Marco Aurélio Mello, de Montreal: As relações entre Américas, África e Ásia na abertura do FSM

Definitivamente o mundo está menor. Bastou um ponto de WiFi e outro de carga de bateria e pronto, há vida inteligente no planeta. Na abertura do Fórum Social Mundial (FSM) de Montreal, a Praça das Artes estava tomada por shows e discursos, não necessariamente nesta ordem.

Por Marco Aurélio Mello Do Viomundo

A fauna é variada. Vai de canadenses que não se conformam de, em pleno século XXI, protestar em defesa do meio ambiente ao direito das mulheres de terem a posse da terra na base do vulcão Kilimanjaro. Todos temas relevantes localmente e que somados dão a exata dimensão de como nosso planeta ainda é primitivo!

É contraditório um país como o Canadá reunir esta turma. Aqui, aparentemente há todas as condições de estado de bem estar social. Os ônibus circulam no horário, o metrô está integrado, há ciclovias por todo o lado e no verão vai todo mundo pra rua se divertir.

A contradição está na disposição em dar voz aos que não têm muitas vezes sequer o mínimo para sobreviver. Para nós estrangeiros é como se estivéssemos num sonho encantado, numa ilha de prosperidade. E, a propósito, fora Temer!

img-20160809-185543198-001

Mais cedo, as pessoas caminhavam pelo Gay Village, bairro que fica a uma estação de metrô de onde estou hospedado. No último domingo houve a parada LGBT. A região está toda decorada. Há turistas do mundo todo que vieram especialmente para a festa.

img-20160809-120619283-002

Lembrei-me do Jair Bolsonaro, causa de dor e arrependimento à própria mãe. A gente passa o tempo todo comparando com o Brasil. É natural que seja assim. É tudo muito, muito diferente.

Na barbearia a regra é não ter regra. Vale tudo o que o cliente quiser. Qualquer coisa.

ççç

E, ao contrário dos outros lugares, aqui se fuma maconha livremente nas ruas, sem que as pessoas se preocupem com isso. Aliás, desde que o cidadão esteja portando para uso próprio, nem a polícia o incomodará.

No supermercado, a variedade é boa e a qualidade dos produtos é indiscutível. Os preços são salgados. Em média 30% mais caros do que pagaríamos numa grande cidade, como São Paulo.

Mas não pense você que aqui não há lojas de um dólar canadense, correspondentes às de 1,99 brasileiras. A China conquistou o mundo pobre e rico. É admirável como chineses se instalam numa loja no centro para vender de tudo mas não são capazes de pronunciar uma única palavra em outro idioma.

Mas afinal o que há em comum entre um vulcão na África, uma fábrica de artigos baratos vindos da China e a preservação ambiental no Canadá? A resposta: estamos todos conectados nessa infinidade de cadeias globais, de trocas e de consumo desenfreado e desigual.

Encontrar uma solução para esse impasse é o grande desafio de todos nós aqui.

+ sobre o tema

Racismo estrutural leva à maior mortalidade materna entre mulheres negras, aponta pesquisadora

A pandemia de Covid-19 descortinou a desigualdade que marca a...

JUSTiça!

Por: Luis Emmanuel Barbosa da Cunha   21...

Jean Wyllys: uma reflexão sobre o linchamento de Fabiane Maria de Jesus

Que o defensor e praticante do linchamento consiga, num...

Marco Feliciano deixa a Comissão de Direitos Humanos e Minorias

Mandato termina em fevereiro mas, com o recesso parlamentar...

para lembrar

ONGs relatam massacre de até 80 indígenas

Organizações não governamentais de defesa dos direitos dos...

AFRO DENGOS – Na masculinidade

“Nos ensinaram que o amor e o cuidado não...

Maria Clara de Sena, transexual de PE é a 1ª do mundo a atuar no combate à tortura em prisões

Mecanismo criado segue protocolo contra maus-tratos da ONU. Maria Clara...
spot_imgspot_img

Movimento Negro cobra e Brasil se posiciona na ONU sobre agenda racial

Nesta quarta-feira, 17, durante a sessão do Fórum Político de Alto Nível nas Nações Unidas, em Nova York, Geledés – Instituto da Mulher Negra...

46º Prêmio Vladimir Herzog: inscrições prosseguem até 20 de julho

Termina no próximo sábado, 20 de julho, o prazo para inscrições ao 46º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (PVH).  A premiação...

Governo federal apresenta ODS 18 sobre igualdade étnico-racial em evento na ONU

O Governo Federal, por meio da Secretaria-Geral da Presidência da República e com apoio do Pnud, realiza nesta terça (16/7) evento paralelo ao Fórum...
-+=