Maria d’Apparecida cantora lírica brasileira ganha biografia

A história de Maria d’Apparecida tinha tudo para se transformar em livro. Nascida em São Paulo e criada no Rio de Janeiro, dona de uma carreira internacional de dar inveja para os padrões da época, ela superou seus traumas, enfrentou o racismo e conquistou o exigente mundo da música lírica na Europa.

por Adriana Brandão no RFI

Imagem: mariadapparecida.eu

Filha de uma empregada doméstica, fruto de uma relação com o filho da patroa, ela perdeu sua mãe ainda criança e foi criada por uma família que a educou nos melhores colégios do Rio de Janeiro, aprendendo piano e francês. A paixão pela música a levou ao conservatório carioca, mas o Brasil dos anos 1950 não estava pronto para acolher uma cantora lírica negra.

“Ela não pode fazer carreira no Brasil e, como tinha ganho um prêmio na Itália, decidiu tentar carreira na Europa em 1959”, conta Mazé Torquato Chotil, autora Maria d’Apparecida – Une Maria pas comme les autres (Uma Maria diferente, em tradução livre), biografia da cantora, que acaba de ser lançada na França.

Em Paris, a mezzo-soprano gravou o primeiro de seus mais de 20 discos. Em seguida, fez grandes papéis em óperas europeias, viveu histórias de amor dignas de contos de fada – como levam a crer os rumores sobre seu romance com um membro da família real belga –, sofreu um acidente que quase tirou sua vida, e depois se tornou cantora popular, se apresentando ao lado de nomes como Baden Powell. Apesar dessa vida agitada, ela terminou sozinha, encontrada pelos vizinhos dias após sua morte em seu apartamento em Paris.

Uma associação foi criada para tentar preservar seu patrimônio, já que Maria d’Apparecida nunca foi adotada e, por essa razão, não tinha família. “A intenção desse livro é resgatar uma pessoa que foi tão importante para a música”, explica Mazé Torquato, brasileira radicada há décadas em Paris, que se sensibilizou com a história da cantora.

O livro, cujos direitos autorais foram doados para a associação Les amis de Maria d’Apparecida – Os amigos de Maria d’Apparecida, terá uma versão em português. O lançamento está previsto para novembro de 2020, no mês da Consciência Negra.

Imagem: mariadapparecida.eu
Imagem: mariadapparecida.eu
Imagem: mariadapparecida.eu
Imagem: mariadapparecida.eu
Imagem: mariadapparecida.eu

Entrevista com a autora do Livro

+ sobre o tema

Ronaldinho Gaúcho diz que viveu seus melhores anos no Barcelona

Em carta à torcida, Craque se mostrou emocionado ao...

Ilú Obá De Min convida para 6ª edição do Heranças Africanas

    Olá amigos e amigas do Ilú Obá De Min,...

Willow Smith tenta emplacar mais um hit com o single 21st Century Girl

Willow Smith tenta emplacar mais um hit. Depois do...

para lembrar

Luis Vagner, o guitarreiro que foi do twist ao samba-rock para animar o terreiro brasileiro

♪ OBITUÁRIO – “Luis Wagner guitarreiro / Liga essa...

Elza Soares: Versão póstuma de ‘Meu Guri’ chega às plataformas digitais

Nova versão de "Meu Guri," performada por Elza Soares, chegou às...

Rapper Coolio, conhecido pelo hit “Gangsta’s Paradise”, morre aos 59 anos

O rapper Coolio, que iluminou as paradas musicais com sucessos...
spot_imgspot_img

Quem é Linda Martell, citada em “Cowboy Carter”, novo álbum de Beyoncé?

O esperado novo álbum de Beyoncé contém uma música que leva o nome de uma mulher que parece ter sido a inspiração para o projeto. “Act...

Beyoncé revela que Stevie Wonder tocou gaita em uma das faixas de seu novo disco ‘Cowboy Carter’; ouça

Beyoncé revelou que Stevie Wonder tocou gaita em "Jolene", uma das faixas do seu novo disco "Cowboy Carter". A informação foi dada pela própria cantora durante o...

Beyoncé diz que seu novo disco nasceu de experiência de rejeição no country

Beyoncé divulgou nesta terça-feira (19) a capa do seu novo disco "Cowboy Carter", o segundo capítulo de uma coleção que começou com "Renaissance", de...
-+=