Luta por terra é apontada entre violências contra negras no Brasil

Isabela da Cruz cresceu no Quilombo Invernada Paiol de Telha, no Paraná. Aos 26 anos, ela tem a vida marcada pela disputa de terra. Como outras mais de 1,5 mil comunidades, que estão em processo de regularização pelo Incra, o Quilombo Paiol de Telha, que tem mais de 200 anos, ainda não foi demarcado.

Por Eliane Gonçalves, da EBC 

No dossiê entregue à Corte Interamericana de Direitos Humanos, a luta pela terra é apontada como uma das violências que afetam a vida das mulheres negras no Brasil.

 

Em 2014, o orçamento para regularização de quilombos somava R$ 30,5 milhões. Para 2017, a previsão é de que chegue a R$ 4 milhões.

+ sobre o tema

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Lançada cartilha sobre racismo no futebol

Preconceito, Discriminação Racial e Racismo no Futebol No segundo dia...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Marcelo Paixão – O sexo e a cor da desigualdade

Nos últimos anos, ocorreram reduções nas desigualdades raciais em...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=