Crime e castigo para os homens extraordinários de vídeo da Copa da Rússia

Resumir uma mulher a sua genitália é coisa de quem tem certeza de sua posição enquanto ser especial

por Renata Izaal no O Globo

Torcedores brasileiros e costa-riquenhos assistem ao jogo em São Petersburgo durante a primeira fase da Copa. No Brasil, grupos organizados defendem a paz e o respeito em competições – Alexandre Cassiano / Agência O Globo

Rodion Romanovitch Raskólnikov, personagem central do clássico “Crime e castigo”, de Dostoiévski, tinha uma tese: na vida, existem pessoas ordinárias, condenadas a uma existência comum dentro das regras da sociedade, e extraordinárias, que transgridem as normas sociais sem sentir culpa nenhuma e, com sorte, realizam grandes feitos.

Os cinco brasileiros que assediam uma mulher russa no vídeo carregado de machismo, misoginia e racismo que roubou do futebol o protagonismo desta Copa certamente se julgam extraordinários.

E eles não estão sós. Fazem parte de uma parcela da elite brasileira — homens, brancos, heteronormativos e com recursos para acompanhar uma Copa do Mundo no exterior — que tem certeza do caráter extraordinário de sua existência. Seus grandes feitos não existem. Ao contrário, humilham, assediam, subjugam e dominam recorrendo a todo tipo de violência: simbólica, verbal e física. Um mínimo sentido de responsabilidade? Também não existe. Centrados em seus umbigos extraordinários, os “pais de família” recusam-se a entender o impacto de suas ações ou a se desculpar seriamente por elas. Basta dizer que foi tudo uma brincadeira feita sob o efeito do álcool. Eis o discurso da elite do atraso.

Em “Orientalismo”, marco inicial dos Estudos Pós-Coloniais, o teórico palestino Edward Said (1935-2003) analisa as ferramentas que foram necessárias para justificar a dominação colonial dos grandes impérios europeus sobre vastas áreas do Oriente. Resumidamente, da geografia à política, passando pela literatura e pelas artes plásticas, todo um discurso foi construído pela Europa de modo a afirmar sua superioridade em oposição à inferioridade quase infantil dos povos conquistados.

Mais antiga do que qualquer expansão imperialista, a dominação masculina ocorre da mesma maneira que a dominação colonial. As ideias de “sexo frágil” e do corpo feminino como um território passível de exploração — profundamente gravadas em nossas estruturas sociais — permitiram que as mulheres fossem colocadas, não sem reação, sob a tutela violenta do patriarcado.

MEDO DO ‘OUTRO’

No Brasil, cuja elite se esmera em reproduzir os mecanismos de controle dos países centrais, coronéis, empresários e políticos corruptos, senhores da casa grande e violadores de todos os tipos sempre consideraram o corpo feminino como disponível para o seu gozo — mais ou menos como os lordes na corte da rainha Vitória entendiam que as riquezas das colônias eram suas para explorar. Resumir, portanto, uma mulher a sua genitália, divertir-se com isso, e ainda tornar o ato público é coisa de quem tem certeza de sua posição enquanto ser extraordinário.

Mas tanto o machismo quanto o colonialismo escondem um fator: o medo do encontro com o “outro”, seja ele o Império Otomano às portas de Viena ou mulheres ocupando espaços além dos que lhe foram designados pelo patriarcado. A virilidade, escreveu o francês Pierre Bourdieu (1930-2002), “é construída diante dos outros homens, para os outros homens e contra a feminilidade, por uma espécie de medo do feminino”.

O machismo tão claramente demonstrado no vídeo representa nada mais do que o medo profundo que essa elite — não custa repetir: branca, heteronormativa e com recursos financeiros e políticos — tem de perder poder e controle sobre o modus operandi da sociedade. Em outras palavras, de precisar assumir que, afinal, somos todos seres ordinários.

Em “Crime e castigo”, um atormentado Raskólnikov precisa lidar com seus medos, confessar seus crimes e pagar por eles. Seu fim aparentemente trágico é, na verdade, o começo de uma nova etapa. Tomara que a vida imite Dostoiévski.

+ sobre o tema

Sabrina Vechi, a mais nova vítima de feminicídio no Brasil

Feminicídio: Sabrina Vechi foi assassinada pelo marido no dia...

Caciques políticos discriminam mulheres nas eleições

De acordo com levantamento realizado pelo demógrafo José Eustáquio...

Não estuprem uma mulher duas vezes

Enquanto estávamos distraídos com a Copa do Mundo na...

para lembrar

Estudantes criam sutiã elétrico contra estupro na Índia

O terrível estupro coletivo e assassinato de uma estudante em Nova...

Suécia cria pronome de gênero neutro, para além do ‘ele’ e ‘ela’

Expressão ‘hen’ integrará novo dicionário oficial, atualizado a cada...

Meninas negras feitas escravas domésticas e sexuais na região central do Brasil

Quando lembramos que o fim da escravidão –  há...

Érica Malunguinho: “Trans têm mais a oferecer do que apenas pautas LGBTs”

Dois anos depois de dar a Érica Malunguinho (PSOL)...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=