Racismo à brasileira já estabeleceu suas regras e impôs seus limites

A morte da menina Fernanda Adriana Pinheiro, de 7 anos, na Maré, assim como as mortes do menino Eduardo no Alemão e tantas outras crianças, adolescentes e adultos mortos no estado do Rio de Janeiro, não são resultado somente da política fracassada de Segurança Pública adotada até o presente momento.

Por Mônica Francisco, do Jornal do Brasil 

O Racismo Institucional estruturante das ações que resultam em verdadeiras catástrofes e tragédias como estas, e que vai por conta deste mesmo racismo, não traduzir para a sociedade de modo geral estas ações como inconcebíveis em um outro ambiente que não seja o habitado por pessoas negras e pobres.

A responsabilidade de um cenário cada vez mais nebuloso para o futuro de milhares de crianças como as citadas neste artigo, e da população habitante nas favelas e periferias do estado e também do Brasil, de modo geral, também é da sociedade que desumaniza o seu outro, o seu diferente.

A falta de empatia da classe média branca brasileira, privilegiada pela descendência européia estimulada com políticas públicas de imigração, e incentivos fiscais do Estado Brasileiro para diminuírem a miscigenação e fomentar o embranquecimento dos futuros cidadãos e cidadãs, amplifica o fenômeno da guerra aos pobres e o eleva ao status de genocídio.

Não há outra palavra para a morte de mais de cinquenta mil pessoas de um mesmo grupo étnico (negros e pardos), da mesma faixa etária (14-29), e sobretudo, com as mesmas características de ocupação do espaço das cidades (favelas e periferias), da mesma classe social (C,D,E) e compartilham o mesmo gênero (masculino).

Ou seja, percebe-se um desejo de aniquilamento da possibilidade de futuro e continuidade deste grupo. O racismo à brasileira não precisou e nunca precisará de placas, de leis explicitamente redigidas a cerca de.

O racismo à brasileira já estabeleceu suas regras e já impôs seus limites. Aboliu-se a escravidão, mas os servidores da casta dominante preparam a reparação de seus senhores ressentidos, com a Reforma da Previdência e em seguida a Reforma Trabalhista.

Enfim, o slogan é a arte visual da propaganda oficial do governo federal, amplamente divulgado em todos os veículos de comunicação, nos alertam que de fato nunca fomos um país de todos e todas. Que pena, seríamos imbatíveis!

* Colunista, Pesquisadora, Consultora na ONG Asplande e Membro da Rede de Instituições do Borel

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

Vídeo flagra agressão de PM a estudante negro da USP

Uma estudante de pós-graduação da Universidade de São Paulo...

Piracicaba – Violência da PM em ações na periferia gera revolta

No início da noite da última sexta-feira, dia 10...

Rota mata dois suspeitos em 1 hora Após sumiço de jovens, fogo e tumulto

Moradores queimaram ônibus em Guarulhos para protestar contra o...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Parentes de vítimas do “Massacre de Paraisópolis” pedem justiça

Familiares dos jovens assassinados no caso que ficou conhecido como Massacre de Paraisópolis realizaram nesta sexta-feira (1°) um ato para lembrar o aniversário de quatro anos...
-+=