Ministra Luiza Bairros recebe bancada feminina da Câmara dos Deputados

Pauta girou em torno das necessidades das mulheres negras e do papel das parlamentares para diminuir problemas que atingem essa parcela da população

 

A ministra Luiza Bairros, titular da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR, recebeu na tarde desta terça-feira, 12, representantes da bancada feminina da Câmara dos Deputados para a primeira audiência do ano com o grupo.

De acordo com a coordenadora da bancada, deputada Janete Pietá (PT-SP), o objetivo do encontro foi realizar uma avaliação do que vem sendo feito e do que pode ser feito pela SEPPIR em relação à mulher negra e qual a contribuição que as parlamentares podem dar a partir de sua atuação na Câmara.

Luiza Bairros destacou que a SEPPIR está coordenando a formulação e pactuação de um conjunto de ações integradas voltadas às mulheres negras, com vistas à reversão da posição desvantajosa em que se encontram.

“A proposta está focada em três eixos: empoderamento das organizações das mulheres negras; enfrentamento ao racismo e ao sexismo institucional e; comunicação, com vistas a melhorar e aumentar a presença positiva das mulheres negras na mídia e na publicidade”, afirmou a ministra.

Ela explicou que devido aos números relacionados à violência que atinge o jovem negro, essa parcela da população foi alvo dos esforços da SEPPIR para a execução, pelo Governo Federal, do Juventude Viva – plano de prevenção à violência contra esses jovens. A iniciativa foi implantada de forma piloto em setembro passado, em Maceió, que ocupa a segunda posição entre os 132 municípios que concentram mais de 70% dos homicídios registrados no país.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 53% dos homicídios registrados no Brasil atingem pessoas jovens, das quais mais de 75% são jovens negros (as), de baixa escolaridade, sendo a grande maioria do sexo masculino. Além disso, ao longo da última década, é cada vez maior a diferença entre o número de homicídios que atinge os jovens brancos e negros. Enquanto as mortes de jovens brancos caíram de 9.248, em 2000, para 7.065 em 2010, a morte de jovens negros cresceu de 14.055 para 19.255 no mesmo período.

Desvantagem – A ministra também demonstrou que, apesar dos avanços da população negra e da alardeada inserção na nova classe média, a mulher negra continua sendo o segmento em maior desvantagem social quando se fala em salários, postos de trabalho e outras variáveis. O que só poderá ser mudado, de acordo com ela, a partir do enfrentamento ao racismo e ao sexismo institucionais, inclusive com ações no próprio governo.

A titular da SEPPIR lembrou que os negros são a maioria da população brasileira e que são maioria também entre os beneficiários de políticas universais e de ações afirmativas. “O racismo naturalizou a pobreza entre os negros. Mas não é natural ser negro e por isso ser pobre”, diz.

Problemas da área de saúde que atingem a população negra ou as mulheres, em especial, como a morte materna, o aborto, a obesidade mórbida, a anemia falciforme, foram lembrados pelas parlamentares como questões que precisam da atenção do estado brasileiro.

“Também precisamos planejar com antecedência a prioridade da SEPPIR para que as deputadas possam alocar recursos para a pasta por meio de emendas”, disse Janete Pietá.

Participaram também da audiência as deputadas Alice Portugal (PC do B-BA), Iara Bernardi (PT-SP), Benedita da Silva (PT-RJ), Magda Mofatto (PTB-GO) e Rosane Ferreira (PV-PR).

Coordenação de Comunicação da SEPPIR

 

 

Fonte: Seppir

+ sobre o tema

“Se você acha o sistema justo, vai odiar as cotas”, diz Patricia Collins

A estudiosa analisa em entrevista ao Correio a vulnerabilidade...

Conheça a monja medieval que foi pioneira ao descrever orgasmo do ponto de vista de uma mulher

Hildegarda de Bingen foi pintora, poeta, compositora, cientista, doutora,...

para lembrar

O negro errado por Sueli Carneiro

Somos, geralmente, um único ponto preto numa turma de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=