim e falou ‘o que você tá olhando?’. Eu falei ‘nada, eu só tô te olhando’. Ele olhou pra mim e falou da seguinte forma: pra não ficar olhando pra ele porque ele é bonito, mas que se eu quisesse dar pra ele, eu dava depois…E veio um policial pelas minhas costas e me deu uma bicuda. Aí um outro policial me agarrou e tentou me levar pra dentro do beco pra continuar me batendo, mas eu continuei brigando com o policial, me arrastando para a rua, enquanto eles tentavam me arrastar pra dentro do beco.”

Qualquer pessoa que chega aqui eles agride. Pegou o menino ali …Pega os moradores e leva lá para baixo para bater, para espancar o pobre das crianças. O menino que acabou de chegar da igreja também foi apanhado. O outro também foi pegado lá embaixo para bater. Isso é abuso de poder, gente.

Leia Também

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench