Madu é presa após dar sinal de desembarque em ônibus que seria incendiado

A cantora, compositora e estudante de música, Marcella Eduarda Januária Carvalho, conhecida como Madu, de 18 anos, foi presa na madrugada da última terça-feira (14) após o ônibus em que estava ter sido incendiado por um grupo de criminosos.

Por Rafael D’Oliveira, do BHAZ

De acordo com o registro da ocorrência, a jovem estava no coletivo 342, quando, na altura do bairro Castanheiras, no Barreiro, ela deu sinal para desembarcar. A estudante é moradora da Ocupação Eliana Silva, na mesma região de BH.

Nesse momento, dois indivíduos que estavam no ponto de embarque abordaram o veículo e anunciaram que iriam incendiar o ônibus como uma retaliação às condições precárias do presídio São Joaquim de Bicas II.

A cantora fugiu do local, porém, foi presa próxima da região e acusada de envolvimento com o caso. A jovem foi encaminhada para a delegacia junto com os suspeitos do crime que também foram presos.

De acordo com a mãe da estudante, Sílvia Januária, 41, ela ficou sabendo da prisão da filha por meio de uma policial que não quis se identificar. “Ela não voltou para casa e achávamos que ela havia dormido na casa de alguma amiga. Foi quando recebemos a ligação de uma agente, informando que a Marcella estava na delegacia sendo presa injustamente”, conta.

A mãe conta que a Madu não pôde ligar pois estava com o celular sem bateria e que, além disso, os policiais envolvidos na ocorrência não deixaram que ele usasse o telefone da delegacia para contatar os pais.

A família procurou auxílio e, na tarde desta quinta-feira, foi realizada uma audiência de custódia para debater o caso. Porém, a jovem não foi apresentada para entrevista pessoal com o juiz.

“A Marcella está sendo acusada de um crime que não cometeu, por uma visão distorcida, preconceituosa e racista da PM. Além disso, o sistema prisional não se comprometeu a trazê-la na audiência, contrariando as indicações dos Direitos Humanos”, diz Thales Viote, advogado da cantora e representante da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Mesmo que a Madu nunca tenha sido presa e com as atividades de estudante e artista comprovadas, o Poder Judiciário determinou que ela só poderia ser libertada mediante pagamento de fiança de um salário mínimo, uso de tornozeleira eletrônica e recolhimento domiciliar.

Grupos sociais se organizaram pela internet e conseguiram pagar a fiança de Marcella. Ela deve ser libertada até este sábado (18). Os advogados ainda tentam o recurso de Habeas Corpus para revogar as medidas de tornozeleira eletrônica e recolhimento domiciliar.

Polícia Militar

Em nota, a polícia se posicionou em relação ao fato. “A Polícia Militar fez a condução de várias pessoas no evento citado, na questão tratava-se de queima de ônibus. A PM, operadora do estado de flagrância, conduz as pessoas de acordo com os elementos possíveis que o cenário oferta aos militares que se encontram na ocorrência. Na ocasião, na visão dos militares, havia elementos suficientes para a condução dos envolvidos à deliberação da polícia investigatória. Aos envolvidos foi garantida a incolumidade física, bem como todos os direitos constitucionais. Demais informações do processo de persecução criminal devem ser percebidos com a polícia judiciária”.

+ sobre o tema

Representatividade é para já

Como publicitária, me sinto particularmente afrontada com a lógica...

A inadequação linguística de Carolina Maria de Jesus

Uma professora famosa de Literaturas de uma universidade famosa...

Papa Francisco pede nova atitude da Igreja com os filhos de homossexuais

Roma - O papa Francisco pediu à Igreja católica para...

para lembrar

Estupros aumentam 11,5% em São Paulo foram registrados 944 casos em Janeiro

Segundo dados da Secretaria da Segurança Pública, em janeiro...

6 filmes para entender por que a prostituição infantil é um problema no Brasil

Por Stephanie Ribeiro Do Brasil Post Recentemente, na minha conta pessoal...

Instituto Marielle Franco anuncia concurso de ensaios feministas

O Instituto Marielle Franco divulgou, na terça-feira 21, o...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=